segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

OSCAR PARA O "MARIDO OSCAR"



O que significa a expressão "marido Oscar"?
A expressão vem da personagem Cremilda, a rica esnobe da Praça da Alegria, interpretada pela humorista Consuelo Leandro.

Cremilda era uma mulher que contava vantagem sobre a fortuna de seu marido Oscar, assim como hoje muitas "cremildas" louvam um certo "Oscar" que faz fortuna proferindo palestras que nunca ninguém ouviu e possui, entre outros bens menos visados, apartamento de luxo na praia e um sítio de fazer inveja, embora formalmente não sejam seus.

Lula discursou na festa dos 36 anos do PT, no Rio, neste sábado. Falou sobre o apartamento e o sítio, mas, no lugar da defesa que seria o óbvio se tudo não passasse de calúnia, partiu para o ataque contra quem investiga e, principalmente, contra quem divulga.

“Eu digo que não tenho o apartamento. A empresa diz que não é meu. E um cidadão do Ministério Público, obedecendo ipsis literis o jornal O Globo e a Rede Globo, costumam dizer que o tríplex é meu”.

Ameaças foram lançadas para todos os lados, conclamando seus milicianos para o ataque: “Os petistas não podem levar desaforo pra casa toda vez que falarem merda da gente. Se quiserem me derrubar, vão ter que me enfrentar nas ruas.”. 

Em seu discurso ficou bem claro que é um personagem de espetáculo de muito mau gosto. Se o marqueteiro de 2002 conseguiu conter sua índole raivosa, que afastava o brasileiro "cordial", o ator beligerante, que agrada a militância vermelha, encenou seu papel predileto no esvaziado aniversário do partido ao anunciar: "acabou a era do lulinha paz e amor".

Portanto, nos próximos dias teremos que decidir se nos submetemos a essas ameaças e ficamos quietos ou se aceitamos o desafio e o derrubamos nas ruas, mesmo sabendo que poderemos deparar com os trogloditas financiados para agredir e reprimir manifestações do cidadão de bem.

Da porta pra dentro, portanto, fala o líder de "casco duro". Da porta pra fora, porém, o recurso ao ilusionismo distrai a plateia desavisada. 

Incapaz de apresentar explicações críveis sobre os episódios que fizeram do intocável Lula um investigado comum, as atenções do noticiário, hoje, estão divididas com as manchetes da saída do ministro Cardozo. Assim como, em outros momentos, são criados novos fatos para desviar a atenção das pessoas dos temas que envolvem, negativamente, o ex-presidente.

Haja imaginação! Por isso, talvez, vez ou outra apelam para a requentada polarização Lula X Dilma.

Seria algo como se o PT não fosse governo, a presidente não fosse petista e, o mais absurdo, o mais contundente partido de oposição ao governo do PT.... seria o PT. É o que sugerem os próprios petistas quando criticam os planos econômicos do governo, que penalizam o povo brasileiro, retiram direitos e aumentam a carga tributária.

Por que fariam isso? Oras, Dilma não será mais candidata, a farsa está em cartaz para blindar o "santo" Lula. O PT continua fingindo que defende o povo, os analistas de política fingem que tais assuntos merecem ser levados a sério, os brasileiros submissos fingem que acreditam. 

E o Oscar vai para...






OPERAÇÃO O RECEBEDOR: ROUBO NAS FERROVIAS

OPERAÇÃO O RECEBEDOR INVESTIGA DESVIOS DE R$ 630 MILHÕES DAS FERROVIAS

"O PAÍS ESTÁ QUEBRANDO PORQUE TEM SÓ SANGRIA", DIZ PROCURADOR

PRECISAMOS LIVRAR O PAÍS DESSE CÂNCER”, AFIRMA O PROCURADOR HÉLIO TELHO, QUE INVESTIGA CORRUPÇÃO ENVOLVENDO GRANDES EMPREITEIRAS NA CONSTRUÇÃO DA NORTE-SUL E DA INTEGRAÇÃO OESTE E-LESTE (FOTO: REPRODUÇÃO/YOUTUBE/HOJETV)

Estadão

Há 20 anos empenhado no combate à corrupção, o procurador da República Hélio Telho, do Ministério Público Federal de Goiás, incluiu em seu currículo uma nova missão, na sexta-feira, 26: a Operação ‘O Recebedor’, investigação sobre corrupção envolvendo grandes empreiteiras na construção das ferrovias Norte-Sul e da Integração Oeste e-Leste (Fiol).

Nem toda essa experiência controla sua indignação. “Se for ver o tanto de dinheiro que foi desviado nessas obras da Norte-Sul e essa ferrovia (Oeste e Leste) tem mais de 20 anos não está transportando nada…e também esse caso do João Santana (ex-marqueteiro de Lula e Dilma)e a Lava Jato… O País está quebrando porque você tem só sangria. O País não suporta mais uma sangria dessas. A gente tem que pensar no Brasil.”

“Eu já trabalho há 20 anos nessa área (combate à corrupção e à improbidade). Em 1998, fui Procurador Regional Eleitoral substituto em Goiás. Na época, já identificamos esse tipo de situação em campanhas. Em 2006 constatei caixa 2 na campanha eleitoral de 33 dos 42 deputados estaduais e de 11 dos 17 federais de Goiás. A corrupção é uma coisa disseminada, quase institucionalizada.”

Na avaliação de Hélio Telho, “o nosso capitalismo ainda não evoluiu, é um capitalismo de compadrio”.

“Aquele tipo de capitalismo em que o empresário não assume os riscos da atividade. Ele assume os lucros, mas o risco é distribuído, socializado. A gente precisa superar essa fase. Precisamos realmente de um choque de capitalismo. Quando a gente investiga esse tipo de coisa (corrupção nas ferrovias) a gente percebe que o modus operandi não muda muito. Eles (os corruptos) vão sofisticando um pouco, as práticas ainda seguem o modelo antigo.”

Para o procurador, isso ocorre “em boa medida por causa da impunidade”.

Empolga o veterano procurador da República a recente decisão do Supremo Tribunal Federal que autoriza a execução provisória da pena – o condenado em segundo grau judicial já pode ser preso. “Vai causar uma revolução se essa decisão for repetida em outros casos no Supremo e vir a ser adotada definitivamente na Justiça como um todo”, ele prevê.

Hélio Telho acredita que a raiz da impunidade está nos anos de chumbo. “Nós estamos sofrendo ainda uma herança maldita do regime militar. A Constituição de 1988 foi escrita, boa parte dela, por constituintes que foram políticos (nos anos 1960) e que sofreram de alguma maneira algum tipo de violência, seja física, seja no seu direito de manifestação, seja nas prisões arbitrárias, nas violências estatal de toda ordem. Quando redigiram o artigo 5.º da Constituição tinham o olhar no passado que lhes impôs a truculência. Então, pensaram um Brasil em que ninguém pudesse sofrer o que eles sofreram nas mãos de um governo tirano.”

“Paradoxalmente, hoje, essas garantias são utilizadas para que ninguém seja punido, principalmente o colarinho branco, aquele que tem condição de pagar advogados para recorrer indefinidamente, recursos que não acabam nunca. A jurisprudência do Supremo anterior à essa decisão histórica que autoriza a prisão em segunda instância ela estimulava a cultura do recurso pelo recurso. Era como se o Supremo dissesse para o advogado, ‘olha, recorre porque o dia que você parar de recorrer o seu cliente vai preso’. Por isso, o advogado se sentia compelido a recorrer. O réu ficava na mão do advogado, se ia ficar preso ou não. Uma coisa surreal.”

Hélio Telho diz. “São coisas surreais. O sistema de Justiça no País precisa funcionar. A gente quer que a sociedade se desenvolva, mas o dinheiro que a gente gasta com as estruturas jurídicas, judiciais e processuais é uma fortuna para não conseguir resultado nenhum. Melhor fechar, vamos acabar com isso, cortar o dinheiro para a Justiça criminal porque não funciona. A gente tem que ter um pensamento prático.”

O procurador da Operação ‘O Recebedor’ e de tantas outras missões em que o alvo maior é a corrupção diz que não é contra o advogado criminalista recorrer. “A culpa não deles, os advogados estão fazendo o trabalho deles. O sistema é que tem que funcionar. Se você perdeu o recurso vai cumprir a pena que o juiz aplicou e pronto. É simples assim. O sistema compelia o advogado a ingressar com recursos e mais recursos. O indivíduo que cometeu um crime tem que ser punido. Senão cria um ambiente de impunidade que alimenta a corrupção. A gente precisa acabar com esse ciclo.”

Hélio Telho vê no projeto 10 Medidas contra a Corrupção – obra do Ministério Público Federal inspirada nos resultados da Operação Lava Jato – uma saída para o Brasil que não pune os predadores do seu Tesouro. Na quinta, 25, a proposta que criminaliza enriquecimento ilícito, esmaga o caixa 2 e asfixia associações criminosas atingiu a marca de 1,5 milhão de assinaturas necessárias para chegar ao Congresso em forma de projeto de lei de iniciativa popular. “Essas medidas são indispensáveis e fundamentais para combater a impunidade, um avanço contra a corrupção. Precisamos livrar o País desse câncer.”

DILMA NÃO SERÁ CANDIDATA, O FARSA ESTÁ EM CARTAZ PARA BLINDAR LULA

FACÇÕES DO PT JÁ ACEITAM 'DEMONIZAR' DILMA

PLANO DE BLINDAR LULA PASSA POR AFASTAMENTO E OPOSIÇÃO À DILMA


À exceção da Democracia Socialista (DS), da qual faz parte o ministro Miguel Rossetto (Trabalho), a maior parte das facções do PT apoia o plano de afastar Dilma do partido e fazer oposição a ela. O plano tem sido articulado pela facção majoritária Construindo um Novo Brasil (CNB), liderada por Lula – que, oficialmente, “não sabe” da manobra imaginada exatamente para blindar o ex-presidente, com vistas a 2018.

A cúpula do PT avalia que a chance de sobrevivência de Lula e do partido é se afastarem de Dilma e culpá-la pela crise e pela roubalheira.

Entusiasta do rompimento, Washington Quaquá, dirigente do PT-RJ, foi mal educado: disse que Dilma não faria falta no aniversário do partido.

Até o novo líder do governo no Senado, Humberto Costa (PT-PE), criticou o “erro de condução política” do Planalto na questão do pré-sal.

PENSANDO BEM...
...tentando se livrar de Dilma, para tentar blindar Lula, os petistas lembram o novo aliado Paulo Maluf, quando renegou celso Pitta.

