quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

DECISÃO SOBRE PRISÃO DE LULA SERÁ EM JANEIRO

Recurso de Lula no TRF4 será julgado no dia 24 de janeiro 1 / 14


O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) marcou para o dia 24 de janeiro de 2018 o julgamento do recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) contra condenação pelo juiz Sergio Moro a nove anos e meio de prisão no caso do tríplex do Guarujá, um dos processos decorrentes das investigações da Operação Lava Jato.

A data foi marcada nesta terça-feira pelo tribunal, a segunda instância da Justiça Federal, depois que o revisor do processo, o desembargador Leandro Paulsen, concluiu a sua análise do processo e pediu à secretaria da 8ª Turma do tribunal, onde o caso tramita, para marcar o julgamento.

O desfecho do recurso pode tornar inelegível o ex-presidente, que lidera as pesquisas para a eleição presidencial de 2018. Caso ele seja condenado em segunda instância, além de ficar passível de ter a candidatura vetada pela Lei da Ficha Limpa, ele pode ser preso.

No início do mês, o relator do caso no TRF4, o desembargador João Pedro Gebran Neto, já havia concluído seu voto, o que deu ao processo uma das tramitações mais rápidas da história do tribunal, levando-se em conta os demais processos decorrentes da Lava Jato.

O recurso de Lula chegou ao tribunal no dia 23 de agosto. A defesa de Lula questionou o TRF4 sobre a velocidade da tramitação do processo. “O TRF4 deve informar o motivo pelo qual o recurso do ex-presidente Lula está tramitando nessa velocidade, fora do prazo médio observado em outros casos. Vamos pedir ao tribunal informações sobre a ordem cronológica dos recursos em tramitação”, diz a nota do escritório Teixeira Martins, que defende o ex-presidente. O questionamento já foi apresentado pelos advogados.

Paulsen, o revisor, terminou seu voto uma semana após ter recebido a manifestação do relator – nenhum dos votos foi divulgado e não será conhecido até o julgamento do caso. O terceiro magistrado a integrar a 8ª Turma é o desembargador Victor Luiz dos Santos Laus.

Os desembargadores João Pedro Gebran Neto, Leandro Paulsen e Victor Luiz dos Santos Laus, que vão julgar recurso de Lula

Levantamento feito por VEJA concluiu que, em média, os desembargadores do TRF4 levam um ano, um mês e 15 dias para analisar um recursos a partir do envio do processo por Moro – no caso de Lula, o julgamento da apelação vai levar menos de seis meses.

Apesar da rapidez da tramitação do processo de Lula, o presidente do TRF4, desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, disse que Lula será julgado de forma “desapaixonada”. “A 8ª Turma vai julgar de forma isenta, imparcial e desapaixonada, como o Poder Judiciário deve ser”, falou o magistrado.

sábado, 9 de dezembro de 2017

REFERINDO-SE A LULA, MORO DIZ QUE NÃO DEBATE PUBLICAMENTE COM CONDENADOS

Petista disse que 'a atuação da Justiça tem servido para desmoralizar a Petrobras e o Rio'

Em evento, Moro ressalta que casas legislativas podem agir ‘com desvio de poder’, ao evitar a prisão (Foto: Reprodução)

Estadão

O juiz federal Sérgio Moro disse nesta sexta-feira, 8, que “não debate publicamente com pessoas condenadas por crime” e se negou a responder fala do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para quem a atuação da Justiça tem servido para desmoralizar a Petrobrás e o Rio de Janeiro.

Após participar de evento na sede da estatal do petróleo, no centro do Rio, Moro ainda criticou o foro privilegiado e disse que casas legislativas podem agir ‘com desvio de poder’, ao evitar a prisão de parlamentares.

“O foro privilegiado fere o princípio da igualdade. Todas as pessoas têm que ser tratadas de maneira igual perante a lei. O princípio da igualdade está na base da nossa democracia. Por outro lado, na prática, os tribunais superiores estão assoberbados de processos, estão sobrecarregados de recursos”, afirmou.

Segundo o juiz, é preciso pensar também nos mecanismos de proteção jurídica dos agentes políticos.

“Houve aquela discussão se está sujeita ou não uma prisão de um parlamentar a uma casa legislativa, não vou entrar no mérito da controvérsia. Mas, ainda que se for reconhecer alguma espécie de proteção, ela deve ser utilizada para proteger o parlamentar quanto a eventual perseguição política por conta da sua opinião pública e não para protegê-lo de investigações ou perseguições por corrupção”, acrescentou o juiz da Lava Jato.

