quinta-feira, 18 de outubro de 2018

HADDAD ESPALHA FAKE NEWS SEM PROVAS

Haddad espalha fake news: “Folha comprova que Bolsonaro criou organização criminosa”

O Antagonista

Enquanto petistas histéricos tentam censurar o WhatsApp em nome do combate às fake news, circula pelo WhatsApp um trecho com uma fake news dita hoje por Fernando Haddad a Clóvis Monteiro, da rádio Tupi, do Rio de Janeiro.

O próprio Haddad publicou no Twitter uma parte maior da entrevista, que também contém o trecho que está circulando – reproduzido em vídeo AQUI –, no qual ele faz uma acusação gravíssima:

“Olha, Clóvis, hoje saiu uma denúncia muito importante no jornal Folha de S. Paulo, que é o maior jornal do país. O jornal comprova que o meu adversário Jair Bolsonaro, deputado há 28 anos, organizou, criou uma organização criminosa de empresários que, mediante caixa dois, dinheiro sujo, está patrocinando mensagens pelo WhatsApp mentirosas. Nós vamos pedir providências para a Justiça Eleitoral e para a Polícia Federal para que esses empresários corruptos sejam imediatamente presos, para parar com essas mensagens de WhatsApp. Já tem nome de empresário, já tem nome de empresa, já tem contrato, valor pago mediante caixa dois, o que é crime eleitoral. Então nós vamos para a Justiça Eleitoral impedir o deputado Bolsonaro de violentamente agredir a democracia, como ele fez a vida inteira. Nunca respeitou a democracia e não está respeitando nesse momento. Fazer conluio com dinheiro para violar a vontade popular, isso é crime. As mensagens que ele está mandando pelo WhatsApp são todas pagas com caixa dois e ele vai ter que responder por isso. Ele que foge dos debates não vai poder fugir da Justiça.”

O Antagonista registra fatos:

A matéria original da Folha, “Empresas bancam disparo de mensagens contra o PT nas redes sociais”, não comprova que Bolsonaro criou uma organização criminosa, nem sequer aponta atuação direta e pessoal do presidenciável do PSL no episódio relatado.

É curioso como Haddad não reconhece provas confirmadas pela Justiça contra Lula, mas toma como prova contra Bolsonaro uma denúncia de jornal que, até o momento, não prova nada.

Bateu o desespero.

PICHADORES DE SUÁSTICAS SÃO OS MESMOS QUE PICHAM #ELENÃO?



O Antagonista

A Polícia Civil identificou e deteve hoje dois suspeitos, de 29 e 34 anos, de terem pichado suásticas nazistas na capela de São Pedro da Serra, distrito de Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio, registra o G1.

“Um terceiro suspeito fugiu da abordagem e depois se apresentou na delegacia com um advogado. Eles prestaram depoimento e foram liberados.

A polícia chegou até o grupo após ver as imagens de câmeras de segurança do local. O vídeo que a polícia teve acesso também mostra os homens pichando em outros muros e calçadas próximos à capela frases contrárias ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL).”

O portal reproduz as imagens das pichações de suásticas e também de uma pichação de #EleNão, feita com outra cor. A matéria dá a entender que os homens que fizeram as primeiras são os mesmos que fizeram pichações como a segunda.

A polícia deveria não apenas prender esses criminosos, mas esclarecer se eles estão falsamente atuando para atribuir a apoiadores de Bolsonaro o apreço pelo nazismo, a fim de demonizar o presidenciável do PSL.

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

ESTÃO CATALOGANDO ELEITORES DE BOLSONARO, TEREMOS UMA LISTA DE SCHINDLER?


Nunca um candidato foi julgado com tanta dureza quanto Jair Messias Bolsonaro. Os formadores de opinião são implacáveis em suas análises e isso repercute nas postagens de desafetos, mas querem reprimir o cidadão de compartilhar NOTÍCIAS sobre os crimes dos petistas. Ou será que as investigações e decisões da Justiça são fake News?

O PT queria que o TSE retirasse das redes sociais 222 postagens que julgava serem fake news produzidas por partidários de Jair Bolsonaro contra Fernando Haddad.

O TSE mandou que retirassem apenas uma. Todas as outras foram consideradas apenas críticas normais.

O Painel noticia que estão catalogando e checando relatos de agressões de eleitores de Jair Bolsonaro contra eleitores de Fernando Haddad.

Por outro lado, os petistas plantam na imprensa e espalham nas mídias sociais que Bolsonaro vai escravizar negros, matar gays, subjugar mulheres com armas e acusam o candidato de incitar uma onda de violência no país. De repente, surgem acontecimentos esdrúxulos, que só malucos seriam capazes de promover ou de acreditar. São neonazistas, pichações e suásticas para todo lado. 