PT TEM NOME PARA 'CONTROLAR A PF' NO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

CARDOZO DEVE IR PARA AGU E WAGNER QUER INDICAR MINISTRO PARA 'CONTROLAR' A PF

NA AGU, CARDOZO DEVE CONTINUAR FAZENDO O QUE SEMPRE FAZ: DEFENDER O GOVERNO. (FOTO: JOSÉ CRUZ/ABR)

A saída do ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) do cargo, há muito pretendida pelo ex-presidente Lula, não o levará para fora do governo: ele deve substituir o ministro Luiz Inácio Adams na chefia da Advocacia Geral da União (AGU), que por sua vez deve deixar o cargo esta semana.

A principal crítica de petistas em geral, e principalmente de Lula, é que Cardozo "não controla" a Polícia Federal, por não ter sido capaz de impedir investigações contra políticos e autoridades do governo envolvidos em ladroagens.

Entre os cotados para o cargo de ministro da Justiça estão um procurador de Justiça da Bahia, Wellington Cesar, ligado ao ministro Jaques Wagner (Casa Civil), que tem o sonho de finalmente "controlar" a PF, e o deputado Wadih Damous (PT-RJ), que foi presidente da OAB do Rio de Janeiro.

"SANDUÍCHE" DE MINISTRO - PF QUERENDO AGIR, PT TENTANDO MELAR

Polícia Federal recomendou ao ministro para não interferir nas investigações da Lava Jato, senão seria preso, como aconteceu com o senador Delcidio. Pressionado por Lula, vai defender o desgoverno e os petralhas envolvidos em esquemas de corrupção em outro órgão.
A orquestração é tão descarada que não demonstram a mínima preocupação em disfarçar.

Ministro da Justiça decide deixar o cargo após críticas do PT à Polícia Federal

Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, deve deixar o cargo nesta semana(Heitor Feitosa/VEJA.com)


Alvo de críticas do PT desde o ano passado, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, decidiu que vai deixar o cargo nesta semana, segundo a edição desta segunda-feira do jornal O Estado de S. Paulo. A decisão foi tomada depois que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se queixou, no último sábado, de estar sendo perseguido pela Polícia Federal, comandada por Cardozo.

Durante a festa de 36 anos do PT, realizada no dia 27, Lula reclamou que, a partir desta segunda-feira, seu sigilo bancário, telefônico e fiscal poderia ser quebrado e voltou a afirmar que é a pessoa "mais honesta" do Brasil.

No dia seguinte, no domingo, Cardozo disse a interlocutores que o partido não entende o seu papel como ministro quando critica a Polícia Federal. Segundo ele, a corporação tem autonomia para fazer investigações e ele só pode atuar quando há violação de direitos.

Cardozo, no entanto, deve ocupar outro cargo e permanecer no governo. De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, ele pode ser deslocado para a Advocacia Geral da União (AGU).

SALÁRIO DE MARAJÁ PARA MILITANTES DO PT


(Zero Hora)

Um órgão quase oculto no sistema de transparência do governo federal abriu espaço para que um grupo que atuou na campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff, em 2014, ganhasse empregos com altos salários e pagamentos de diárias em viagens internacionais, segundo o jornal O Globo. Vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) passou a receber militantes que deixaram de lado cargos no governo por funções na agência com remunerações equivalentes ao dobro do que recebiam.

A publicação ressalta que despesas relacionadas a salários e resoluções internas da ABDI, por exemplo, são mantidas sob sigilo, o que não ocorre em ministérios e demais órgãos do Executivo, subordinados ao sistema de transparência. Militante do PT do Rio Grande do Sul, o presidente da ABDI, Alessandro Golombiewski Teixeira, foi nomeado por Dilma para o cargo em fevereiro de 2015, após coordenar o programa de governo na campanha à reeleição. 

Conforme o jornal O Globo, ao assumir o posto na ABDI, com salário de R$ 39,3 mil, o petista abrigou no órgão mais três militantes, ocupantes de cargos de assessoramento especial da diretoria, cujas remunerações vão de R$ 19,4 mil a R$ 25,9 mil. Os valores correspondem a mais do que o dobro do que era pago a eles quando exerciam funções comissionadas no Palácio do Planalto ou no Ministério do Planejamento.

De acordo com a reportagem, em junho de 2015, o presidente da ABDI e demais diretores editaram uma resolução, mantida sob sigilo e sem publicidade no site da agência, que reajustou o valor das diárias para viagens internacionais da diretoria executiva. O Globo destaca que, no continente americano, o valor saltou de US$ 400 para US$ 700. Fora da América, as diárias pularam de ¿ 320 para ¿ 700. A título de comparação, ministros de Estado recebem entre 220 e 460 de diária, podendo optar por dólar ou euro e com variação de valor conforme o destino de viagem.

Na ABDI, presidente e diretores podem viajar em classe executiva, assim como os assessores que os acompanham. Os benefícios contrariam o pacote de medidas anunciado por Dilma, no fim do ano passado, que incluiu a agência, a respeito do fim da primeira classe para ministros, cortes de diárias e passagens, reduções de salários da própria presidente, do vice e dos ministros, além de redução de ministérios. Segundo O Globo, fontes da ABDI relataram que não houve movimentação do governo nesse sentido até o momento. 

A publicação também relata que o chefe de gabinete de Teixeira, Charles Capella de Abreu, atuou nas campanhas de Dilma de 2010 e de 2014. Na disputa pela reeleição, Capella cuidou do escritório da candidata em Brasília. No entanto, a partir de 1º de janeiro de 2015, foi exonerado do cargo de chefe de gabinete do ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência, em que recebia R$ 11,2 mil. A secretaria foi extinta. Na ABDI, o chefe de gabinete tem salário de R$ 24,9 mil.

O Globo ainda relata que, em janeiro, Capella participou de acareação da Operação Lava-Jato com o doleiro Alberto Youssef e o lobista Fernando Baiano. Um inquérito investiga suposto repasse irregular de R$ 2 milhões à campanha de Dilma em 2010 — o ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci, do qual Capella foi assessor, é um dos investigados. 

Na ocasião, Youssef negou ter recebido qualquer pedido de doação à campanha, mas afirmou ter entregue uma quantia de dinheiro similar. Além disso, no encontro com Capella, não o reconheceu como destinatário do dinheiro. Baiano, por sua vez, sustenta ter ocorrido reunião em Brasília para discutir o repasse.

Ao O Globo, Capella declarou que não exerceu nenhuma atividade de arrecadação na campanha e que não conversava com Palocci sobre o tema. Além disso, disse que nunca esteve, nem trocou mensagem ou conversou com Paulo Roberto Costa, Youssef e Baiano. 

Segundo o jornal, a migração do Palácio do Planalto para a ABDI envolve mais duas servidoras. Leonita de Carvalho deixou a função de assessora da Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência, onde ganhava R$ 8,5 mil, para ser assessora parlamentar da ABDI, com salário de R$ 19,4 mil. Isabelle Agner Brito, por sua vez, deixou o cargo de assessora especial da Subchefia de Assuntos Parlamentares da extinta Secretaria de Relações Institucionais da Presidência (salário de R$ 11,2 mil) para ocupar o posto de gerente de Gestão da ABDI (R$ 25,9 mil de remuneração). 

O periódico informa que Isabelle não aparece na prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como tendo atuado na campanha em 2014. Além delas, Nelson Martins Júnior largou um cargo de assessor no Ministério do Planejamento para ser assessor da gerência de Gestão da agência. O salário de Martins, que atuou na campanha à reeleição de Dilma, aumentou de R$ 8,5 mil para R$ 19,4 mil.

A ABDI não informa salários, pagamentos de diárias e atos adotados pela diretoria executiva. Lançada com a função de colocar em prática políticas de desenvolvimento industrial, a agência surgiu na forma de Serviço Social Autônomo — entidade privada sem fins lucrativos.
Em resposta à reportagem do jornal O Globo, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial afirmou que a participação de militantes na campanha à reeleição de Dilma não teve qualquer influência em contratações do órgão. "Nenhuma contratação guarda vínculo com a atuação na campanha presidencial", disse a agência por meio da assessoria de imprensa.

Além disso, o contraponto menciona que a ABDI é um serviço social autônomo "de natureza privada". "Todos os contratos de trabalho são regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Todas as regras administrativas da agência, como viagens de colaboradores e contratação de cargos de assessoramento especial, seguem as normas do Sistema S (Sebrae, Apex-Brasil, entre outros)."

domingo, 28 de fevereiro de 2016

MUDANÇA EXTRAVIADA OU MENTIRA MAL CONTADA

Lula diz ao STF ter sabido da compra de sítio 3 dias depois de sua mudança ter ido para lá

Por: Vera Magalhães

Sítio em Atibaia: mudança chegou antes?

Na primeira explicação oficial que deu ao Supremo Tribunal Federal sobre o sítio frequentado por ele e sua família em Atibaia, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sustenta que ele é de propriedade de dois sócios de seu filho Fabio Luis e diz que só soube da compra do sítio em 13 de janeiro de 2011, depois de deixar a Presidência.

Reportagem da “Folha de S.Paulo” mostra que Lula disse, ainda, que seu amigo José Carlos Bumlai ofereceu a reforma do sítio, o que a defesa do pecuarista, preso na Lava-Jato, negou ao jornal.

“Os advogados dizem, porém, que Lula só tomou conhecimento da compra do imóvel em 13 de janeiro de 2011, quando já havia deixado a Presidência da República, e que foi ao local pela primeira vez dois dias depois”, diz o texto da “Folha”.

Lula certamente terá de esclarecer a data que informou ao STF, em uma petição de seus advogados.

Isso porque reportagem do jornal “O Estado de S.Paulo” publicada em 6 de janeiro de 2011, uma semana antes, portanto, da data que o presidente informou à mais alta corte do país ter sabido da compra do sítio, já dizia que a mudança de Lula de Brasília seria levada para seu sítio em Atibaia.

O link da reportagem está aqui, para se os advogados do ex-presidente e os ministros do STF quiserem cotejar as datas.

Para não deixar dúvidas, reportagem de VEJA deste ano mostrou que a mudança — inclusive 37 caixas de bebida — seguiu, de fato, para o sítio.

Mais: a mudança — paga pela Presidência — foi entregue dia 8 de janeiro, 3 dias antes de a defesa de Lula dizer ao STF que ele tomou conhecimento da compra da propriedade.

