segunda-feira, 21 de junho de 2021

AÇÃO E REAÇÃO


Já vimos religiosos que deveriam ser exemplos de santidade estapeando pessoas por motivos tolos.

Conheço críticos de Bolsonaro que mandam qualquer um para aquele lugar se não disser amém às suas vontades.

Estou esperando sentada que apareça algum crítico que realmente exercite a prática do perdão diante de contrariedades. Nem precisa ser o massacre que o presidente sofre há décadas.

E tem mais...a galera vai ao delírio quando alguém solta por nós os gritos entalados na nossa garganta.

sábado, 19 de junho de 2021

EXPLORAÇÃO POLÍTICA DE MEIO MILHÃO DE MORTOS


O mundo acompanha a dor do luto sofrida por uma multidão de anônimos atingidos pela praga do coronavírus.

Desde que tudo começou, os noticiários mostram, diariamente, o sofrimento humano provocado pela pandemia da covid-19. No Brasil, talvez um pouco mais tarde do que deveria, porque certos poderosos da mídia propagavam que era só um resfriadinho para faturar com o carnaval.

Neste contexto de corações tomados pela dor, é urgente que cada pessoa busque ser presença solidária, compartilhando palavras que devolvam a esperança. Trata-se de cumprir missão consoladora para levar luz aos momentos de luto e aliviar a dor dos que ficam.

Eu não tenho facilidade para fazer isso, por esse motivo consigo compreender quem também não tem habilidade para consolar. Admiro quem sabe fazer bom uso das palavras, desde que não seja o discurso fácil e falso dos políticos, nem de quem quer que seja que faça isso com algum interesse. O que considero totalmente impróprio, porém, é batucada nas ruas e exploração de uma dor tão profunda para lançar candidatura política.

Espero que as pessoas tenham discernimento para identificar o que são ações consistentes que valem mais do que palavras e o que é apenas um espetáculo deprimente de ilusionismo macabro.

Lamentável ver tanta gente insensível explorando a tragédia para lançar a candidatura do chefe de quadrilha.

sábado, 29 de maio de 2021

ESSE PAPA TEM SALVAÇÃO?


Fernando Cavalcanti

O Papa Francisco, todos já sabem, disse que o Brasil não tem salvação, porque aqui o "negócio" é muita cachaça e pouca oração.

Tratou-se, evidentemente, de uma blague.

Mas Francisco não sabe que o pior negócio do planeta é tentar "zoar" com brasileiros. Pois nós já nascemos com pós-doutorado em gozação.

Assim, o feitiço virou-se contra o feiticeiro, e Francisco virou objeto de chacota em centenas de musiquinhas, memes, caricaturas, stickers etc.

Eu próprio estou me divertindo deveras com as piadas e reproduzi duas delas nesta página.
Os emoticons deixados pelos facefriends foram, em geral, de riso. Essa era a intenção.
Francisco, entretanto, está sendo também alvo de comentários indignados, alguns dos quais agressivos.

Vários amigos têm-me urgido, no messenger, para que os apague. Argumentam que, se me declaro católico, não posso permitir desrespeitos ao Sumo Pontífice.

Bem, os comentários que contêm palavrões eu excluo. (Faço isso sempre, aliás, quer eu concorde ou não com o conteúdo de um comment.)

Mas estou deixando nesta página os demais, que expressam revolta com o Papa de maneira genérica, mesmo que agressivos, porque eu próprio acho Francisco uma calamidade para a Igreja.
Não por piadinhas inconvenientes, é claro. E sim porque mistura desavergonhadamente religião com política.

E gostaria de lembrar que, na verdade, há, no momento, dois Papas: Francisco e Bento XVI.

Bento é o MEU Papa, o digno sucessor de João Paulo II. Fervoroso, culto, observador consciencioso de ambas as liturgias (a da fé e a do cargo de chefe de Estado), sincero, conservador e humilde.

Humilde até demais, aliás. Pois, num gesto inédito, julgando-se muito idoso e cansado, renunciou ao "exercício" do Pontificado e permitiu a eleição de um novo Papa (sem deixar de sê-lo "emeritamente") pelo Colégio de Cardeais.

Assim Bergoglio se tornou o Papa Francisco.