KADAFI PRA LULA, UM OU 35 MI?

MPF poderá ouvir Caio Fábio, que falou em US$ 35 milhões de Kadafi para Lula

Integrantes da Lava Jato disseram a O Antagonista que, se a delação de Antonio Palocci avançar, eles poderão chamar a depor o pastor Caio Fabio, envolvido no caso do “Dossiê Cayman”.

Caio Fabio denunciou há alguns anos que a ajuda de Muamar Kadafi para Lula pode ter alcançado a cifra de US$ 35 milhões.




sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

MIRA EL PAJARITO!

O Antagonista revelou mais cedo que a Lava Jato está no rastro de Luiz Carlos Rocha Gaspar, que poderia ser o elo das supostas contas secretas de José Dirceu e Lula na Espanha.

Em Valência, Gaspar se associou ao empresário espanhol Palmiro José Soriano Frasquet, que atua na área de energias renováveis.

Frasquet compartilhou no Google+ uma foto com Lula, que também foi compartilhada por Gaspar.

Não há detalhes de quando ou onde foi tirada, mas o ex-presidente parece animado.

IRMÃO, AMIGO E... FINANCIADOR DE LULA

Resultado de imagem para lula e kadafi

Claudia Wild

Não é novidade para nenhum cidadão brasileiro que Lula da Silva enquanto esteve no poder aliou-se com a nata da escória mundial.

Lula era figurinha carimbada em rodas de ditadores, tiranos, tiranetes, genocidas e similares.

Sua amizade com o déspota líbio, Muamar Kadafi, era pública e notória. Os dois crápulas se tratavam pelo carinhoso binômio “ irmãos-amigos”. ...

Eis que surge a informação de que amizade entre as duas pústulas rendeu bem mais do que tapinhas nas costas, beijinhos, rega-bofe e mimos de trapaceiros para trapaceiros. Os estreitos laços de afeto renderam ao corrupto sul-americano um milhão de dólares no mercado negro.

A quantia foi oferecida pelo ditador líbio para “ reforçar” o caixa de campanha de 2002. Dinheiro usado para que o patranheiro Lula chegasse ao cargo máximo do país.

A “ doação” internacional ilícita de Kadafi não deve ser a única, mas é a que se tem notícia através da delação premiada do ex-ministro e ex-amigo Palocci.

Dinheiro alienígena não pode financiar campanha partidária no Brasil, assim fala a lei.

Lula (se confirmada a doação proibida) poderá colocar seu - já -lambuzado partido em maus lençóis.

Alguém está surpreso?

Definitivamente, não!

DINHEIRO DO PT, SUJO ATÉ DE SANGUE

PT pode ser extinto após denúncia de Palocci de que Kadafi financiou Lula

Palocci revela que ditador líbio Kadafi deu US$1 milhão a Lula


Em registro, Lula e Kadafi se cumprimentam como dois amigos, com um aperto de mão informal (foto: ricardo stuckert- PR)

Diário do Poder

Uma revelação-bomba do ex-ministro Antonio Palocci,em depoimento sob acordo de delação premiada, pode levar à extinção do Partido dos Trabalhadores (PT). Segundo ele, o ex-presidente Lula recebeu 1 milhão de dólares em 2002 do então ditador da Líbia, Muamar Kadafi, para sua campanha eleitoral, na época em que o petista era candidato. O dinheiro líbio, sujo de sangue, também financiou grupos terroristas e movimentos políticos em vários cantos do planeta. A informação é da revista Veja, na edição desta sexta-feira (8).

A denúncia de Palocci pode culminar com o fim de Lula e do PT. De acordo com a Lei dos Partidos Políticos, o Tribunal Superior Eleitoral pode determinar o cancelamento do registro civil e do estatuto do partido contra o qual fique provado ter recebido ou estar recebendo recursos financeiros de procedência estrangeira. Em visita à Líbia, o então presidente Lula se referiu ao tirano como "meu amigo, meu irmão, meu ídolo".

Uma foto registrada em 2009, no encontro da Cúpula América do Sul-África, Lula e Kadafi se cumprimentam como dois amigos, com um aperto de mão informal. A reunião aconteceu na Venezuela. Dois anos depois, Kadafi acabou deposto, capturado e executado. Ele comandava a Líbia desde 1969, após um golpe liderado por ele, coronel do Exército. Para quem contrariasse o regime de Kadafi, as penas iam de punições coletivas à prisão perpétua, tortura e morte. No poder, censurou a imprensa, reprimiu adversários e impôs leis.

