domingo, 17 de março de 2019

A DESUMANIDADE SOCIALISTA

Médicos cubanos acusam Maduro de negar tratamentos para oposicionistas

O Antagonista

Em entrevista ao New York Times, 16 médicos cubanos relataram um sistema de manipulação política deliberada do ditador Nicolás Maduro e disseram que seus serviços na Venezuela eram usados para garantir apoio ao regime.

Entre as táticas usadas pelo ditador, há desde lembretes para votar no governo até negar tratamentos para pacientes da oposição que tenham doenças graves.

“Você aparece com vitaminas e algumas pílulas para pressão sanguínea”, disse um médico que desertou para o Equador. “E quando ganha a confiança deles, você começa perguntas como: ‘Você sabe onde é o seu local de votação? Você vai votar?’”

Todos os médicos cubanos entrevistados pelo jornal confirmaram que faziam visitas de casa em casa para prestar seus serviços mas também para falar de política.

#ESTADÃO, FALTOU EU!



A que ponto chegou o nosso jornalismo. O Estadão virou piada ao criar um movimento de caça a bruxas que está repercutindo nas redes. 

O ministro Dias Toffoli abriu inquérito policial contra todos que se manifestarem contra o STF. Qual o fundamento? A Constituição? Nada disso, alegou estar seguindo o regimento interno. 

O Estadão, coincidentemente, publica hoje uma lista, servindo como instrumento de perseguição ao estilo nazista, que "entrega" vários portais de notícias e nomes de brasileiros com perfil conservador em uma ‘lista negra’.

Mais uma vez, como tem acontecido na última década, o tiro saiu pela culatra. Milhares de pessoas que desconheciam muitos desses perfis passaram a seguir os influenciadores citados na tal lista.

Ainda há quem atribua às manifestações que estão ocorrendo no dia de hoje em inúmeras cidades do país a uma tentativa do governo de querer implantar uma ditadura presidencialista. Comparam Bolsonaro a Hugo Chávez, o amigo quase irmão do presidiário Luiz Inácio, que absurdo! Chávez, em 2004, aparelhou o Tribunal Supremo de Justiça venezuelano, o equivalente ao STF, indicando um número de juízes leais para controlar a maioria da corte, acabando com a independência desse poder. 

Oras, quem tentou aparelhar o STF e exterminar a oposição (palavras do Lula) foi o PT. Não contavam com a independência de alguns ministros indicados para servir ao partido (também palavras do Lula quando disse que tínhamos um STF acovardado e quando afirmou que não tinha escolhido um negro pra trair a causa ao condenar mensaleiros) que não merecem a generalização que estamos assistindo (apesar de minha discordância em alguns aspectos, mas que eu respeito). O que não se pode contestar, porém, é a legitimidade da pressão popular. A esquerda, quando se manifesta, faz coisa muito pior.

Em resposta ao atentado contra a liberdade de expressão protagonizado pelo Estadão, os internautas subiram a hashtag #EstadãoFaltouEu, que imediatamente passou a liderar os assuntos mais comentados do Twitter no Brasil.

Confira a lista dos nomes e as principais publicações sobre o tema:

sábado, 16 de março de 2019

RESPONSABILIZAR INDICAÇÕES POLÍTICAS, O GOVERNO FAZ BEM

Governo quer que deputados se ‘responsabilizem’ por afilhados políticos

O Antagonista

O governo quer que deputados se responsabilizem pelos apadrinhados em segundo e terceiro escalões.

A ideia, relata o Estadão, é que os parlamentares assinem uma planilha, ao lado dos nomes de seus afilhados políticos, para que possam ser cobrados posteriormente caso os indicados cometam alguma irregularidade depois de assumir o posto. 

A iniciativa, claro, não tem sido bem recebida pelo Congresso.

PRECISAMOS AVANÇAR, OS JOVENS SABEM DISSO

Leonardo Rolim, secretário de Políticas de Previdência Social, disse à Folha que a maioria dos jovens vai preferir o novo sistema de capitalização da Previdência.

“O governo define os limites que você pode aplicar e uma instituição financeira que vai ser apenas custodiante do recurso, que vai lhe dar as opções onde aplicar, se vai ser em Tesouro Direto ou uma parte será na Bolsa, ou um pedaço em fundo imobiliário (…).

Se você perguntar aos jovens, a maioria prefere a capitalização. Eles conhecem o sistema e a demografia. Querem tirar essa bomba demográfica das costas deles”.

MAL NOS QUEREM... BEM EU QUERO!


Que importância devemos dar se alguém não gosta da gente porque somos isso ou aquilo? Nenhuma, é claro se conseguirmos deixar de lado o orgulho, ressentimentos e outras mesquinharias. Acho até injusto com quem nos ama porque fica a impressão que o desafeto é mais importante.

Estive lendo muitas análises tentando explicar as causas de tragédias que estão chegando ao ponto de nos deixar em estado de alerta pelo que pode acontecer no momento seguinte. 

Em meio a muito besteirol e conteúdos que merecem aplausos, há especialistas que insistem em teses que acabam estimulando mais violência.