A nota fiscal da mudança com o endereço do sítioA nota fiscal da mudança com o endereço do sítio

“A entrega da mudança se deu em 8 de janeiro de 2011 – dois meses após o sítio ter sido comprado em nome dos sócios de Fábio Luiz, o Lulinha. Quem recebeu o carregamento, e assinou os papéis, foi Rogério Aurélio, ex-assessor especial de Lula no Planalto. Acompanha os registros da mudança um inventário da carga. Foram mais de 200 caixas – 37 delas de bebidas, conforme registraram, cuidadosamente, os funcionários incumbidos do serviço. O carregamento incluía ainda, além da carroça, plantas da ex-primeira-dama Marisa Letícia, aparelhos de ginástica e quadros”, diz a reportagem de Rodrigo Rangel.

VITÓRIA DA MENTIRA, DERROTA DO BRASIL

Odebrecht avisou Dilma de pagamentos a marqueteiro no exterior

Dilma Rousseff foi advertida por empreiteiro de que investigações da Lava-Jato poderiam resvalar nos pagamentos secretos das campanhas eleitorais do PT. A prisão do marqueteiro João Santana revela que a ameaça não era blefe e que recursos desviados da Petrobras — “os acarajés” — podem ter financiado a eleição presidencial

Por: Daniel Pereira - VEJA

Financiamento: Dilma pediu explicações aos assessores e ouviu que tudo foi feito “dentro da lei”

No começo de 2015, Dilma Rousseff recebeu, no Palácio do Planalto, o petista Fernando Pimentel. Ela acabara de conquistar a reeleição. Ele, o governo de Minas Gerais. Amigos e confidentes há mais de quarenta anos, os dois tinham motivos para comemorar, mas trataram de um assunto espinhoso, capaz de tisnar os resultados obtidos por ambos nas urnas. 

Pimentel trazia um recado de Emílio Odebrecht, dono da maior empreiteira do país, para a presidente da República. O empresário a advertia do risco de que os pagamentos feitos pela Odebrecht ao marqueteiro João Santana, no exterior, fossem descobertos caso a Operação Lava-Jato atingisse a construtora. Emílio exigia blindagem, principalmente para evitar a prisão do filho Marcelo Odebrecht, sob pena de revelar às autoridades detalhes do esquema ilegal de financiamento da campanha à reeleição. 

Diante da ameaça de retaliação, Dilma cobrou explicações de seus assessores. Deu-se, então, o ritual de negação encenado com frequência em seu governo. Como no caso da economia, cujo desmantelo foi rechaçado durante meses a fio, os auxiliares disseram que a petista havia conquistado o segundo mandato com dinheiro limpo e declarado. Tudo dentro da lei. A "faxineira ética", portanto, não teria com o que se preocupar.

Esse discurso se manteve de pé até a semana passada, quando o juiz Sergio Moro, responsável pela Lava-Jato na primeira instância, determinou a prisão de João Santana, o criador dos figurinos de exaltação à honestidade da presidente, e da esposa dele, Monica Moura. O casal recebeu numa conta na Suíça, não declarada à Receita brasileira, 3 milhões de dólares da Odebrecht, acusada formalmente de participar do cartel que assaltou os cofres da Petrobras, e 4,5 milhões de dólares de Zwi Skornicki, um dos operadores do petrolão, o maior esquema de corrupção da história do país. Os detalhes da investigação sobre o marqueteiro foram revelados por VEJA em janeiro passado. 

A decisão de Moro confirmou as tenebrosas transações descritas por Pimentel a mando de Emílio Odebrecht e fez recrudescer a discussão política e jurídica sobre a cassação da presidente. Pela letra fria da lei, utilizar-se de dinheiro sujo em campanha eleitoral é fator determinante para a perda do mandato. A Polícia Federal e o Ministério Público suspeitam que isso tenha ocorrido na última sucessão presidencial. Delegados e procuradores dizem ter encontrado fortes indícios de que os recursos depositados para Santana na Suíça têm origem nas propinas desviadas da Petrobras. Afirmam também que o marqueteiro embolsou a dinheirama como pagamento por serviços prestados a candidatos do PT.

Dois dados em especial chamaram a atenção dos investigadores. Em 2014, quando Dilma disputava a reeleição sob a batuta de João Santana, Skornicki fez depósitos na conta do marqueteiro na Suíça. Em outubro e novembro de 2014, entre o primeiro turno e a comemoração do novo mandato de Dilma, a Odebrecht também teria repassado outros 4 milhões de reais para Santana - dessa vez no Brasil, segundo indicações de uma planilha da empreiteira apreendida pela polícia. Todos esses valores, insistem as autoridades, têm origem no petrolão e podem ter bancado a reeleição da presidente. 

Os funcionários da Odebrecht chamavam propina de "acarajé". Em depoimentos na semana passada, Santana e Monica livraram Dilma de envolvimento em qualquer irregularidade. Eles alegaram que receberam os "acarajés" na Suíça como pagamento por serviços prestados em campanhas eleitorais, mas campanhas em outros países. Tudo não passaria de um caso internacional de caixa dois, considerado um crime menor. No Brasil, o trabalho de marketing teria sido realizado como manda a legislação. A reeleição de Dilma, portanto, não carregaria a mácula do esquema de corrupção. A polícia não acreditou. Na sexta-feira, o juiz Sergio Moro prorrogou a prisão do casal.

Primeira a depor, Monica declarou que parte dos pagamentos se referia a serviços prestados na campanha eleitoral em Angola, governada por aliados do PT. Aliados antigos e generosos, como ressaltou o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Em seu acordo de delação premiada, Cerveró contou que a Petrobras fechou um contrato milionário com a estatal angolana de petróleo e que, em retribuição, voltaram ao Brasil de 40 milhões a 50 milhões de reais para financiar ilegalmente a campanha de Lula em 2006. 

Depois da prisão de seu marqueteiro, Dilma convocou os auxiliares de sempre para uma reunião no Planalto e cobrou esclarecimentos do ministro Edinho Silva (Comunicação Social), tesoureiro de sua última campanha presidencial. Ele garantiu a lisura das contas eleitorais da presidente e disse que os pagamentos a João Santana no exterior diziam respeito a dívidas antigas do PT com o marqueteiro, relativas a campanhas de outros candidatos e à produção da propaganda partidária. Ou seja: eram esqueletos do ex-tesoureiro do PT João Vaccari, que nada tinham a ver com a reeleição da chefe.

Apesar do tradicional ritual de negação, sobram indícios e depoimentos que dão conta de que Dilma se beneficiou, no terreno eleitoral, do dinheiro sujo do petrolão. 

As primeiras evidências foram encontradas em anotações no telefone do próprio Marcelo Odebrecht, confirmando o que o pai relatara antes a Fernando Pimentel: "Liberar para o Feira (...). Dizer do risco cta suíça chegar na campanha dela". O vínculo da conta na Suíça com o marqueteiro já foi descoberto. "Feira", de acordo com os agentes, era o codinome de Monica Moura. Em outra anotação, Marcelo ressaltou a necessidade de articular com o governo uma estratégia conjunta de defesa. "Ter contato ágil/permanente entre o grupo de crise do governo e nós para que informações sejam passadas e ações coordenadas. Quem?" A estratégia também se confirmou. O ex-presidente Lula defendeu a necessidade de combinar com as empreiteiras um discurso de defesa. Coube ao então líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS), externar essa proposta a Dilma. "Presidente, a prisão (de Marcelo Odebrecht) também é um problema seu, porque a Odebrecht pagou no exterior pelos serviços prestados por João Santana à campanha", disse o senador. Não deu em nada. Convencida por Edinho e pelo então chefe da Casa Civil Aloizio Mercadante, ela manteve a fé cega na legalidade de sua campanha.

BRASIL PERDE A GUERRA PARA SANEAMENTO BÁSICO


O Brasil vem perdendo a guerra para o saneamento básico, cujo investimento, em 2015, não passou de R$ 105 milhões. Dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento mostram que 34 milhões de brasileiros não têm acesso a água encanada, mais de 100 milhões vivem onde não há rede de esgoto e mais de 60% do esgoto coletado é vertido em cursos de água ou no mar, e sem tratamento

Em 2013, 300 mil pessoas faltaram ao trabalho por doenças causadas pela ausência de saneamento. Perderam-se 900 mil dias de trabalho.

O Ministério da Saúde registrou, apenas em 2013, mais de 340 mil internações por infecções provocadas por água contaminada.

A falta de investimento em saneamento e água tratada favorece tipos variados de doenças, incluindo aquelas transmitidas pelo mosquito.

Leia mais na coluna de Claudio Humberto.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

LULA, MARISA & LULINHA INTIMADOS PELO MP

SAVE THE DATE: LULA, MARISA & LULINHA NO MINISTÉRIO PÚBLICO



 O Antagonista  (26.02.16 - 18:57 - data histórica)


A força-tarefa do MP de São Paulo acaba de intimar Lula, Marisa Letícia e o filho Fábio Luiz a prestarem depoimento na próxima quinta-feira 3, na investigação sobre o triplex do Guarujá.

Além da convocação de Lulinha, o MP alterou a ordem dos depoimentos. Marisa falará primeiro, às 9h. Depois será a vez de Lula, às 11h, seguido de Lulinha, às 13h.

E o mais importante: "Em caso de não comparecimento importará na tomada de medidas legais cabíveis, inclusive condução coercitiva pela Polícia Civil e Militar."

GRUPO GERDAU TEVE ‘ANOS DOURADOS’ COM O PT

EMPRESA FATUROU R$ 90 MILHÕES E UMA VAGA NO CONSELHÃO DE DILMA


Enrolada na Operação Zelotes, a gigante da siderurgia Gerdau ganhou dinheiro na era petista como poucas empresas: quase R$ 90,8 milhões pagos pelo Executivo entre 2004 e 2015. O grupo também ascendeu politicamente na era PT e tem livre-trânsito no Planalto. Ex-presidente do conglomerado, Jorge Gerdau caiu nas graças do governo, não foi ministro porque não quis e virou membro do “conselhão” de Dilma.

Na disputa eleitoral pela Presidência da República, o grupo Gerdau foi generoso com a campanha de Dilma, para quem doou R$ 5 milhões.

Desde o fim do governo de Lula e início da gestão Dilma, entre 2010 e 2012, o grupo Gerdau faturou R$ 90 milhões no governo federal.

A figura de Jorge Gerdau é tão forte que ele foi citado como alvo da 6ª fase da Zelotes. Era o filho André, presidente do grupo desde 2007.

Presidente do grupo, André Gerdau disse à PF que recrutou escritórios especializados apenas para provar ser descabida a multa de R$1,5 bi. 