Bolsonaro denunciou o caso

Há alguns anos, em 2011, o deputado Jair Bolsonaro denunciou na tribuna viagem de Lula à Líbia para "buscar dinheiro para o PT". Um vídeo da ocasião mostra o deputado lendo o depoimento de Mário Marcos Terena registrado em ata da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, de abril de 2008. Na época, a denúncia de Bolsonaro não foi levada a sério.

“Lula precisou fazer uma viagem para buscar dinheiro para o PT lá na Líbia. E eu fui escalado para viajar com o Lula”, diz Terena em um trecho. “Eu fui com o Lula falar com um homem chamado coronel Muamar Kadafi...”, continuou.

Palocci foi condenado a 12 anos por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A delação premiada é negociada há sete meses. Ele promete contar detalhes dos crimes no qual participou em troca de redução de pena. A proposta de delação de Palocci foi entregue ao Ministério Público.

Desfiliação


Em setembro deste ano, após um ano preso, Palocci desfiliou-se do PT. Em carta, ele assumiu seus erros e acusou Lula de ‘sucumbir ao pior da política’. Segundo ele, ‘corrupção, desvios, disfunções são apenas detalhes’

"Até quando vamos fingir acreditar na autoproclamação do 'homem mais honesto do país' enquanto os presentes, os sítios, os apartamentos e até o prédio do instituto são atribuídos a dona Marisa?", disse, em referência à mulher de Lula, Marisa Letícia, que morreu no início do ano.

Veja o vídeo da denúncia de Bolsonaro:

domingo, 3 de dezembro de 2017

QUEM É A MULHER DO ANO?


Resultado de imagem para heley de abreu silva batista/ anitta - mulher do ano

Eu sei que os títulos de mulher do ano costumam ser concedidos para celebridades do meio artístico, dos palcos, das câmeras e das passarelas. Isso tem muito a ver com a superficialidade das relações sociais, vulgarmente incapazes de avançar um milímetro sequer sobre as aparências. Ao afirmá-lo, não estou emitindo juízo de valor sobre quem quer que seja.

Já quando olhamos ao nosso redor, provavelmente todos temos a quem outorgar esse destaque. Num círculo mais estreito de relações, onde conhecimentos e sentimentos são mais profundos, quase sempre há alguém que é, a um só tempo, rainha, deusa, leoa, obreira infatigável de incontáveis tarefas, pessoa de vontades contidas e interesses postergados, primeira e espontânea oferta no altar dos sacrifícios. Meu louvor, meu apaixonado louvor à essa multidão anônima de mulheres do ano!

Ao pesquisar no Google sobre a mulher do ano de 2017, vejo tantas referências à cantora Anitta, que não posso deixar de dizer: tal escolha constrange a nação. É sintoma de que o torneado do corpo se impõe ao torneado da alma, e que as formas obscurecem a beleza e a nobreza das virtudes.

Neste ano de 2017, ninguém se ergueu acima de Heley de Abreu Silva Batista! Foi ela que entrou em luta corporal com um louco incendiário. Foi ela que retirou 25 crianças de uma creche em chamas, salvando-as de morrerem no trágico acontecimento do dia 5 de outubro em Janaúba MG. Horas depois, não resistindo às queimaduras, Heley morreu.

Em João 15:13, numa alusão ao que viria a acontecer consigo mesmo, Jesus diz: "Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos seus amigos". Amor supremo, cuja imposição vem do coração e chega à superação dos mais naturais instintos humanos. Quando enunciou o mandamento do amor, Jesus disse que devemos amar o próximo "como" (tanto quanto) a nós mesmos. Ele não nos exige o que Ele fez. Ele não pediu a Heley o que Heley realizou. Ela agiu voluntariamente. Amor ao próximo além do amor próprio é altruísmo, virtude das almas mais nobres, dos santos, dos heróis, dos que se erguem à reverência de todos nos altares, nos monumentos e nas páginas da História.

Por isso, quando a agenda de 2017 começa a buscar na prateleira seu lugar ao lado das anteriores, eu me uno aos que escolhem Heley de Abreu Silva Batista e digo: Professora, este ano não tem para mais ninguém! Dê um abraço em Jesus por mim.