sábado, 18 de maio de 2019

A ORCRIM ESTÁ APAVORADA


A ORCRIM está apavorada. 

Não há nada mais óbvio que o chefão tenha sido escolhido, desde a redemocratização do país, para ser um personagem que atrairia o voto das pessoas mais simples, até então restrito (o voto) aos currais regionais. Os intelectuais, por bem ou por mal, entenderam e aderiram a esse projeto de poder com amplo apoio das massas.

Por esse motivo, quando atacamos a ignorância de Lula, e não seus crimes, os desavisados ficam com a percepção equivocada de que estamos agredindo tais pessoas.

Eis que surge um líder, considerado tosco por quem tinha outras expectativas para o comando do país, que está justamente ocupando esse espaço de quem sabe se comunicar com o povão, porém não é um criminoso nem um enganador. 

O projeto é bem diferente e, com as ações em curso, poderemos ir além da preocupação com o consumo irresponsável, que alavancou a popularidade do ex-presidente, mas sim buscar uma evolução autêntica que leve as próximas gerações a serem mais exigentes em suas escolhas.

Pena que poucos intelectuais querem entender.

Temos uma chance única de mudar tudo o que tem acontecido em nosso país. 

No comando da economia, temos um dos profissionais mais bem conceituados do mundo.

Na Justiça, um valente que fez valer a determinação de que todos sejam iguais perante a lei.

Outros ministros estão se revelando como grandes condutores de suas pastas.

Se essa oportunidade for desperdiçada, será impossível acontecer novamente porque o poder do dinheiro voltará com força para continuar explorando nosso povo e nossas riquezas. É só isso que importa a essa gente, ideologia é só pretexto e a ferramenta de convencimento.

Pessoas dignas, como o juiz Moro e o economista Paulo Guedes, acreditam em Bolsonaro porque sabem que ele quer acertar. Se é tosco e impulsivo, não deveria ser o mais importante porque foi o tosco Lula que conseguiu se comunicar com o povão. Os esclarecidos têm, por si só, a obrigação de não seguir ondas de fofocas e pensar com grandeza em nosso país.

BARCO CHAMADO BRASIL


Eu tenho me divertido com tanta fofoca, pena que esse repertório de mau gosto que governo e oposição teimam em colocar acima de questões realmente importantes podem afundar o barco chamado Brasil.

Teorias conspiratórias apontam uma infinidade de "judas", incluindo os que querem pular fora do barco, não por serem tais quais os oportunistas que só se aliaram a Bolsonaro para levar vantagem, mas porque negam apoio por medo de afundar com o governo que os setores mais influentes da sociedade querem derrubar, medo de serem ridicularizados e rotulados com os mesmos xingamentos que ajudaram a espalhar uma onda de preconceito contra nosso presidente mundo afora, medo de fracassar junto e até de sofrerem ameaças, como vem acontecendo desde o episódio da facada. 

Eu os chamaria de "pedros". Esse negou seu líder por motivos semelhantes.

A má notícia é que todos nós estamos nesse barco, sejam oposicionistas, pessoas sem lado mas que torcem para que o barco afunde simplesmente porque odeiam Bolsonaro, sejam os "pedros" que agora se aliam aos que seriam seus algozes se não tivessem medo. 

Os únicos que podem se salvar são os ricos, como disse Silvio Santos sobre a reforma da previdência: "Se der tudo errado, pra mim não tem problema, eu tiro meu dinheiro daqui e posso viver muito bem em outro lugar". E não disse isso com a frieza de muitos que estão lutando um jogo sujo para manter seus privilégios. Nosso ancião mais querido fez essa afirmação para mostrar a realidade que muitos não conseguem enxergar.

sábado, 11 de maio de 2019

BRASIL AVANÇA COM MENOS BUROCRACIA

Jair Bolsonaro usou as redes sociais neste sábado para defender medidas de desburocratização, como facilitar a abertura de filiais de empresas estrangeiras no país.