LAVA JATO CHEGA ÀS FERROVIAS

OPERAÇÃO 'O RECEBEDOR' EM SEIS ESTADOS INVESTIGA OBRAS EM FERROVIAS

EX-PRESIDENTE DA ESTATAL VALEC, JUQUINHA É UM DOS ALVOS DA PF



A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira, 26, a Operação "O Recebedor" resultado de desdobramento da Operação Lava Jato com base em informações colhidas em um depoimento de delação premiada e acordos de leniência que apontaram pagamento de propina para a construção de ferrovias Norte-Sul e Integração Leste-Oeste. As investigações revelaram prática de cartel e lavagem de dinheiro ilícitos obtidos por meio de superfaturamento de obras públicas. São cumpridos sete mandados de condução coercitiva e 44 de busca e apreensão.

Um dos alvos é José Francisco das Neves, conhecido como Juquinha das Neves, ex-presidente da estatal de construção de ferrovias Valec Engenharia, que em apenas um contrato teria recebido R$800 mil em propinas.

Em julho de 2012, a PF prendeu Juquinha das Neves sob a suspeita de comandar um esquema de corrupção nas obras da Norte e Sul e no ramal Leste-Oeste. A PF prendeu Juquinha, sua mulher, o filho e um sócio do filho do ex-dirigente da Valec.

Os investigadores concluíram que as empreiteiras realizavam pagamentos regulares, por meio de contratos simulados, a um escritório de advocacia e mais duas empresas sediadas no Estado de Goiás, utilizadas como fachada para maquiar origem lícita para o dinheiro proveniente de fraudes em licitações públicas.

Os mandados estão sendo cumpridos no Paraná, Maranhão, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal.

Em dezembro, a PF fez a primeira operação resultado de investigações da Lava Jato, a Crátons, que teve como foco a extração e comercialização ilegal de diamantes em terras dos índios cinta-larga, em Rondônia. A Lava Jato investiga esquema de corrupção na Petrobras.

DEZ MEDIDAS CONTRA A CORRUPÇÃO

MPF registra mais de 1,5 milhão de assinaturas em apoio a projeto anticorrupção

Iniciativa '10 Medidas contra a Corrupção' prevê alterações na legislação vigente e será encaminha ao Congresso em abril

Evento do Ministério Público Federal (MPF), nesta quinta-feira (25), para divulgar que o número de 1,5 milhões de assinaturas necessárias para projeto, intitulado '10 Medidas contra a Corrupção'(VEJA.com/Divulgação)

O Ministério Público Federal (MPF) anunciou nesta quinta-feira a coleta de mais de 1,5 milhão de assinaturas para o projeto lei de combate à corrupção. A proposta prevê dez alterações da legislação atual, entre elas o aumento de penas para crimes relacionados à corrupção e a criminalização das doações não declaradas em campanhas eleitorais. Ela deverá ser enviada ao Congresso Nacional em meados de abril. Para apresentar à Câmara dos Deputados um projeto de lei de iniciativa popular é preciso coletar o equivalente em assinaturas de 1% do eleitorado brasileiro: o país tem 142.822.046 eleitores, segundo mais recente levantamento do Tribunal Superior Eleitoral.

"A ideia é apresentar esse conjunto de assinaturas ao Congresso com o pleito de instalação de uma comissão para apreciação das propostas. Sabemos que já existem vários projetos de lei com escopos similares ou até mesmo com o mesmo teor. Portanto, nossa expectativa é de que tudo seja aglutinado de forma que a Câmara e o Senado possam se debruçar sobre eles", informou o subprocurador-geral da República, Nicolau Dino.

De acordo com o procurador Deltan Dallagnol, que integra a força-tarefa da Operação Lava Jato, a proposta foi endossada por 880 entidades que se empenharam na coleta de assinaturas. "O que vemos hoje é um movimento da sociedade, de baixo para cima, por mudanças que ansiamos desde que o Brasil é Brasil", afirmou Dallagnol, durante cerimônia de comemoração do sucesso da campanha de apoio ao projeto. "Este volume de assinaturas demonstra que não somos meros espectadores, somos protagonistas da história", afirmou Dino.

LEIA TAMBÉM:

PF deflagra nova fase da Zelotes com alvo no grupo Gerdau

Outros pontos previstos no projeto são: tornar crime o enriquecimento ilícito de agentes públicos, quando o patrimônio for incompatível com a renda, ainda que não seja possível provar a origem dos recursos; a prisão preventiva para evitar que suspeitos de corrupção ocultem ou dissipem o dinheiro ganho com o crime; além do confisco do patrimônio do condenado por corrupção, sem distinção direta entre os ganhos extraídos exclusivamente do crime e os lucros posteriores e reponsabilização dos partidos políticos.

(VEJA - Com Agência Brasil)

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

JANOT PERDOA MENSALEIROS

JANOT RECOMENDA AO STF PERDÃO DE PENA A OITO CONDENADOS DO MENSALÃO



(Estadão)

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, recomendou ao Supremo Tribunal Federal (STF) o perdão da pena de oito condenados do mensalão, mas disse que só vai se pronunciar sobre a concessão de indulto natalino ao ex-ministro da Casa Civil José Dirceu quando a Suprema Corte decidir se ele deve ou não voltar a cumprir pena em regime fechado.

Os pareceres de Janot, com base no decreto presidencial do indulto de Natal, beneficiam Delúbio Soares, Romeu Queiroz, Valdemar Costa Neto, Bispo Rodrigues, Vinícius Samarane, Rogério Lanza, João Paulo Cunha e Pedro Henry. Caberá ao ministro Luís Roberto Barroso, relator dos processos, decidir sobre a concessão do indulto aos oito condenados.

Dirceu, no entanto, voltou a ser preso preventivamente em agosto em Curitiba por suspeita de envolvimento no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato. Por causa disso, ele precisará esperar o Supremo decidir sobre um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) de outubro do ano passado, para que o ex-ministro volte ao regime fechado.

O Ministério Público argumenta que, mesmo depois de condenado e preso, o ex-ministro teria supostamente continuado a cometer crimes. No mensalão, Dirceu foi condenado a sete anos e 11 meses de prisão.

Por ter cumprido mais de 26 meses da pena e por não ser reincidente, a defesa de Dirceu encaminhou ao STF um pedido semelhante ao dos demais condenados para que a Corte perdoe a pena dele no mensalão e conceda o indulto natalino, conforme o decreto presidencial assinado por Dilma Rousseff no fim do ano passado.

O ex-ministro Dirceu estava cumprindo pena em regime aberto em Brasília quando voltou a ser preso, em agosto do ano passado. As investigações da Polícia Federal apontam indícios de crimes de organização criminosa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O grupo de trabalho que investiga o esquema de corrupção na Petrobras apurou que o ex-ministro movimentou R$ 71,4 milhões desde 2007 em nome de sua empresa, a JD Consultoria. As movimentações teriam ocorrido mesmo após a condenação dele no processo do mensalão. O ex-ministro diz que os pagamentos se referem a serviços de consultoria prestados a empresas.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

"A CULPA É DO FHC"?





Nesses tempos de valores relativizados, de erros justificados, do "vale tudo" para preservar a imagem de criminosos, principalmente de poderosos que fazem o diabo para fugir da Justiça, a sociedade tem assistido inerte o espetáculo insano de políticos que, sem o menor pudor e para obter sucessivas vitórias nas urnas, partem para os ataques pessoais, calúnias requentadas e todo tipo de baixaria. 

A fofoca da semana foi sobre um suposto filho de Fernando Henrique Cardoso.

O QUE TEMOS COM ISSO? NADA.

Quem é santo para atirar pedras?

O que devemos questionar são CRIMES, não a vida pessoal de quem quer que seja.

E ter problemas familiares não é crime, nem há por que dar importância a certos zunzunzuns. São boatos que envenenam e desviam o foco daquilo que deveria ser fundamental na vida das pessoas.

Hoje, FHC publicou um vídeo tratando do assunto. Parece que, de tanto levar marretada de Lula e cia., finalmente aprendeu a reagir. Clique no link abaixo:


FHC: "Venho à rede para dizer que 'a culpa é do FHC'. É incrível. Todas as vezes, e têm sido muitas, que a Polícia...
Publicado por Fernando Henrique Cardoso em Quarta, 24 de fevereiro de 2016

Certos "casais', entretanto, devem explicações não por questões pessoais, mas pelo que fazem com o bem público. Tanto é que não há investigação alguma para averiguar uma possível "ocultação de amante" de certo peixe graúdo, mas sim ocultação de patrimônio.


Esse senhor, que supostamente oculta patrimônio ... e amante, apareceu em programa partidário em cadeia nacional (deveria ser NA cadeia), sob sons de panelaços, fazendo-se de vítima de conspirações golpistas e apresentando uma solução para a crise até então abafada pela propaganda muito bem articulada pelo marqueteiro que acaba de ser preso, quer praticamente proibir que o povo fale a palavra "crise". 

Ao contrário de FHC, que não foge da imprensa, certamente não fugiria da Justiça, anda livremente nas ruas e, no caso em questão, como sempre faz, respondeu a todos os questionamentos no mesmo dia, o ex-presidente petista só se pronuncia diante de plateia selecionada e não consegue frequentar ambientes públicos sem ser abordado com vaias e merecidas reprimendas, tanto é que se tornou um hábito de Lula utilizar a porta dos fundos. Ciente de que é figura pública e que, por este motivo, deve explicações de seus atos, a marca de FHC é a transparência. Impossível esperar a mesma coisa de Lula.

Quanto à fofoca e às versões maldosas que se propagam sobre a vida de certas pessoas, especialmente a de FHC, que se tornou o alvo preferencial dos petralhas, felizmente tem muita gente se curando desse mal. As pessoas humildes, com gotinhas de informação. Para quem se considera sábio demais para admitir que errou, o remédio tem sido amargo, mas para quem tem boa índole, uma hora dessas funciona.

Portanto, não podemos ter a pretensão de ser um Diógenes e sair com a lanterna buscando humanos perfeitos para a política ou qualquer outra coisa, mas não são todos iguais, de jeito nenhum.

DELEGADOS AMEAÇAM PRENDER MINISTRO SE INTERFERIR NA LAVA JATO

José Eduardo Cardozo, ministro da injustiça, tem acionado a Polícia Federal ... para investigar os crimes denunciados diariamente por comparsas e testemunhas?... NÃO... tem se empenhado em investigar quem tem vazado informações contra Dilma e Lula. 

Delegados federais, entretanto, disseram que estão prontos para dar voz de prisão ao ministro por obstrução de investigação, caso ele continue a interferir na Lava Jato.



