quinta-feira, 19 de abril de 2018

PGR INVESTIGARÁ GLEISI

PGR abre procedimento para apurar vídeo de Gleisi à Al Jazeera


© Instituto Lula A presidente do PT e senadora Gleisi Hoffmann, durante coletiva de imprensa em Curitiba

A Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu um procedimento para decidir se investigará a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) em virtude de um vídeo enviado por ela à emissora Al Jazeera, a maior de língua árabe, que provocou críticas de opositores ao PT nas redes sociais e no Congresso Nacional.

A chamada “Notícia de Fato” é uma etapa preliminar, em que a PGR certifica que recebeu uma representação e indica algum integrante do órgão que faça “um procedimento prévio para coleta de informações preliminares e deliberação sobre uma eventual instauração de procedimento investigatório”. O prazo para conclusão dos trabalhos é de 30 dias.

O pedido contra a senadora foi apresentado pelo deputado Major Olímpio (PSL-SP). Para ele, as declarações da petista, que se dirigiu “ao mundo árabe” para dizer que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) “foi condenado por juízes parciais em um processo ilegal” e é um “preso político”, feriram a Lei de Segurança Nacional.

Na gravação, a senadora petista também argumenta que Lula foi o presidente brasileiro que estreitou as relações diplomáticas entre o Brasil e o Oriente Médio.
(...)

PASSAPORTE PARA A FUGA

Investigadores suspeitam que passaporte serviria à fuga de Lula

Lula foi alvo de protestos quando esteve "costeando o alambrado" no sul gaúcho, região de fronteira.

A suspeita de investigadores é que o passaporte e outros pertences de Lula, furtados em Curitiba, estariam em poder de auxiliar petista com papel central em um provável plano de fuga para outro país. Na data do julgamento do seu habeas corpus no Supremo Tribunal federal, 22 de março, Lula estava com sua “caravana” no sul gaúcho, bem próximo à fronteira com o Uruguai. “Costeando o alambrado”, como se diz no sul. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O adiamento do julgamento do habeas corpus, provocado por uma viagem do ministro Marco Aurélio, teria abortado a operação de fuga.

Em discurso no sindicato de São Bernardo, antes de entregar-se, Lula citou os acenos à fuga enquanto estava na fronteira com o Uruguai.

Viaturas da Polícia Rodoviária Federal escoltando a “caravana” de Lula, também teriam o papel de mantê-lo sob monitoramento.

O julgamento do habeas corpus, duas semanas depois, deu tempo a Lula para planejar a “resistência”, entocando-se na sede do sindicato.

GLEISI CONVOCA MUÇULMANOS PARA “LUTAR” POR LULA!



"Se o povo árabe acolher Lula

e descobrir que é ladrão,

não vai faltar só o dedinho,

lá eles cortam as mãos"


A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffman gravou um vídeo e o enviou à TV Aljazeera contando mentiras sobre a prisão do ex-presidente Lula. A senadora atacou o Judiciário, a imprensa e disse que Lula "é um preso político”.

Gleisi afirma que o petista foi condenado por "juízes parciais" e chamou de “ilegal" um processo rigorosamente amparado nas leis e na Constituição. Gleisi também atropela a verdade ao afirmar que "não há nenhuma prova de culpa, apenas acusações falsas”.

Ela tenta atrair a simpatia dos árabes afirmado que ele é “um grande amigo do mundo árabe”, e convida a todos " a se juntarem conosco nesta luta, Lula livre".

Isso realmente é grave, pois a fala da petista sugere a intenção de pedir publicamente a intervenção das ditaduras islâmicas, aliadas do PT, e de seus respectivos braços terroristas.

Se nos preocupamos com a situação da Venezuela e sabemos que, com Lula e Dilma no poder, estávamos seguindo na mesma direção rumo ao caos e à miséria, precisamos nos preocupar ainda mais com o perigo de voltarem ao poder e fazerem conosco o mesmo que está acontecendo na Síria.

Não podemos subestimar o que pode acontecer. Já basta viver num país com a maior taxa de homicídios no mundo, pois estamos em guerra e os bandidos tupiniquis nos eliminam como inimigos da guerra ideológica plantado por PT&cia. Imaginem o que podem fazer os fanáticos convocados por essa insana.

Caso ocorra qualquer atentado em nosso país, essa senhora deve ser, no mínimo, investigada e responsabilizada.

Ao convocar estrangeiros para agirem contra brasileiros, a senadora do PT comete um atentado à paz e à segurança nacional.

É CRIME!!!!!!