“Após medidas de desburocratização internas diárias e a MP da liberdade econômica aceleramos abertura de filiais estrangeiras no Brasil, caindo de 45 para 3 dias (Registro de empresas). Medida busca melhorar o ambiente de negócios para atrair cada vez mais investimentos ao país.

A redução se tornou possível com a publicação do Decreto 9.787/2019 no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (9).”
*
Jair Messias Bolsonaro

‪- Após medidas de desburocratização internas diárias e a MP da liberdade econômica aceleramos abertura de filiais estrangeiras no Brasil, caindo de 45 para 3 dias (Registro de empresas). Medida busca melhorar o ambiente de negócios para atrair cada vez mais investimentos ao país.
- A redução se tornou possível com a publicação do Decreto 9.787/2019 no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (9).
- Precisamos hoje aprovar a Nova Previdência, sem tantas modificações, para que o mercado ganhe a confiança no Brasil e possamos evoluir cada vez mais.

quinta-feira, 9 de maio de 2019

PARTIDO ANTI-LAVA JATO ESTÁ NO COMANDO, VAMOS PERMITIR?

Votações importantes têm acontecido durante a semana no Congresso Nacional. Os resultados finais irão demonstrar se temos um governo firme em seu propósito apresentado em campanha ou se deixou o parlamentarismo se instalar por conivência ou inação.

As mudanças feitas pela comissão mista na MP da reforma administrativa — como a recriação dos ministérios das Cidades e da Integração, a retirada do Coaf do Ministério da Justiça e a limitação de poderes da Receita — precisarão ainda passar pelos plenários da Câmara e do Senado.

Se essa tendência continuar prevalecendo, coisas piores podem acontecer, tais como o engavetamento do pacote anticrime, barganha de cargos com o presidente e uma reforma previdenciária desidratada.

Por enquanto, além de tentativas, talvez infrutíferas, de pressionar nossos representantes, só nos resta acompanhar as votações e guardar muito bem essas informações para ter uma ideia do que fazer com nosso voto nas próximas eleições.

Veja abaixo o resultado da votação na comissão mista da MP da reforma administrativa sobre o “jabuti” que proíbe os auditores fiscais de compartilhar indícios de crimes diretamente com o Ministério Público Federal.
Quem votou para limitar a atuação dos auditores fiscais: 

Senadora Simone Tebet (MDB)
Senador Fernando Bezerra Coelho (MDB)
Senador Antonio Anastasia (PSDB)
Senadora Rose de Freitas (Podemos)
Senador Ciro Nogueira (PP)
Senador Nelsinho Trad (PSD)
Senador Rogério Carvalho (PT)
Senador Jayme Campos (DEM)
Deputado Valtenir Pereira (MDB)
Deputado Elmar Nascimento (DEM)
Deputado Célio Silveira (PSDB)
Deputado Arthur Lira (PP)
Deputado Marx Beltrão (PSD)
Deputado Alexandre Padilha (PT)
Deputado Luiz Carlos Motta (PR)

Quem votou para não aprovar a emenda:


Senadora Selma Arruda (PSL)
Senador Randolfe Rodrigues (Rede)
Senador Alessandro Vieira (Cidadania)
Senador Otto Alencar (PSD)
Deputado Filipe Barros (PSL)
Deputado Diego Garcia (Podemos)
Deputado Subtenente Gonzaga (PDT)
Deputado Camilo Capiberibe (PSB)
Deputado Daniel Coelho (Cidadania)

Abaixo, o resultado da votação na comissão mista da MP da reforma administrativa sobre a proposta para devolver o Coaf ao Ministério da Economia.