Delegados mandaram recado para ministro sobre Lava Jato

Leandro Mazzini, Coluna Esplanada, do UOL:

A tensão vivida nos últimos meses pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, sobre o andamento da Operação Lava Jato e o cerco se fechando a integrantes do Governo Federal não se limita à pressão de Lula e da presidente Dilma para que tenha ingerência na Polícia Federal, sob o comando do Ministério da Justiça.

Zeladores da credibilidade da corporação, os delegados federais fizeram chegar ao ministro o seguinte recado: na primeira ligação que fizesse para interferir na operação, Cardozo ouviria voz de prisão por tentativa de obstrução de investigação.

Obviamente nunca passou pela cabeça do ministro essa tentativa, ele mesmo avisa aos holofotes e à equipe palaciana da presidente Dilma. Sustenta que a PF é independente, a despeito da subordinação ao MJ. Mas o recado foi dado.

IMPORTANTE: MAPA DO IMPEACHMENT

Vem Pra Rua lança o “Mapa do Impeachment”

O impeachment só acontece se você se mobilizar. Saiba como funciona

Por: Reinaldo Azevedo


O Movimento Vem Pra Rua (VPR) lança, nesta quarta-feira, o Mapa do Impeachment. Estará disponível neste endereço daqui a pouco: mapa.vemprarua.net. É uma ferramenta inédita.

O internauta poderá saber dia a dia como anda o placar no impeachment na Câmara e no Senado e a opinião de cada deputado e senador. Mas não só isso.

A ferramenta fornece todos os dados para que o eleitor de cada Estado possa entrar em contato com o parlamentar. Também torna disponíveis dados da sua biografia política, como evolução patrimonial, bens declarados à Justiça Eleitoral, doadores de campanha etc.

Quer mandar um recado para eles? Haverá um e-mail. Também estarão em destaque os respectivos endereços de deputados e senadores nas redes sociais.

Esse impeachment é seu! É você quem faz! Boa parte dos parlamentares só vai se mexer se você se mobilizar. Vá pra rua!

LULA EM FOCO

Fim da patuscada: Conselho garante continuidade da investigação de apartamento no Guarujá

A estranha liminar concedida na semana passada pelo conselheiro Valter Shuenquener, que suspendeu o depoimento da dupla e paralisou a investigação, foi derrubada

Por: Reinaldo Azevedo 

Acabou a patuscada. Por unanimidade, o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) decidiu manter com o promotor Cássio Conserino, do Ministério Público Estadual, a investigação sobre o tríplex do Guarujá, aquele caso em que Luiz Inácio Lula da Silva e sua mulher, Marisa Letícia, são suspeitos de ocultação de patrimônio.

A estranha liminar concedida na semana passada pelo conselheiro Valter Shuenquener, que suspendeu o depoimento da dupla e paralisou a investigação, foi derrubada.

Tudo na concessão da liminar foi exótico. A começar de quem entrou com a representação: não foi Lula, mas o deputado petista Paulo Teixeira (SP). A tese: a investigação deveria sair das mãos de Conserino porque violaria o princípio do “promotor natural” — tese que não é aceita nem no Ministério Público Estadual nem nos tribunais.

O próprio Shuenquener, que pertence à turma, digamos, intelectual de Roberto Barroso, o mais petizado dos ministros do Supremo, votou contra a própria liminar que concedera, mas defendeu o princípio do “promotor natural”. Reconheceu, no entanto, que não é essa a prática no Ministério Público de São Paulo.

Bem, se é assim, concedeu a liminar por quê?

A decisão do Conselho tem caráter administrativo. Lula poderá ainda recorrer à Justiça. Nesse caso, suponho, se o fizer, terá de ser de próprio punho.

A SOLUÇÃO MÁGICA DE LULA PARA A CRISE

Comandante do naufrágio diz que a culpa é dos afogados

Augusto Nunes

Na missa negra celebrada nesta terça-feira, disfarçada de comercial do PT, Lula explicou que o naufrágio econômico que comandou, em parceria com Dilma Rousseff, só coisa de afogados que insistem em lamentar o que aconteceu. Os culpados pelo desastre, recitou o Exterminador do Plural, são “as pessoas que falam em crise, crise, crise, repete (sic) isso todo santo dia e ficam minando a confiança no Brasil”.

A conversa de 171 reitera que, na cabeça baldia do ex-presidente, qualquer problema desaparece se a palavra que o identifica deixar de ser pronunciada. Foi por isso que o restante do sermão não reservou uma única e escassa vírgula ao triplex do Guarujá, nem ao sítio em Atibaia, muito menos à segunda-dama Rosemary Noronha. Como disse o mestre a seus discípulos, basta ignorar uma encrenca para que tudo se resolva.

Lula e o que sobrou da seita ainda não entenderam que as coisas mudaram depois da Lava Jato. Se espera que as delinquências que protagonizou sejam esquecidas, é bom esperar sentado. Bem mais sensato seria providenciar algum esconderijo reformado por empreiteiros amigos ─ antes que chegue o Japonês da Federal.

Assista ao vídeo AQUI.

PIZZA NA CPI DO BNDES BLINDA LULA

PLANALTO "VETOU" OS INDICIAMENTOS DE BUMLAI E ODEBRECHT NA CPI PARA BLINDAR LULA


O Planalto atuou para livrar o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula, o ex-presidente da Camargo Corrêa Dalton Avancini e principalmente o empreiteiro Marcelo Odebrecht na CPI do BNDES. O relator José Rocha (PR-BA) queria indiciar os três, mas o governo determinou “indiciamento zero” com objetivo de blindar Lula, suspeito de atuar como lobista da Odebrecht em operações no BNDES.

O Planalto “operou” na CPI do BNDES para proteger Lula, mas isso será inútil: ele já é investigado por tráfico internacional de influência.

O relator José Rocha se reuniu com o ministro Jaques Wagner (Casa Civil), que avisou: o governo não admitiria qualquer indiciamento.

Sub-relator da CPI, o deputado Alexandre Baldy (PSDB-GO) decidiu apresentar voto em separado. “O governo brinca com a Câmara”, diz.

Para o presidente da CPI, Marcos Rotta (PMDB-AM), o governo erra na estratégia, porque “pega mal não haver um único indiciamento”. 

LULA NÃO TEM COMO SE DEFENDER DOS FATOS, ENTÃO ATACA O PROMOTOR

Lula ainda tem dois caminhos contra promotor do caso tríplex

Prédio no Guarujá com o triplex do ex-presidente Lula


Aliados do ex-presidente Lula ainda enxergam dois caminhos para tirar de cena o promotor de Justiça Cássio Conserino, o que retardaria o andamento da investigação sobre o tríplex reformado pela OAS para o petista e sua mulher, Marisa Letícia, na Praia das Astúrias, em Guarujá (SP): um recurso no Ministério Público de São Paulo para rever a designação do promotor (algo improvável) ou uma reclamação ao Supremo Tribunal Federal. 

A estratégia, porém, ainda não foi definida pelos advogados do ex-presidente e parlamentares que amparam a defesa. "A matéria é constitucional. O próprio conselheiro relator e o conselho reconheceram que não foi respeitado o princípio do promotor natural", diz o deputado Wadih Damous (PT-RJ), ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro. "Ninguém é obrigado a se apresentar diante de um promotor de exceção".

LULA POSA DE VÍTIMA NA TV, BRASIL RESPONDE COM PANELAÇO

LULA É VITIMIZADO NA PROPAGANDA DO PT

VEJA

Lula é vitimizado na propaganda do PT, que irá ao ar na TV em 23/02/2016

No dia seguinte à deflagração da fase da Lava Jato que levou para a cadeia o marqueteiro do partido, o PT exibiu na noite desta terça-feira sua propaganda partidária em rede nacional de rádio e televisão. E o programa foi recebido com panelaços país afora. Houve protestos pelo menos em São Paulo, Rio Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Salvador, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A grande estrela do programa foi o ex-presidente Lula, que apareceu culpando os inimigos de sempre e nada falou sobre as graves suspeitas que pesam contra ele. A hashtag #panelaço rapidamente subiu aos Trending Topics do Twitter no Brasil.

Na capital paulista, houve manifestações em Moema, Vila Olímpia, Bela Vista, Jardins, Santa Cecília, Higienópolis, Vila Madalena, Pinheiros, Tatuapé, Perdizes, Lapa e Vila Romana. Na Região Metropolitana, ouviram-se panelas em São Bernardo do Campo, reduto político do ex-presidente. A cidade de Santos, no litoral paulista, registrou panelaços. Em Campinas e Ribeirão Preto, também houve manifestações. No Rio, houve protestos em Copacabana, Lebon, no Meier, no Flamengo, na Penha e em Petrópolis. Em Minas, manifestantes bateram panelas em Belo Horizonte.

Convocado ao longo de todo o dia pelas redes sociais, o protesto foi apoiado por movimentos como o Brasil Livre e Vem Pra Rua, dois dos principais grupos que organizam uma manifestação contra o governo e o PT no próximo dia 13 de março.

Enquanto as panelas rugiam, o locutor do comercial petista classificava como "ofensas e acusações de preconceituosos" as diversas frentes de apuração oficiais contra o ex-presidente, como as investigações sobre tráfico de influência internacional, sobre o tríplex e o sítio em nome de sócios de um dos filhos de Lula e sobre as medidas provisórias que beneficiaram o setor automotivo, aprovadas, conforme o MP, com pagamento de propina. "Os que hoje tentam manchar sua história, Lula, são os mesmos de ontem. Os preconceituosos que nunca aceitaram suas ideias e suas origens. Mas não vão conseguir. As ofensas, as acusações, a privacidade invadida. Tudo isso passa, Lula", afirma o PT.

Com pose de vítima, Lula afirma: "De um tempo para cá parece que virou moda falar mal do Brasil. As pessoas que ficam falando em crise, crise, crise, repetem isso todo santo dia e ficam minando a confiança no Brasil. É verdade que erramos, mas acertamos muito mais". Ele ainda atribiu a "gente que não gosta de dividir a poltrona do avião" a falta de credibilidade do governo para recuperar a economia - um argumento que ignora os seguidos rebaixamentos da nota de crédito do país e as previsões cada vez mais assustadoras do Banco Central para o país.