No caso da moça que denunciou uma agressão de um suposto bolsonarista que teria desenhado uma suástica com um canivete em sua barriga, o delegado responsável pelo caso, Paulo César Jardim, afirmou o óbvio: quem fez este desenho não sabe o que é uma suástica, e acabou o desenhando invertido, o que o transforma no símbolo budista de paz.

Há mais detalhes sobre o caso na página Senso Incomum, a qual reproduz a explicação do delegado de que uma suástica ficaria “invertida” se fosse feita através de um espelho. E aí, saberíamos imediatamente quem é o verdadeiro autor da “suástica”. Também não há marcas de luta no corpo da jovem – só a tal “suástica”. Parece que ela não se debateu e não procurou evitar o desenho enquanto estava sendo supostamente talhada à força. 

As linhas também estão completamente retas, sem demonstrar sequer a dor de cortes na região sensível da barriga. Nenhum corte profundo e todos homogêneos, também: meio estranho para os perigosos neonazistas bolsonaristas, tão cuidadosos com a barriga da garota. Nada de marcas de faca nas mãos, braços, resto da barriga. E os cortes se repetem muitas vezes: não parece muito o modus operandi de alguém que quer causar dor e meter uma suástica contra a vontade de alguém, e sim o trabalho laborioso de alguém que gastou bastante tempo cortando de forma superficial, evitando dor e tentando fazer várias vezes o desenho, da maneira mais reta possível.

No site Senso Incomum há uma extensa lista desses fatos estranhos, que foram desmascarados, porém a mídia não se retrata.

Tem o caso do capoerista assassinado em que o homicida diz com todas as letras ter reagido a ofensas pessoais e que a discussão foi motivada por diferenças sobre futebol.

O rapaz que distribuiu capim a nordestinos com a camiseta de Bolsonaro também foi desmascarado. Encontraram seu perfil no facebook fazendo campanha para Haddad.

Os insanos não têm ideia do caos que estão provocando? Ah, querem isso, mas não bastou a facada?

Quem plantou a semente do ódio contra quem propôs combater o crime deve ser responsabilizado, incluindo os jornalistas.

Espero que a campanha de Bolsonaro responda à altura. A perseguição e as ofensas são dirigidas também a nós, seus eleitores.

AGORA SIM


 
(Publicado no Blog Fatos)

Está finalmente explicado o motivo pelo qual o deputado Jair Bolsonaro venceu o primeiro turno das eleições presidenciais de 2018. Não é nada do que você pensa. A população nativa, na sua ignorância de sempre, estava achando que Bolsonaro ganhou porque teve 18 milhões de votos a mais que o segundo colocado. Imagine. Acreditar numa bobagem como essa só acontece mesmo com brasileiro, esse infeliz que vive longe dos bons centros do pensamento civilizado, progressista e moderno da humanidade, na Europa e nos Estados Unidos. Obviamente, não temos o nível mental necessário para entender o que entendem os jornalistas, cientistas políticos, sociólogos, filósofos e outros cérebros que habitam o bioma superior de Nova York, ou Paris, e dão a si próprios a incumbência de explicar o mundo às mentes menos desenvolvidas. Tome-se, por exemplo, a televisão francesa. Ali eles sabem exatamente o que aconteceu no dia 7 de outubro no Brasil: Bolsonaro ficou em primeiro lugar na eleição por causa do racismo brasileiro.

Racismo? Como assim ─ que diabo uma coisa tem a ver com a outra? Os peritos da TV francesa explicam. A esquerda e o PT, nos governos do ex-presidente Lula e de Dilma Rousseff, favoreceram a "inclusão dos negros" no Brasil, e isso provocou a ascensão do ódio racial. Revoltados contra os "progressos" que o PT deu para os negros, os racistas brasileiros foram para o lado de Bolsonaro ─ e com isso aumentaram tanto os seus votos que ele acabou ficando em primeiro. Além disso, o "oficial do Exército" (coisa que o candidato deixou de ser há 30 anos), recebeu o apoio da elite rica. Aí fechou o esquema, resumem os comunicadores franceses: somando brancos, racistas e milionários, Bolsonaro acabou com aquela votação toda. Nada disso faz o menor sentido, mas nenhum mesmo ─ a começar pelo fato de que nem uma investigação do FBI seria capaz de descobrir o que, na prática, Lula e Dilma teriam feito de bom, algum dia, para algum negro de carne e osso. Como seria possível, num país onde apenas 40% da população se declara branca, a matemática eleitoral favorecer quem não gosta de preto? Seria a maioria de pardos e negros, então, que estaria promovendo a ascensão do ódio racional contra si própria? Também é um mistério de onde saíram 50 milhões de racistas para votar em Bolsonaro ─ ou porque o candidato Hélio Lopes, conhecido como "Hélio Negão" e deputado federal mais votado do Rio de Janeiro com 350 mil votos, foi um dos seus maiores aliados na campanha eleitoral. Para piorar, além de negro retinto "Helio Negão" é sub-tenente do Exército, pobre e da Baixada fluminense. Elite branca?