No começo encantou a todos, independentemente de ideologia, por sua afabilidade e carisma.
Com o tempo, porém, Francisco deixou claro ser adepto da Teologia da Libertação, movimento que torna a Igreja Católica uma espécie de ONG de esquerda. (Já dissertei, se não me engano, sobre essa "seita" nefasta nesta página.)

Os sacerdotes adeptos da TL, identificando a esquerda e o progressismo como sinônimos de amor, tolerância e luz, encaram, logicamente, a direita como o mal.

E assim os conservadores, que já eram politicamente cidadãos de segunda classe na maior parte dos países, passaram a sê-lo também na Igreja.

Francisco revelou a que ponto chegava o sequestro de sua religião por sua ideologia quando celebrou com a China, que sempre perseguiu de maneira cruel os católicos, uma Concordata em que, na prática, permite àquela ditadura bárbara e ateia decidir que sacerdotes poderão ser consagrados bispos.

A meu ver, se houvesse previsão de mecanismos para o "impeachment" do Sumo Pontífice, Francisco deveria, mais do que qualquer Papa após o século XVI, ter sido deposto naquele momento. Considero que traiu os martirizados cristãos chineses. E, por corolário, à própria Igreja que jurou liderar e defender.

Com relação ao Brasil, temos inúmeros exemplos de que, para Francisco, cristãos de verdade têm que ser progressistas.

Desde o início de seu pontificado, tem recebido figuras radicais da esquerda, como o "Grande Invasor" João Pedro Stédile (que, em entrevistas, revela seguidamente seu encantamento com Francisco). E próceres da corrupção, inclusive o arquimarginal de nossa nação, Luiz Inácio "Lula" da Silva.

O progressismo militante de Francisco, como um câncer em metástase, tem incentivado a cúpula esquerdista da Igreja Católica no Brasil a declarar cada vez mais ousadamente o seu anticonservadorismo.

Quando Francisco recebeu críticas da Direita Conservadora (pleonasmo, pois, em meu julgar, não existe direita que não seja conservadora, e vice-versa) pelas propostas "inovadoras" do Sínodo da Amazônia, o arcebispo de maior destaque do Brasil, Dom Orlando Brandes, no Santuário de Aparecida, a padroeira do Brasil, trovejou: "A DIREITA É INJUSTA E CRUEL. É PRECISO ESMAGAR O DRAGÃO DO TRADICIONALISMO."

Não, não se trata de versão "retórica". Essas foram suas palavras literais. Dom Brandes condenou milhões de brasileiros (aliás, de cidadãos do mundo inteiro) como criaturas malignas e 'decretou" que somos uma espécie de servos de Satanás. (O dragão é uma das representações do demônio, ao lado da serpente, na Bíblia.)

O que disse Francisco em defesa dos milhões de católicos conservadores que nos sentimos ultrajados com as agressivíssimas palavras de Dom Brandes? NADA.

E quem cala, vocês sabem, consente.

Francisco é um pastor que só quer apascentar as ovelhas que comem em sua mão esquerda.

Para as outras, ele, em linguagem popular, "não está nem aí".

Francisco, pois, para mim, não é um Papa, pois a palavra significa "Pai". E um pai de verdade não escolhe os filhos. Prefiro até chamá-lo de Bergoglio.

O MEU Papa está velhinho, combalido e, desconfio, amargamente arrependido de ter convocado o Concílio que entronizou Bergoglio na Santa Sé, vendo a interminável fileira de malfeitos engendrada por ele.

E vocês, meus amigos católicos mais "respeitadores", ainda querem que eu censure críticas a Bergoglio em minha página por causa de uma brincadeira anódina sobre cachaça?

Jamais. O que posso fazer é dizer o que esse Papa realmente tem feito de execrável.

Não haverá dano. Grave é calar-se ante infâmias só porque quem as comete porta o Báculo Pontifical. E assim propiciar sua continuidade.

A Igreja sobreviveu a Papas como Júlio II e Alexandre VI.

Sobreviverá a Francisco.