O programa petista também recupera os argumentos já desgastados durante a campanha eleitoral de 2014 e cita a crise econômica mundial de 2008 para justificar o enfraquecimento da economia brasileira. Como os seguidos panelaços durante pronunciamentos de petistas deixam claro: são desculpas em que os brasileiros já não acreditam - e não têm mais paciência para ouvir.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

PT NO AR E AS PANELAS A POSTOS


Hoje, 23 de fevereiro, vai ao ar o programa político do PT. Com a ausência de escrúpulos que lhe é peculiar, Lula transmite uma mensagem de otimismo, vendendo o País Maravilha que já não existe mais nem na propaganda. Aliás, o criador das peças publicitárias ufanistas é mais um elemento a fazer companhia aos detentos da operação Lava Jato.

Lula vende mentiras, como sempre, e se atreve a colar sua imagem nas conquistas obtidas com o Plano Real e as privatizações. Se pobre anda de avião e todos os brasileiros têm telefone, agradeça ao FHC porque Lula pegou tudo pronto, aliás, combatia o que provou ser um sucesso.

O exemplo do setor de telefonia é revelador. Desde 1997, ano do leilão das empresas telefônicas, o país saiu do tempo das cavernas em matéria de telefonia para contar com tecnologia de ponta. O maior beneficiário tem sido o cidadão comum, pois o número de linhas fixas e de celulares no país, restrito a 27 milhões em 1998, praticamente se universalizou após a privatização devido às facilidades de acesso, com preços baixos e serviços de qualidade, consequência da livre concorrência.

O ex-presidente (?) se atreve, também, a se vangloriar do sucesso do agronegócio, que carrega o Brasil nas costas, mas esconde o quanto o setor tem sido demonizado pelo PT... e, não esqueçam, por Marina.

"Tem gente" que vende a ideia de que criou facilidades, por isso acredita que pode roubar à vontade.


Cadê as explicações para provar que é inocente? Não tem, né?

É como diz comentário que está circulando nas mídias sociais: "E pensar que todo esse esquema bilionário foi montado pra permitir que os pobres andassem de avião." (Cello Alves)

Mais um golaço do grande Bolívar Lamounier: "Hoje, meus caros, a diferença entre um cidadão e um otário pode ser uma simples frigideira."

Encerro com mais uma frase genial de amigos virtuais, da poderosa Paty Giani, minha parceira no blog das Poderosas: 

Operação Acarajé é um sucesso !!!!!!

Aguardando ansiosamente a operação "molusco".

PT NO AR EM REDE NACIONAL

Hoje é dia de panelaço e buzinaço!

O povo, o poderoso, todos sabemos, é esmagadoramente favorável ao impeachment de Dilma, e nada menos de 61% dos eleitores, segundo o Ibope, não votariam hoje em Lula de jeito nenhum


Por: Reinaldo Azevedo 

Hoje tem panelaço garantido. O PT leva ao ar o seu programa de 10 minutos no horário eleitoral gratuito. O vídeo segue abaixo. A coisa chega a ser caricata.


A mensagem inicial da peça publicitária repete aquelas inserções de 30 segundos que foram ao ar há alguns dias. Pessoas portando bandeiras de várias cores formam o mapa do país, e o texto, de tão entusiasmado com a ideia da união de todos, não teme nem o pleonasmo: “É hora de unir forças para fortalecer o Brasil”, convidando-nos a todos a abrir mão até das nossas opiniões. Ulalá! O PT está sempre querendo calar a divergência. Até quando tenta parecer simpático e inclusivo.

Mas o PT é o PT. Logo depois de conclamar a união de todos, os petistas evidenciam que é preciso discriminar. A locutora pergunta: “Por que tanto ódio e intolerância contra um partido neste momento em que o país precisa tanto de união?”.

Respondo com perguntas: seria por causa da roubalheira? Da Petrobras quebrada? Da recessão? Do desemprego? Da velhacaria?

E tem início o discurso falacioso que separa a nossa história em a.PT e d.PT: antes do PT e depois do PT. De modo quase bíblico, tudo, no passado, eram trevas, até que chegaram os iluminados.

O partido que diz querer a união de todos avança na jugular da oposição: “Já tentaram anular o resultado das eleições; não conseguiram. Aí pediram para recontar os votos. Queriam ganhar no tapetão, mas não deu certo. Quiseram, então, instalar uma comissão do impeachment na marra. Tiveram que mudar o plano. Agora, atacam e caluniam o presidente Lula”.

E tem início a sessão de adoração do líder, santificando-o, como se o ex-presidente realmente estivesse acima das leis. A ironia é que o programa vai ao ar um dia depois que o mago da eleição e da reeleição de Dilma, João Santana, teve decretada a prisão provisória. A mistificação continua:
“Desrespeitam todas as regras para chegar ao poder a qualquer custo. Mas o Brasil já demonstrou que ninguém é mais poderoso do que o nosso povo”.

Vamos ver. Ninguém tentou “anular o resultado das eleições”. As oposições recorreram ao TSE contra crimes cometidos pelo PT durante a disputa. Quais regras estariam sendo desrespeitadas? O povo, o poderoso, todos sabemos, é esmagadoramente favorável ao impeachment de Dilma, e nada menos de 61% dos eleitores, segundo o Ibope, não votariam hoje em Lula de jeito nenhum.


Isso mesmo! Deixem que o povo decida, então…

Aí a gente ouve uma voz grave, em tom falsamente emocionado, a afirmar que “os que hoje tentam manchar a sua história, Lula, são os mesmos de ontem…”.

Curiosamente, em recortes de jornal do passado, exibidos na tela, lê-se o nome de Collor como o inimigo de então. É verdade! Ocorre que, hoje, o presidente impichando é um dos fiéis colaboradores do petismo. Ele próprio está sendo investigado na Lava Jato porque Dilma lhe abriu as portas da BR Distribuidora, onde, segundo a PF e o Ministério Público, o senador pintou e bordou.

Não! O PT mente! Muitos dos inimigos de ontem do PT são seus amigos hoje e, ora vejam, são também seus sócios no poder. E parceiros na lambança.

O locutor fala em “ofensas, acusações, privacidade invadida”. Qual privacidade? O tríplex do Guarujá e o sítio Santa Bárbara não são assuntos privados. Ao contrário: trata-se de questões de absoluto interesse público, uma vez que já os empreiteiros que o chamavam de “chefe” e que lhe fizeram favores são investigados no maior esquema criminoso jamais descoberto no Brasil.

E eis, então, que chega o demiurgo. Nota: no plano original, Lula não falaria. Mas agora o prioridade zero do partido e tentar restaurar a imagem de Lula, tarefa que parece impossível. Por isso ele encerra o programa. E aí, como não poderia deixar de ser, a cara de pau atinge o estado da arte.

Segundo Lula, virou “moda falar mal do Brasil”. É uma piada. Os brasileiros criticam o PT, o governo, Dilma e ele próprio, não o país. Ao contrário: a esmagadora maioria do povo os quer fora do poder justamente porque espera o melhor para o Brasil e para si mesma. E sabe que, submetida à canga petista, não será fácil sair do atoleiro.

Como se ainda fosse o fiador de alguma coisa e como se milhões estivessem interessados no seu juízo, afirma Lula, de mãos postas: “Olhem, eu digo com absoluta certeza que, hoje, eu tenho muito mais confiança no Brasil do que eu tinha quando tomei posse, em 2003”. E lá vem a cascata sobre as grandes conquistas do governo do PT.

Como Lula é Lula, como o PT é o PT, como aquela história da união de todos contra a crise era mesmo papo furado, ele volta a investir no arranca-rabo de classes. Depois de exaltar as grandes conquistas do seu partido, afirma: “E é isso que no fundo incomoda essa gente que não gosta de dividir a poltrona dos aviões com o nosso povo”.

Lula, o “chefe” dos empreiteiros; Lula, cuja mulher é a “madame” do concreto armado, tem a ousadia de falar como porta-voz dos pobres.

Mas as ruas estão dando a resposta ao demiurgo e ao PT. As mentiras do partido não colam mais. E é por isso que, mais uma vez, o Brasil vai se unir no panelaço, no buzinaço, no “Fora PT”.

Mais do que nunca!

MARQUETEIRO DE LULA&DILMA JÁ ESTÁ PRESO



Alvo da Operação Lava Jato, marqueteiro do PT chega ao Brasil

João Santana e a sua mulher tiveram a prisão decretada na 23ª fase da operação; eles estão sendo encaminhados para a sede da PF em Curitiba


João Santana no aeroporto de Guarulhos - O publicitário João Santana, que encabeçou campanhas presidenciais petistas, chegou em São Paulo nesta terça-feira (23) às 9h21 com a mulher Monica Moura para se entregar à Polícia Federal

Alvos da 23ª fase da Operação Lava Jato, o marqueteiro das campanhas de Dilma (2014 e 2010) e Lula (2006), João Santana, e a sua mulher, Mônica Moura, chegaram ao Brasil por volta das 9h30 desta terça-feira. O desembarque ocorreu no Aeroporto Internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo. O casal, que veio de um voo de Punta Cana, na República Dominicana, segue agora para a sede da Polícia Federal em Curitiba, onde é conduzida a Operação Lava Jato.

Os dois tiveram a prisão decretada na operação Acarajé, que mira os repasses - ao todo, de 7,5 milhões de dólares - feitos a João Santana no exterior pela Odebrecht e pelo lobista Zwi Skornicki, representante comercial no Brasil do estaleiro Keppel Fels.

O casal estava no país caribenho onde Santana comandava a campanha à reeleição do presidente Danilo Medina. Após tomar conhecimento do mandado expedido contra ele e a esposa, o publicitário decidiu abandonar a função e voltar ao Brasil para se defender das acusações que pesam contra ele, conforme informou uma nota divulgada por sua assessoria. A sua defesa já havia informado ao juiz Sergio Moro que eles retornariam rapidamente ao país - caso não voltassem, o nome dele e da mulher poderiam ser colocados na lista vermelha da Interpol.

Na petição encaminhada a Moro, o casal pede providências para que a sua chegada ao país não se torne um "odioso espetáculo público". A Justiça Federal do Paraná bloqueou 25 milhões de reais das contas do marqueteiro e sequestrou um apartamento de sua propriedade na Zona Sul de São Paulo. Segundo as investigações, o imóvel teria sido pago com dinheiro oriundo de corrupção na Petrobras.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

LULA PEDE A SUBSTITUIÇÃO DO PROMOTOR

LULA AGORA QUER ESCOLHER PROMOTOR QUE VAI INVESTIGAR CASO DO TRÍPLEX



Diário do Poder

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu hoje (22) ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) a redistribuição da investigação na qual o Ministério Público de São Paulo (MPSP) apura supostas irregularidades na compra de uma cota de um apartamento tríplex, no município paulista de Guarujá, pelo ex-presidente. Se o pedido for aceito pelo conselho, a investigação sairá das mãos do promotor Cássio Conserino, responsável pelo caso.