O Brasil seria um fenômeno mundial se houvesse por aqui uma quantidade de ricos e milionários tão grande que conseguisse definir o resultado de uma eleição presidencial. Não dá para entender, igualmente, porque raios o candidato das elites faria a sua campanha de carro e a pé, enquanto o candidato das massas populares, Fernando Haddad, anda de cima para baixo num jatinho Citation Sovereign ─ um dos mais luxuosos do mundo, pertencente ao dono bilionário das Casas Bahia através de sua empresa de taxi-aéreo. (Se Haddad paga pelo aluguel já é ruim ─ de onde está saindo a fortuna necessária para isso? Se não paga é pior ainda.) Não dá para entender por que Bolsonaro não teve um tostão para a sua campanha e o "reformador social" Haddad, homem dos pobres, das massas miseráveis, dos sem-terra e sem-teto, das "comunidades" e das minorias, da resistência ao capitalismo, passou a eleição inteira nadando em dinheiro. Não dá para entender como seria possível existir no Brasil dezenas de milhões de "fascistas", e "nazistas", e exploradores do "trabalho escravo", sem que ninguém tivesse conseguido perceber isso até hoje. Não, não dá para entender nada. Mas não esquente a sua cabeça; não é mesmo para você pensar em coisa complicada. A imprensa internacional, que tudo vê e tudo sabe, está aí justamente para explicar.

CRIME ORGANIZADO COPIA GUERRILHEIROS

PCC planejava ataques no modelo das Farc durante as eleições, diz PF


No passado, era o pessoal da luta ARMADA: Dilma, Genoíno, Zé Dirceu, etc... agora é Andinho, Vida Loka e Beira Mar que tocam o terror.
Aprenderam direitinho com seus "mestres":

Na conversa, Beira-Mar cita a necessidade de sequestrar autoridades em troca da liberdade de criminosos, explosão de torres de transmissão localizadas em áreas industriais e, também, sequestro de pessoas "importantes" para barganhar pela soltura de líderes "importantes". "A guerrilha foi, pegou umas autoridades, três ou quatro autoridades, aí falou: Ó, dou tantos dias pá. Dou tantos dias pá liberar; se não der, rápt! Rapaz, pegou o primeiro", ...

Leiam a matéria no UOL

MORO NA CADEIA

Não resta a menor dúvida que LULA VAI SE VINGAR DE MORO se o Dilmo vencer

A ESQUERDA SERÁ DESMASCARADA

“É preciso expor os absurdos da esquerda e da velha política”, diz deputado mais bem votado no RS

Por Diego Amorim

Marcel Van Hattem, do partido Novo, foi o candidato que, concorrendo pela primeira vez, mais recebeu votos para deputado federal no Rio Grande do Sul em toda a história política do estado.

Com 349.855 votos, ou 5,99% do total, ele recebeu 166 mil votos a mais do que o segundo colocado, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM), cotado para ser chefe da Casa Civil em eventual governo de Jair Bolsonaro.

Aos 32 anos, Marcel começou a carreira política ainda com 18, como vereador de Dois Irmãos, sua cidade natal. Acabou ficando regionalmente conhecido quando, eleito deputado estadual pelo PP, endureceu o discurso contra a esquerda gaúcha.

Foi ele, por exemplo, que, no ano passado, fez barulhou para impedir que, por iniciativa de Manuela D’Ávila (PC do B) — deputada estadual e hoje vice na chapa de Fernando Haddad –, a Assembleia bancasse as despesas do deputado federal Jean Willys (PSOL), que foi a Porto Alegre ser homenageado com a medalha de Ordem Farroupilha.

“É preciso expor os absurdos da esquerda e da velha política. É isso que vou continuar fazendo na Câmara”, disse o deputado federal eleito, que ajudou a organizar os primeiros protestos contra Dilma Rousseff na capital gaúcha.

Sem “jamais ceder em princípios”, defende Marcel, será preciso encontrar formas de dialogar com o máximo de deputados possível em Brasília. Mas ele faz uma ressalva.

“O problema é dialogar com PT, PC do B, PSOL. Nós o tratamos como adversários a serem vencidos, mas eles nos veem como inimigos a serem eliminados.”