O qual, daqui a alguns séculos, será lembrado por coisas infinitamente piores do que piadas de mau gosto.

domingo, 23 de maio de 2021

A DISTÂNCIA ENTRE A POLITICAGEM E A AÇÃO

Matéria interessante para podermos observar quem realmente está empenhado no enfrentamento da pandemia e quem está apenas interessado em fazer politicagem. Infelizmente, quem deveria informar dá mais destaque aos discursos de palanque do que às ações:

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi hoje ao Maranhão para entregar 600 mil testes de detecção da covid-19, que serão usados em barreiras sanitárias contra a disseminação da variante indiana do vírus, detectada no Estado. Em São Luís, Queiroga se reuniu com o governador e pregou integração no trabalho de combate à doença.

“Vamos trabalhar juntos, de forma articulada, para prover a segurança necessária, para transmitir à nossa população o que ela precisa: confiança nos seus gestores, confiança no ministro, no secretário estadual de Saúde, no secretário municipal de Saúde, porque estamos trabalhando juntos pelo povo do Brasil", afirmou Queiroga.

No Maranhão, Queiroga e Flávio Dino se encontraram no porto do Itaqui, em São Luís, capital do Estado. Durante a visita, eles acompanharam a testagem de funcionários para a detecção da covid-19. No sábado, 22, a Saúde anunciou o envio dos testes rápidos de antígeno e prometeu uma estratégia de busca ativa de novos casos em aeroportos, rodoviárias e principais estradas no Maranhão, a ser replicada também em outras cidades do País.

Em caso de teste positivo, o indivíduo será submetido ao teste do tipo “RT-PCR”, considerado padrão-ouro na detecção da doença. Confirmado o diagnóstico, o material será submetido à avaliação genômica para identificar a variante responsável pela contaminação. O paciente, por sua vez, deverá cumprir isolamento.

Para tentar reduzir o risco de propagação da nova cepa indiana, mais transmissível, o ministro da Saúde informou que o Maranhão receberá 5% a mais de doses de vacinas. Os imunizantes serão utilizados nas cidades de São Luís, Raposa, São José de Ribamar e Paço do Lumiar, que compõem a Ilha de São Luís.

O encontro entre o ministro e o governador ocorreu um dia após os dois trocarem farpas nas redes sociais. Após a entrevista coletiva em que o Ministério anunciou medidas para tentar conter a nova variante, Flávio Dino disse não ter sido consultado para discutir as estratégias.

Em resposta, Queiroga deu outra versão. "Ao contrário do que afirma, conversei com o secretário (estadual de Saúde) Carlos Lula, por telefone, e o convidei para a coletiva. No entanto, ele informou que o senhor não autorizou a participação dele. Este deve ser um momento de união. Nosso único inimigo é o vírus", escreveu o ministro.

Dino rebateu. "O secretário Carlos Lula não foi ouvido sobre nada. E claro que ele não se dispôs a ser enfeite em coletiva".

domingo, 2 de maio de 2021

AGLOMERAÇÃO VERDE E AMARELA



Aglomeração verde e amarela assusta? 

Infelizmente, o desrespeito ao voto vencedor nas urnas força alguma reação. Portanto, todos aqueles que estão apoiando o jogo sujo para derrubar o presidente são os responsáveis pelas manifestações e por suas possíveis consequências.

Rogo a Deus que afaste a urucubaca dos covideiros e proteja o povo brasileiro de todo o mal!

Mas fica o recado para os teóricos da hegemonia do pensamento e da opinião, representados pelos "coronés" da política, por corruptos e tiranos que compram consciências, pelos senhores da grande imprensa e de outras instituições que também pregam a tirania do pensamento único, que respeitem as nossas escolhas e decisões, porque nosso clamor não é por interesses pessoais, não é por vantagens e privilégios. 

O que exigimos é respeito pelo país que queremos para nosso povo e para as futuras gerações. Um país de oportunidades, sem o conflito provocado pelos que nos dividem e apostam no confronto que enfraquece a sociedade, tornando-a refém de seu projeto de poder.

É justamente esse ambiente de coronelismo, corrupção e hostilidade que abominamos e queremos apagar de nossa história.

Que venham dias melhores, que nossa força consiga superar a negatividade e as más intenções, que possamos, enfim, conquistar a qualidade de vida que merecemos e resgatar os valores que foram sequestrados pelos pregadores do caos, que até um tempo atrás estavam comandando o destino da Nação.



quarta-feira, 28 de abril de 2021

CPI DA COVID - QUE MOSTREM TUDO

Um grupo de sindicatos e centrais sindicais foi ao STF para pedir que a corte obrigue o governo federal a adotar medidas de lockdown.