Na manifestação, os advogados de Lula apontam diversas irregularidades e afirmam que Cássio Conserino não tem competência para atuar nas investigações. Para a defesa, houve irregularidades na distribuição do processo. Além disso, os advogados argumentam que Conserino deu declarações à imprensa e antecipou que vai denunciar o ex-presidente.

Na semana passada, o conselheiro Valter Shuenquener de Araújo decidiu suspender o depoimento que o ex-presidente e sua mulher Marisa Letícia dariam ao promotor. A decisão vale até amanhã (23), quando o plenário do CNMP vai decidir sobre o pedido de reconsideração dos promotores do Ministério Público paulista.

EX-PRESIDENTE LULA. Após a decisão liminar, os promotores responsáveis pela investigação afirmam que o conselho foi “induzido ao erro” pela representação do deputado Paulo Teixeira (PT-SP) e que a entrevista mencionada apenas esclareceu fatos de interesse público.

Na sua representação, o deputado Paulo Teixeira argumenta que o promotor extrapolou suas prerrogativas funcionais e que o caso não poderia ter sido distribuído à segunda Promotoria Criminal, da qual Conserino faz parte, e sim à Primeira Promotoria Criminal.

Lula nega acusações

Em nota divulgada na semana passada, o Instituto Lula afirmou que o ex-presidente nunca foi proprietário do apartamento triplex alvo de investigação. “Lula e Marisa adquiriram apenas, em 2005, uma cota-parte referente ao antigo condomínio Mar Cantábrico, então sob responsabilidade da Bancoop [Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo]. Essa aquisição foi devidamente declarada ao Fisco e tanto a Justiça como a imprensa dispõem de documentos que comprovam estes fatos”.

Apesar de ter participação no empreendimento, Lula diz que optou por não adquirir o imóvel após a conclusão do edifício. O projeto acabou sendo assumido pela construtora OAS devido aos problemas financeiros enfrentados pela Bancoop.

DEPOIS DE "LULA NÃO TEM CELULAR", PT NÃO TEM MARQUETEIRO


VEJA

Depois da risível nota em que o Instituto Lula afirma que o ex-presidente 'não usa celular' - numa tentativa de desqualificar as acusações de que a Oi instalou uma antena nas proximidades de seu sítio em Atibaia para beneficiá-lo -, o presidente do partido, Rui Falcão, tentou descolar a legenda do marqueteiro João Santana com a seguinte frase: "O PT não tem marqueteiro". 

Conselheiro da presidente Dilma Rousseff nos mais graves momentos da crise política, Santana foi também responsável pelas três últimas campanhas que levaram o partido ao Planalto: Lula em 2006 e Dilma em 2010 e 2014 - esta última, com fortes suspeitas de uso de verba do petrolão. Nada que pareça preocupar Falcão, ao menos, é claro, no discurso oficial. "O PT não tem marqueteiro. Contrata as pessoas para fazerem programas. Isso não diz nada com relação ao PT", afirmou Falcão, ressaltando que Santana não é filiado ao partido. 

O site de VEJA preparou uma lista para lembrar ao presidente do partido os serviços prestados por Santana ao PT. Confiram AQUI.

PF APONTA PARA ENVOLVIMENTO DE LULA EM PRÁTICAS CRIMINOSAS

PARA PF, ODEBRECHT BANCOU A CONSTRUÇÃO DA SEDE DO INSTITUTO LULA

RELATÓRIO APONTA RUBRICA "PRÉDIO IL" ACHADA NO CELUALAR DE ODEBRECHT COMO INSTITUTO LULA. FOTO: HEINRICH AIKAWA/INSTITUTO LULA


A Polícia Federal aponta para "possível envolvimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em práticas criminosas". Em relatório de 44 páginas anexado ao inquérito da Operação Acarajé - 23.ª etapa da Lava Jato -, em que complementa pedido de buscas o delegado Filipe Hille Pace analisa a anotação "Prédio (IL)" encontrada em celular do empresário Marcelo Odebrecht ao lado de valor superior a R$ 12 milhões.

"Em relação à anotação 'Prédio (IL)' a Equipe de Análise consignou ser possível que tal rubrica faça referência ao Instituto Lula. Caso a rubrica 'Prédio (IL)' refira-se ao Instituto Lula, a conclusão de maior plausibilidade seria a de que o Grupo Odebrecht arcou com os custos de construção da sede da referida entidade e/ou de outras propriedades pertencentes a Luiz Inácio Lula da Silva."

O delegado assinala que "é importante que seja mencionado que a investigação policial não se presta a buscar a condenação e a prisão de 'A' ou 'B'. O ponto inicial do trabalho investigativo é o de buscar a reprodução dos fatos. A partir disto, se tais fatos apontarem para o cometimento de crimes, é natural que a persecução penal siga seu curso, com o indiciamento pelo delegado de Polícia, o oferecimento de denúncia pelo Ministério Público."

"O possível envolvimento do ex-presidente da República em práticas criminosas deve ser tratado com parcimônia, o que não significa que as autoridades policiais devam deixar de exercer seu mister constitucional", ressalta o relatório.

O delegado aponta para uma planilha com anotações "possivelmente idealizada por Marcelo Bahia Odebrecht". Os dados, segundo ele, "revelam, a partir do que foi possível apurar em esfera policial, o controle que o dirigente máximo do Grupo Odebrecht tinha sobre a destinação de recursos, à margem da lei, ao Partido dos Trabalhadores."

O relatório faz menção, ainda, ao ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, preso desde abril de 2015 na Lava Jato. "Há, em anotação do celular de Marcelo Bahia Odebrecht menção a palavra 'Prédio'. Na nota, a palavra está acompanhada de 'Vaca', sendo que a conclusão alcançada foi a de que seriam disponibilizados recursos a João Vaccari Neto."

O documento pontua a composição do montante de R$ 12,42 milhões supostamente destinado à construção do Instituto Lula - três vezes o valor de R$ 1.057.000,00 (R$ 3.171.000,00), acrescidos dos valores de R$ 8.217.000,00 e 1.034.000,00.

"A composição do valor de R$ 12.422.000 faz referência a valores específicos, possivelmente devidos em razão de serviços prestados, por exemplo, cujo valor é calculado com base no preço de produtos e mão de obras. As investigações policiais conduzidas na Operação Lava Jato demonstraram que a negociação de vantagens indevidas, quando se referiam a transferências bancárias no exterior ou disponibilização do recurso em espécie, permaneciam, geralmente, em números inteiros - tal como R$ 500.000,00, R$ 1.000.000,00, R$ 1.500.000,00. Não é crível que o agente corrompido solicitasse a disponibilização, em espécie, de valores quebrados, tal como R$ 1.057.000,00", aponta o texto.

"Valores 'quebrados' foram identificados em duas situações: quando a vantagem indevida era calculada a partir de porcentuais - no caso dos contratos da Petrobras - e quando a vantagem se travestia na disponibilização de serviços, bens e outras benesses passíveis de serem valoradas precisamente. Assim, caso a rubrica 'Prédio (IL)' refira-se ao Instituto Lula, a conclusão de maior plausibilidade seria a de que o Grupo Odebrecht arcou com os custos de construção da sede da referida entidade e/ou de outras propriedades pertencentes a Luiz Inácio Lula da Silva."

REDUÇÃO DOS SALÁRIOS DA PRESIDENTE E DOS MINISTROS ERA SÓ CONVERSA FIADA

PROMETEU CORTAR 10% DO SEU SALÁRIO E 3.000 CARGOS: ERA LOROTA



Não passou de lorota o anúncio da presidente Dilma Rousseff, em outubro, e redução do seu próprio salário e o de todos os ministros em 10%. Quatro meses depois, a medida nem sequer saiu do papel e os salários dela e dos ministros, de R$ 30.934,70, continuam sendo pagos integralmente. Dos 3 mil cargos comissionados que o governo cortaria, apenas 528 foram extintos até agora.

A proposta está no Congresso, mas o governo e seus representantes não se empenham por sua aprovação. Inicialmente, a relatora do projeto na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, deputada Simone Morgado (PMDB-PA), só apresentou o parecer por sua aprovação em 16 de novembro e aprovado no colegiado apenas no dia 9 de dezembro.

A partir dali, a mensagem presidencial transformou-se em projeto de decreto legislativo, mas dormita na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) desde 15 de dezembro. O relator escolhido na CCj, deputado Décio Lima (PT-SC), nem sabia da designação. “Eu não estou sabendo que sou o relator. Se fui designado relator, ainda não fui informado”, afirmou.

Dos cargos já extintos pelo governo,16 foram na Casa Militar; 24 na Embratur; cinco na Fundação Alexandre Gusmão; 74 no Ministério da Justiça; 34 no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; 216 no Ministério do Planejamento; 24 no Ministério do Turismo; 112 na Secretaria de Governo; e 23 na Suframa.

Dilma também anunciou a criação de uma central de automóveis para unificar o atendimento aos ministérios, além de metas de gastos com água e energia, limites para uso de telefones, diárias e passagens aéreas, mas isso também não foi implementado até agora.

GOVERNO FAZ TERRORISMO PARA FORÇAR APROVAÇÃO DA CPMF

GOVERNISTAS ESPALHAM NO CONGRESSO: "É A CPMF OU O CAOS"


O Planalto combinou recomendar aos ministros e aliados o discurso do terrorismo, para fazer o Congresso aprovar a recriação da CPMF e aumentar outros impostos. A CPMF ou o caos, eis o mote. O governo Dilma, no ano eleitoral de 2014, gastou R$ 106 bilhões a mais do que estava autorizado, segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), e isso quebrou o País. E pretende pagar a conta aumentando impostos.

O governo insiste, mas ministros bem situados no governo dizem que ninguém acredita na aprovação da CPMF e reforma da Previdência.

Aliados não aceitam assumir sozinhos mais uma maldade contra os aposentados, por meio da reforma da Previdência. Até o PT caiu fora.

No pacote fiscal, que arrochou direitos trabalhistas, os petistas se esconderam em gabinetes e apresentaram atestados médicos fajutos.

A interferência nas eleições das lideranças do PP e PMDB mostrou que 45 deputados desses partidos aliados estão contra o governo. 