O que seria essa ação senão ataques a bomba, como faziam os guerrilheiros e, muito pior agora, fazem os radicais islâmicos?

Acompanhei seu pronunciamento de hoje na tribuna do Senado agredindo verbalmente a senadora Ana Amélia Lemos, que tem todo o direito de exigir providências, e tentando minimizar sua atitude contra o nosso país.

Na sua fala, estranhamente breve para quem exige a palavra o tempo todo, alegou que não se dirigia apenas aos árabes. Mas não adianta trocar o tom agressivo pelo argumento de que enviara o vídeo a veículos de comunicação de outros países, pois o próprio texto acusa sua intenção. Não há menção alguma a qualquer outra nacionalidade, suas palavras são dirigidas exclusivamente aos árabes, também vítima de grupos radicais que praticam atos de terrorismo contra seu próprio povo e em outros cantos do planeta.

Algumas medidas importantes já estão sendo tomadas. O deputado Francischini (PSL-PR) entrou com pedido de cassação do mandato da senadora e o deputado Major Olímpio (PSL-SP) protocolou na Procuradoria-Geral da República (PGR) uma representação contra a senadora Gleisi Hoffman para que ela seja responsabilizada por crimes previstos na Lei de Segurança Nacional e na Lei que tipifica os crimes contra o Estado e a Ordem Política e Social.

Major Olimpio advertiu: “É válido ressaltar, que os países em que é veiculada essa rede televisiva utilizada pela Senadora citada e seu partido, alcançam regiões em que há concentrações de diversos grupos terroristas, colocando em risco também a segurança nacional do Brasil”, disse o deputado.

O deputado também pede a cassação de registro do PT, junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "É válido ressaltar, que a “denúncia” realizada pela Senadora do PT Gleisi Hoffmann se deu como Presidente de seu partido, sendo ato expressamente vinculado a ele, devendo tal agremiação partidária também sofrer as sanções legais, uma vez que a Constituição Federal estabelece em seu art. 17, caput e inciso IV, que "É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de partidos políticos, resguardados a soberania nacional, o regime democrático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa humana e observados os seguintes preceitos: (...) IV - funcionamento parlamentar de acordo com a lei".

O major também protocolou no Senado Federal, pedido para abertura de processo no Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar e perda do mandato de senadora. “Logo, resta comprovado, mediante o cotejo do vídeo anexado e os dispositivos legais supracitados, que a Senadora do PT Gleisi Hoffmann, agiu de forma incompatível ao decoro parlamentar, ao praticar diversos crimes que atentam contra a Soberania Nacional, o Estado Democrático Direito, o Respeito aos Poderes Constituídos, principalmente o Poder Judiciário e a Ordem Política e Social do País”.

A Constituição Federal estabelece, em art. 55, caput, II e §1º, que:

Art. 55. Perderá o mandato o Deputado ou Senador (...) II - cujo procedimento for declarado incompatível com o decoro parlamentar; (...) § 1º - É incompatível com o decoro parlamentar, além dos casos definidos no regimento interno, o abuso das prerrogativas asseguradas a membro do Congresso Nacional ou a percepção de vantagens indevidas.


segunda-feira, 16 de abril de 2018

FAZ SENTIDO, EXERCENDO O SOCIALISMO - "SE É DO LULA, É NOSSO"



Cerca de 50 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e da Frente Povo Sem Medo ocuparam, na manhã desta segunda (16), o tríplex que Lula recebeu a título de propina na praia do Guarujá, no litoral de São Paulo. Arrombaram a porta de um imóvel que está em poder da justiça, que deveria ser leiloado para cobrir o rombo causado por Lula.

O MTST, tal qual outros movimentos que funcionam como milícias e cujos membros, desocupados que vivem às custas de mortadela e alguns trocados, não protestam contra corrupção, mas sim contra a Justiça, estendeu uma faixa nas janelas do apartamento com os seguintes dizeres: “se é de Lula, é nosso”; “se não é, por que prendeu?” e “povo sem medo”. Outros manifestantes também protestaram na frente do prédio.

Essa ação põe fim ao questionamento ditado pelas lideranças do PT e repetido pelos que rezam a cartilha do partido: "Cadê as provas?". Se ainda não estão convencidos com o calhamaço de provas consistentes confirmadas por todos os tribunais, eis aí a prova principal, querem impedir que o fruto do roubo seja devolvido à União.

Petralhas fingem desconhecer a Lei, porque não a respeitam. A polícia agiu e tinha que agir contra a perturbação da ordem e para proteger o direito dos condôminos de ir e vir.