Quem votou para retirar o Coaf do Ministério da Justiça:


Senador Rogério Carvalho (PT)
Senador Jean Paul Prates (PT)
Senador Ciro Nogueira (PP)
Senador Nelsinho Trad (PSD)
Senador Jayme Campos (DEM)
Deputado Valtenir Pereira (MDB)
Deputado Elmar Nascimento (DEM)
Deputado Célio Silveira (PSDB)
Deputado Arthur Lira (PP)
Deputado Marx Beltrão (PSD)
Deputado Alexandre Padilha (PT)
Deputado Luiz Carlos Motta (PR)
Deputado Camilo Capiberibe (PSB)
Deputado Subtenente Gonzaga (PDT)

Quem votou para manter o Coaf no Ministério da Justiça:


Senadora Simone Tebet (MDB)
Senador Fernando Bezerra Coelho (MDB)
Senador Antonio Anastasia (PSDB)
Senadora Rose de Freitas (Podemos)
Senadora Selma Arruda (PSL)
Senador Randolfe Rodrigues (Rede)
Senador Alessandro Vieira (Cidadania)
Senador Otto Alencar (PSD)
Deputado Filipe Barros (PSL)
Deputado Diego Garcia (Podemos)
Deputado Daniel Coelho (Cidadania)

terça-feira, 16 de abril de 2019

CRUZ DE NOTRE DAME VENCE O FOGO

" Nada na história, ou no universo, nos torna tão conscientes da nossa pequenez como a cruz. Todos somos grandes aos nossos próprios olhos, especialmente no que diz respeito à justiça própria, até que visitamos um lugar chamado Calvário. E lá, aos pés da cruz, que murchamos de volta ao nosso tamanho real."
(John Stott)




Há 850 anos a Catedral de Notre Dame, Paris, foi construída. Resistiu às guerras, aos bombardeios, ao tempo, a tudo.

As imagens de hoje, um dia após o incêndio, revelam os vitrais quebrados, o teto destruído onde havia o pináculo (a flecha, símbolo da catedral) que despencou enquanto ardia em brasas e a cruz intacta em meio aos destroços. O altar e a Pietá resistiram ao fogo.

Uma das cenas mais emocionantes, porém, divulgada no dia de ontem, foi o instante em que os bombeiros abriram a porta principal. Tudo estava escuro, mas chamava a atenção a grande cruz iluminada pelas chamas.

Esse incêndio pode ter sido um acidente, mas são muitos os templos queimados criminosamente mundo afora, quando não matam cristãos.

Há relatos de que, na França e em todo o mundo, também nas redes sociais, certos grupos que prefiro não citar celebravam efusivamente o ocorrido.

Tentam eliminar nosso patrimônio, quem sabe um dia conseguem apagar o próprio Cristo de nossa memória, mas as reações que se sucederam à tragédia garantem que NÃO CONSEGUIRÃO.

Fazem bem os parisienses que não se dobram à tentação de revidar, no entanto entoam cânticos e oram, afinal, Jesus morreu por todos, inclusive por aqueles que o odeiam.


PRIMEIRA EMENDA DE BOLSONARO, MELHOR QUE O SONETO


Jair Bolsonaro está agindo em defesa à livre expressão, uma reação à decisão de ministros do Supremo Tribunal Federal de restringir a liberdade de imprensa, como também visa proteger críticos e opositores que venham a sofrer ameaças e perseguição, como está acontecendo com o comediante Danilo Gentilli, sites que entraram numa lista negra publicada no Estadão e os alvos da Polícia Federal no dia de hoje, a mando do ministro do STF Alexandre de Moraes.

O presidente avalia enviar ao Congresso Nacional uma proposta de emenda à Constituição ampliando a proteção ao direito à manifestação e à informação, com foco na internet e na imprensa.

A ideia é fazer no Brasil uma adaptação da primeira emenda da constituição americana, que impede o Congresso dos Estados Unidos de aprovar leis limitando a liberdade de expressão e de impressa.

E mais, Jair Bolsonaro postou há pouco a seguinte mensagem no Twitter:

“Acredito no Brasil e em suas instituições e respeito a autonomia dos poderes, como escrito em nossa Constituição. São princípios indispensáveis para uma democracia. Dito isso, minha posição sempre será favorável à liberdade de expressão, direito legítimo e inviolável.”

 


BRASIL NO PROSUL, AGORA VAI

Jair Bolsonaro anunciou a saída do Brasil da Unasul, um arranjo entre Lula e Hugo Chávez que estava levando a América Latina para o fundo do poço, e formalizou a participação do Brasil no Bloco de países que vem avançando a passos largos para uma situação de economia sólida e bem sucedida.