TEM ESCÂNDALO PIOR QUE MENSALÃO E PETROLÃO? TEM

O PT pintou e bordou nos fundos de pensão de estatais, e o rombo passa de R$ 44 bilhões

Os associados dos fundos de pensão receberão uma aposentadoria menor do que esperavam em razão da gestão desastrosa desses entes, levada a efeito pelos petistas. Quinhentas mil pessoas serão diretamente prejudicadas. Mas, como é sabido, o dinheiro também sairá dos cofres públicos, uma vez que o Tesouro acabará socorrendo as estatais

Por: Reinaldo Azevedo

Caros, eu perdi a conta do número de vezes em que escrevi neste blog que o real poder do PT está nos fundos de pensão. E assim já era antes ainda de o partido chegar ao poder. 

Reportagem do Globo deste domingo informa a situação calamitosa a que os “companheiros” conduziram os fundos das estatais.

Em agosto do ano passado, na última medição oficial, o rombo na Petros (da Petrobras), Funcef (Caixa) e Postalis (Correios) chegava a R$ 29,6 bilhões. O balanço fechado do ano passado, a ser divulgado em abril, deve elevar esse número para espetaculares R$ 44,4 bilhões, sete vezes maior do que as perdas admitidas com as safadezas na Petrobras.

Peço licença para produzir trecho de um texto que publiquei aqui no dia 3 de fevereiro de 2009, há sete anos portanto. Prestem atenção:

“O PT TEM DOIS PODERES: O TEMPORÁRIO E O PERMANENTE. O PRIMEIRO DEPENDE DAS URNAS; O SEGUNDO É GARANTIDO PELO CIPOAL LEGAL QUE REGULA OS FUNDOS DE PENSÃO, QUE CONFERE AOS SINDICATOS O CONTROLE DE UM PATRIMÔNIO DE QUASE R$ 300 BILHÕES. E O PT COMANDA BOA PARTE DOS SINDICATOS, ESPECIALMENTE OS DE EMPRESAS ESTATAIS, O QUE LHE FACULTA O COMANDO DOS FUNDOS DE PENSÃO INDEPENDENTEMENTE DO QUE DIGAM AS URNAS.

POUCO IMPORTA QUEM SEJA O PRÓXIMO PRESIDENTE, JOSÉ SERRA OU DILMA ROUSSEFF, A, SEM TROCADILHO, REAL GRANDEZA DO PT SE MANTÉM PRATICAMENTE INALTERADA.


Se vocês procurarem no arquivo do blog, encontrarão centenas de textos em que sustento que o poder real do PT não está no controle das verbas do Orçamento. Sem dúvida, ali se encontra uma fonte imensa de recursos, mas o partido é obrigado a dividi-los com parceiros de igual ou maior apetite, a começar do PMDB – que é o que é, ou não estaria junto com o petismo. O dinheiro do Orçamento disponível para investimento, além de mais escasso, está sujeito a controles e a uma maior vigilância da imprensa. Já os fundos… Na prática, ninguém controla. Como boa parte da sua capitalização é feita com recursos públicos, eles representam uma apropriação do dinheiro público pela máquina sindical.

A própria história da privatização, vista pelo ângulo da participação dos fundos de pensão, nos revelaria que a economia brasileira é bem menos privada do que parece. Não! Escrevo de outro modo: os grandes beneficiários da privatização foram os sindicatos das empresas estatais – e isso quer dizer Central Única dos Trabalhadores.

Uma das maiores lambanças do governo Lula – a disputa entre o banqueiro Daniel Dantas e o petismo pelo controle da Brasil Telecom, finalmente vendida à Oi ao arrepio da lei então vigente, mudada só para possibilitar o negócio – teve os fundos como protagonistas. Os petistas mandaram, e eles romperam com Dantas, aliando-se a seus adversários. Alijado do controle da BrT, o banqueiro acabou concordando com a venda (…)

Retomo

Sabem quem vai pagar pelo rombo? Sim, em parte, os associados aos próprios fundos. Mas também vai entrar dinheiro das respectivas estatais. Vale dizer: nós todos arcaremos com as consequências dos investimentos feitos pelos “companheiros”.

Reproduzo um trecho da reportagem do Globo:

“A maioria dos responsáveis pelos déficits das fundações públicas tem em comum a origem no ativismo sindical. Nos últimos 12 anos, os principais gestores dos fundos de Petrobras, Banco do Brasil, Caixa e Correios saíram das fileiras do Sindicato dos Bancários de São Paulo.

É uma característica dos governos Lula e Dilma, e as razões têm mais a ver com perspectivas de poder e negócios do que com ideologias.

Os sindicalistas-gestores agem como força-tarefa alinhada ao governo. Compõem uma casta emergente na burocracia do PT. Agregam interesses pela capacidade de influir no acesso de grandes empresas ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), fonte principal de recursos subsidiados do BNDES. Onde não têm hegemonia, por efeito do loteamento administrativo, convivem em tensão permanente com indicados pelo PMDB e outros partidos, caso do Postalis.”

Os associados dos fundos de pensão receberão uma aposentadoria menor do que esperavam em razão da gestão desastrosa desses entes, levada a efeito pelos petistas. Quinhentas mil pessoas serão diretamente prejudicadas. Mas, como é sabido, o dinheiro também sairá dos cofres públicos, uma vez que o Tesouro acabará socorrendo as estatais.

Só na Sete Brasil, a empresa que deveria construir navios-sonda e só produziu escândalos, Petros e Funcef já perderam R$ 828 milhões, e Previ, R$ 161 milhões.

Quem acompanha de perto o caso dos fundos de pensão não tem dúvida: no dia em que se fizer a devida radiografia do estrago neles produzido pelo petismo, as lambanças do petrolão vão parecer coisa de bandido pé de chinelo.

BOTA A RATAIADA PRA CORRER!

O senador faz exatamente o mesmo que Lula, não está tratando da sua inocência (sabe que não adianta), mas da culpa de outros

Que Delcídio, então, seja cassado e leve com ele “metade do Senado”. A nação agradece!

Senador teria ameaçado muitos de seus pares caso venha a perder o mandato. Se é assim, resta-nos torcer por esse desfecho, certo?

Por: Reinaldo Azevedo 

Como sabemos, atendendo a argumentação da defesa, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deu parecer favorável à libertação do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), que passou para o regime de prisão domiciliar. Ele poderá retornar ao Senado. O mais provável é que o faça para, em seguida, tirar uma licença.

Delcídio já foi denunciado ao Conselho de Ética do Senado, e o processo que pede a sua cassação foi aberto. O relator é Ataídes Oliveira (PSDB-TO). É praticamente certo que vá recomendar a cassação do mandato. E aí está o busílis.

Segundo informa reportagem da Folha desta segunda, quando ainda estava preso, Delcídio teria afirmado o seguinte: “Se me cassarem, levo metade do Senado comigo”.

É mesmo?

Eu só lido com a lógica, certo? Se Delcídio disse isso, é evidente que:

a: está afirmando que outros cometeram o mesmo delito que ele ou de mesma natureza;

b: se os outros mereceriam ser cassados em razão disso, então é evidente que ele próprio julga haver motivos para que o cassem;

c: se diz que pode levar metade do Senado, não está tratando da sua inocência, mas da culpa de outros.


Sendo assim, vamos ficar muito atentos para saber quem fica com Delcídio e quem a ele se opõe. Votos a seu favor estariam a indicar, então, que a raiz da decisão é o medo. Ou por outra: votar para não cassar Delcídio seria o mesmo que fazer uma confissão.

Não fica claro quem ele “levaria” — se só pessoas do seu partido ou se jogaria mesmo caca no ventilador e provocaria um esparramo.

Quando ele estava preso, havia um medo pânico no petismo de que fizesse um acordo de delação premiada. Não o fez. Os ânimos se acalmaram um pouco. Não quer dizer que o nervosismo não possa voltar.

Se o senador for cassado — e a situação política dele é muito difícil —, perde o foro especial por prerrogativa de função, e seu caso vai lá para a 13ª Vara Federal de Curitiba, aos cuidados do juiz Sergio Moro.

Delcídio foi preso porque, numa gravação feita pelo filho de Nestor Cerveró, traça um plano de fuga para o ex-diretor da Petrobras, sugerindo que teria como interferir no Supremo em favor da concessão de um habeas corpus que libertasse Cerveró, possibilitando a fuga.

Mas não e só isso. O delator Fernando Baiano diz que ele recebeu US$ 1,5 milhão de propina com a operação de compra da refinaria de Pasadena e que integra um grupo de políticos que levou US$ 6 milhões em razão do contrato de um navio-sonda.

Se é como informa a Folha, então nos resta torcer para que tudo se dê no melhor interesse do Brasil:

a: que ele seja cassado;
b: que ele leve metade do Senado com ele — se essa metade tiver culpa no cartório.


Uma coisa é certa: tendo mesmo existido tal fala, não se trata do discurso de um inocente, mas de quem não aceita ser o único culpado.

COM O PRETEXTO DE CORTAR GASTOS, GOVERNO PRETENDE ATÉ CONGELAR SALÁRIO MÍNIMO

Por Eduardo Cucolo, Sofia Fernandes e Valdo Cruz, na Folha:

A reforma fiscal proposta pelo governo da presidente Dilma Rousseff, apresentada nesta sexta-feira (19), estabelece um controle de gastos que, em última instância, pode suspender o aumento real do salário mínimo.

De acordo com o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, será definido um teto para gastos. No caso de previsão de estouro desse limite, haverá três etapas de procedimentos de bloqueio de desembolsos.

A primeira etapa prevê a suspensão de: novas desonerações, aumento real (considerando a inflação) das despesas de custeio, aumento real das demais despesas discricionárias, realização de concursos, contratação e criação de cargos, aumento real de salários dos servidores públicos.

Caso as condicionantes do primeiro estágio não sejam o suficiente para enquadrar os gastos do governo, as seguintes medidas serão tomadas: suspensão de subsídios, aumento nominal das despesas de custeio, aumento nominal de despesas discricionárias e reajuste nominal de salários de servidores públicos.

O terceiro estágio do ajuste, que será acionado caso o segundo não seja o bastante, prevê redução da despesa de benefícios aos servidores, redução da despesa com servidores não estáveis e suspensão do aumento real do salário mínimo.

A regra do reajuste, prevista em lei, é que o aumento do salário mínimo seja equivalente à inflação no ano anterior, medida pelo INPC, mais a variação do PIB de dois anos antes. O governo, porém, ainda não especificou como poderá suspender o aumento real.

As despesas do governo hoje correspondem a 19,1% do PIB. O governo vai definir o teto para o limite de gastos para o próximo ano e outras medidas fiscais até abril, por meio de projeto de lei complementar, a ser enviado para apreciação do Congresso.
(…)