Com ondas de violência tomando conta do país, petistas ameaçando pegar em armas e fazendo discurso sobre derramamento de sangue para defender o chefe da quadrilha, a procuradora geral da República considera mais importante denunciar um deputado por uma piada politicamente incorreta. Criminalizar piada de mau gosto não vai tirar voto do candidato, mas permitir que Lula incite a violência faz o PT perder votos, com certeza.




domingo, 15 de abril de 2018

A PATOLOGIA LULA



Carlos Marques - Isto É

As romarias, os cânticos em seu nome, a louvação às suas palavras, tudo leva a crer que os adoradores de Lula já o colocaram em um pedestal de divindade, no qual nenhuma acusação de crime, nenhuma prova ou evidência pode alcançá-lo. Nem mesmo erros conhecidos, a clamorosa afronta às instituições, o descaso que demonstrou com a Lei e a ordem, a incitação à baderna – sugerindo aos seguidores “queimar pneus”, “fazer passeatas” e “ocupações no campo e na cidade” – serão capazes de denegri-lo. Não para esses fiéis, cegos na veneração.

Não importa, não tem valor os desmandos, não maculem a imagem do protetor dos desassistidos – mesmo que ele tenha se locupletado com o dinheiro alheio, justamente daqueles a quem prometia a salvação. É perjúrio dizer isso, pecado capital. Bem-aventurados os que creem porque esses seguirão ao lado do todo-poderoso.

O próprio Lula, como diz na pregação que fez de autorreferência, nos momentos derradeiros do martírio rumo ao calabouço, descortinou o caminho da fé: “eu não sou mais um ser humano, sou uma ideia”. Talvez o grau etílico no momento da fala, naquele sábado de paixão petista, tenha contribuído para o delírio. Mas há de se supor que Lula acredita na própria profecia.

A ascensão do mundo dos mortais à esfera dos deuses se dá com a sagração de seus apóstolos. Cada um deles, congressistas de carteirinha, tratou logo de pedir à plenária daquela casa de tolerância a inclusão da menção “Lula” em seus respectivos nomes parlamentares.

Assim Gleisi “Lula” Hoffmann, Paulo “Lula” Pimenta e quetais, da noite para o dia, devotaram sua existência política ao redentor. Eis a mensagem da fé! Aleluia ao Senhor. Seria cômico, não fosse triste.

O Partido dos Trabalhadores agoniza engolfado pelo devaneio. Deixou de lado programas, bandeiras, a própria essência ideológica que dava corpo à agremiação, para virar seita. Tal qual a de reverendos suicidas que conclamam incautos para a reclusão e o fim trágico coletivo em nome de uma crença.

A cúria petista, nos dias que se seguiram a prisão de seu líder maior, arrastou uma patológica massa de romeiros para Curitiba, sede da masmorra/recanto de seu mentor, e ali fincou acampamento, revezou hordas de peregrinos nos gritos de saudação “bom dia, Lula”, “boa noite, Lula” e maquinou a ressurreição do demiurgo.

Levou governadores partidários para visitas improváveis, articulou comissões no Senado para a averiguação das condições da cadeia, promoveu algazarra e violência a intimidar os locais. Em suma, rezou conforme a cartilha de insanidades do lulopetismo.

No enredo do calvário que culminou com a rendição midiática o ingrediente das vaias e fogos a comemorar o feito da Justiça não poderia faltar. Lula aquiesceu na última das quedas de sua paixão, em pleno heliporto da atual morada. Horas antes, do palanque improvisado em um carro de som, como numa missa de corpo presente, exibiu-se à imagem e semelhança de um cadáver político.

Dava para notar no tom soturno de suas imprecações, inconformado com o próprio fim, que rogava por uma plateia maior que a avistada ali de cima.

Lula almejava a reencarnação em “um pedacinho de célula de cada um de vocês”. Pedia a militância de muitos “lulinhas”, dos “milhões e milhões de Lulas”. Já era o ente falando. Os exegetas bíblicos deveriam rapidamente rever as encíclicas para incluir o nome do novo santo. Lula tem certeza de seu direito divino a figurar nos versículos do livro sagrado. Disse em certa ocasião que “as pessoas deveriam ler mais a bíblia para não usar tanto meu nome em vão” e cravou a memorável lembrança de que “não existe uma viva alma mais honesta do que eu”.

A mística do Salvador da Pátria em pessoa deu o tom do desvario de lá para cá. Não há na política brasileira mais espaço para um messias oportunista. De mais a mais, as previsões apocalípticas não se confirmaram. O mundo não acabou com a sua prisão, como ele e a parolagem petista vaticinaram.