Preocupados com a vida?

LOROTA.

Mais uma arapuca para tentar colar em Bolsonaro a marca de ditador, acreditando que ele teria que colocar as tropas do Exército nas ruas para agredir brasileiros em locais públicos, como governadores e prefeitos têm feito.

Mas o recado está dado e é repetido diariamente, o presidente jamais fará isso contra a população.

O comandante aglomera? Quem diz isso não entende NADA de humanidade. O comandante não deve ficar encastelado em seu mundo de privilégios, é o último a abandonar a trincheira e se faz presente junto aos que não podem se dar ao luxo de "ficar em casa" num reino de faz de conta.

Entre piadas de jacaré, nos momentos de descontração em suas lives (imagens que podem parar na CPI da covid e que vão divertir muita gente), é importante publicar cada palavra do que Bolsonaro costuma dizer todos os dias sobre vacinas, por exemplo:

"Agora tem a questão da vacina. Quando o último brasileiro tomar a vacina, eu tomo. Eu sou chefe de estado e tenho que dar exemplo. Meu exemplo é esse: já que não tem para todo mundo, que tomem na minha frente. Sempre foi assim. Eu sempre fui último a comer no quartel, tenho que dar exemplo."

Os noticiários não mostram, mas quem sabe agora os brasileiros irão saber o que Bolsonaro faz de tão grave durante a pandemia!

Finalmente, quem sabe, tudo poderá chegar ao conhecimento da população, pois o senador Eduardo Girão (Podemos) apresentou à CPI da Covid requerimento de dados sobre os deslocamentos de Jair Bolsonaro pelo entorno de Brasília.

O presidente da República tem o hábito de visitar comunidades humildes para saber de suas necessidades e demonstrar que não abandona seu povo.

Seria interessante ver essas imagens nas telas da TV.

Só para comparar, a variante da Índia está avançando contra a vida dos indianos de forma assustadora. As imagens são impublicáveis. Mas duvido que seu povo seja tão perverso a ponto de massacrar seu líder, como fazem muitos brasileiros... que fazem pior... além de elegerem um bode expiatório para se eximirem de suas responsabilidades, bajulam os verdadeiros culpados pelo vírus.

PANDEMIA? QUE PANDEMIA?

Até quando a humanidade vai precisar de "salvadores" e "heróis" para impor o que se deve ou não fazer?

No caso da pandemia, ficar repetido o jargão já batido "fica em casa" qualquer um pode fazer, eu faço, você faz, até banalizar e ninguém mais dar importância ou ficar de saco cheio e mandar às favas tudo o que é dito no imperativo.

Eu me cuido, sim, muito mais do que grande parte de conhecidos e celebridades que querem exigir dos outros o que não fazem. Mas não julgo quem precisa sair de sua zona de conforto por necessidade nem quem se encaixa muito bem no ditado popular "faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço", mas julga quem não os obedece.
 
O que me importa nisso tudo?

Quem tem ATITUDE, pessoas solidárias, caridosas, generosas e, por que não dizer, quem age para minimizar os estragos causados pelo vírus e também pelas quarentenas... o resto é teatro.
Pandemia? Que pandemia?
 
Pra político não tem pandemia, tem o discurso que interessa e que consegue enganar a plateia. Sinceridade, nesse caso, virou crime.

Porém, se atentarmos aos fatos, e não no falatório de quem não tem a mínima preocupação com vida nenhuma, porque a eles só interessa dinheiro, poder e, para isso precisa do nosso voto, fica evidente que político só quer saber de eleição.
 
Ciro já está divulgando vídeos de campanha produzidos pelo marqueteiro que ajudou seus antigos patrões a roubarem como nunca.
 
Doria, como sempre, atropela os companheiros de partido para ser o escolhido para concorrer à eleição presidencial, enquanto um grupo no PSDB já lançou o slogan de Tasso Jereissati: o PresidenTasso.

O presidiário, que se safou da prisão porque temos um Tribunal Superior tão indecente quanto ele, já está circulando pelo país em campanha. Só não se sabe se mortadela vai ser suficiente para não levar ovada.

Enquanto isso, no país real governadores e prefeitos são investigados por desvios de verba destinada pelo governo federal exclusivamente para a pandemia. E o povo que se lasque.