É óbvio que devemos cuidar de nossas crianças e jovens com atenção e carinho. Para isso, não deveria haver a necessidade de manual de instruções. Porém, na ausência desses cuidados ou simplesmente porque essa moçada que se envolve com coisa errada não valoriza o amor de quem está próximo, dar ouvidos à tendência de setores da sociedade que teimam em justificar o erro com apelo ao coitadismo é o que de pior pode ser feito nessas situações de pânico.

Qual é a mensagem que o cérebro de quem se encontra em condição de vulnerabilidade emocional assimila quando incutem em suas mentes ideias fixas de que rico não gosta de pobre, que homem não gosta de mulher e, entre outras generalizações absurdas, o que certamente pode incitar ondas de massacres que é a de justificar a crueldade quando o autor ou autores são vítimas de bullying? Se há rico que realmente não gosta de pobre, por exemplo, sinto muito mas tem esse direito, porém isso não significa que vá querer fazer mal a alguém simplesmente por ser pobre. Já senti isso na pele, mas nunca tive vontade de matar ninguém. 

Os ativistas, no entanto, erguem bandeiras que determinam o direito à vingança, ou seja, o direito do pobre fazer mal ao rico, da mulher agredir o homem e por aí vai. 

O mais grave é que não são apenas as supostas vítimas da sociedade que estão se tornando alvo de ações perturbadoras que podem resultar em novas tragédias que estão virando onda. Tenho conversado com amigas que têm filhos adolescentes, amados, bem orientados, saudáveis, equilibrados, mas que andam recebendo textos assustadores com estímulo ao suicídio e à prática de atrocidades como temos visto em todos os cantos do mundo.

Se há quem tema conflitos armados, essa guerra psicológica certamente será a mais difícil de enfrentar. 

Que Deus ilumine os pais e os profissionais que lidam com essas questões da mente humana!

quinta-feira, 14 de março de 2019

HEROÍNAS ANÔNIMAS


Benditas heroínas anônimas!!!
Que sejam inesquecíveis a professora Helen, que sa­cri­fi­cou a pró­pria vi­da em de­fe­sa das cri­an­ças de uma creche; Katia da Silva Sastre, mãe que reagiu quando um bandido apontou uma arma ameaçando a vida de crianças na frente da escola onde sua filha estuda; Leiliane Rafael da Silva, testemunha da tragédia que vitimou o jornalista Boechat e que ajudou o motorista do caminhão envolvido no acidente a se soltar das ferragens. Essas são as mais recentes, e agora Silmara Silva engrandece essa lista.

Silmara Silva, de 54 anos, é a merendeira que conseguiu salvar cerca de 50 crianças na cozinha da Escola Estadual Raul Brasil, onde aconteceu o massacre em Suzano. Silmara enfrentou o medo e fez barricadas com freezer e mesas para proteger as crianças em um momento de total desespero.

sábado, 2 de março de 2019

A AGENDA NEGATIVA ESTÁ ATRASANDO O BRASIL

Em tempos de novidades que surgem a cada dia que passa, a cada hora, a cada minuto, alguns assuntos "de ontem" se tornam antigos. Mas certos temas deveriam ser levados adiantes até que não pairasse mais nenhuma dúvida sobre as verdadeiras intenções de quem leva a informação com a abordagem que lhe convém. 

Um caso que ficou mal resolvido, não apenas pelo resultado, mas também pelo que se propagou, faz com que eu não canse de questionar por que certos grupos têm o direito à livre manifestação de opiniões e ideias, enquanto outros são tratados com desprezo, deboche e até com ódio pelos ditos formadores de opinião.

O general Hamilton Mourão, em entrevista à Veja, disse que Jair Bolsonaro ainda está magoado com a imprensa:

“Parte da mídia nunca foi condescendente com o presidente. Tratou-o até com um certo sarcasmo, como uma figura folclórica. Ele não é isso. Sempre foi um homem de ideias, quer você concorde ou não com elas. Ele ainda está magoado. Só o tempo poderá resolver”.

A revista perguntou se a esquerda perdeu a hegemonia nas redes sociais.

O vice-presidente respondeu:

“Na verdade, ela não tinha hegemonia nas redes. Tinha na grande imprensa, por questões que não seria o caso de discutirmos aqui.”

Sobre uma suposta hegemonia da esquerda, de onde tiraram essa ideia se está mais do que comprovado que essa turma não passa de uma minoria barulhenta?

Se é a dita direita que é composta por gatos pingados, por que incomoda tanto a ponto de influir nas decisões importantes do país?

Uma dessas decisões foi a do ministro Moro em relação a uma pessoa indicada para um Conselho. Culpar uma parcela da população que se manifesta nas redes pela decisão do ministro em desconvidar a ativista é, no mínimo, uma tentativa de calar uma parte da sociedade que começou a ter voz há muito pouco tempo. Isso é repressão.

Por que não fizeram o mesmo quando a minoria barulhenta da esquerda fez Dilma dispensar Joaquim Levy, o mesmo que está na equipe de Paulo Guedes, seu principal ministro e não apenas suplente de um Conselho?