Lula é agora apenas um número no Cadastro Nacional de Presos (CNP). Detento ficha 700004553820. Até ressuscitar vai uma penosa provação. Aleluia.

terça-feira, 10 de abril de 2018

NO STF, TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI, COM A EXCEÇÃO DE LULA

Tudo por Lula: ministros ameaçam arquivar o bordão ‘dura lex, sed lex’

Ministros Marco Aurélio e Ricardo Lewandowski tem atuado com afinco de advogados pelas ADCs

Com a obstinação de advogado, o ministro Marco Aurélio tenta reverter no Supremo Tribunal Federal (STF) a prisão após segunda instância. Mas, nesta quarta (11), tudo o que se espera do STF é que não cause sobressaltos adicionais ao País, indicando um mínimo de apego ao bordão jurídico que, de tão velho, chega a ser clichê: “dura lex sed lex” – para o milionário e pobre, para a puta, o preto e “para A, T ou L”, como já sentenciou o ministro Luís Roberto Barroso há uma semana. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

A tentativa de neutralizar a pena de Lula, estabelecendo novo marco de impunidade, reforça a notável inconstância de posições do STF.

O STF ameaçou “rever” da Lei da Anistia, de 1979, com a mesma sem-cerimônia que, no mensalão, ressuscitou os embargos infringentes.

Ressuscitados os embargos infringentes, mortos desde 1990, o STF garantiu punição amena, por exemplo, para o ex-ministro José Dirceu

O STF tratou Eduardo Cunha com rigor, mas para outro político do mesmo nível institucional, Renan Calheiros, deu tratamento leniente.

domingo, 8 de abril de 2018

RESUMO DE UMA FARSA CHAMADA LULA

Mario Sabino

*Em 26 de agosto de 2016, uma farsa começou a ser formalmente desmontada. A farsa chamada Luís Inácio Lula da Silva. Naquela data, ele foi indiciado pela Polícia Federal por corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro, dentro da Lava Jato, no caso do triplex do Guarujá pago pela empreiteira OAS.

Com Lula, atingimos o ápice da demagogia e da corrupção nesta terra pródiga em demagogos e corruptos.

Lula surgiu no regime militar, quando se apresentou como líder sindicalista tolerável aos generais. Na redemocratização, a esquerda o transformou em ícone revolucionário (o que ele nunca foi) e chefe de partido. No entanto, o discurso radical que lhe fora oportuno na construção do PT revelou-se um desastre eleitoral nas campanhas presidenciais — e Lula, então, engravatou o pescoço e as palavras, para conquistar banqueiros, empresários e parte da classe média. Chegou ao Planalto por meio do que parecia ser um consenso inédito entre interesses de trabalhadores e patrões.

No poder, em conluio com as oligarquias dos grotōes e os plutocratas paulistas e cariocas, Lula levou às últimas consequências o assistencialismo mais rasteiro e uma política econômica que, baseada apenas em crédito farto aos cidadãos que se endividavam para consumir e subsídios indecentes aos empresários amigos, graças à bonança mundial que impelia as exportaçōes de commodities, resultaria no desastre completo sob Dilma Rousseff, a criatura que escolheu para sucedê-lo e autora da maior fraude fiscal já cometida no país. Como resultado, os ganhos sociais relevantes proporcionados pelo Plano Real foram parar na fila do desemprego.

No poder, Lula instituiu, para além da imaginação, a prática de comprar apoio parlamentar. Tanto no mensalão como no petrolão, o seu partido e aliados desviaram bilhões de reais dos cofres públicos, para realizar tais pagamentos.

No poder, Lula e boa parte dos seus companheiros enriqueceram por meio de contratos fraudulentos entre empreiteiras e estatais como a Petrobras, arrasada durante os anos dos governos do PT.

No poder, Lula aparelhou as instituiçōes e tentou calar a imprensa independente, comprando o apoio de blogueiros sujos e jornalistas decadentes, perseguindo profissionais que desvelavam os porões imundos do lulopetismo e cortando propaganda (não apenas governamental) de veículos sérios. Com isso, quase minou um dos pilares da democracia que é a liberdade de imprensa — o seu projeto de perpetuação no poder o exigia.

É essa farsa que começou a ser formalmente desmontada pela PF num radioso 26 de agosto de 2016. E que, graças à Justiça de verdade, chegou ao fim num outonal 7 de abril de 2018, com o epílogo vergonhoso protagonizado em São Bernardo por um ator que recendia a cachaça.

Se Lula ressuscitar, a farsa se repetirá como farsa ainda pior.


*Artigo adaptado do original publicado no livro “Cartas de um Antagonista” (editora Record).