quarta-feira, 4 de agosto de 2021

A CASA CAIU PARA BARROSO&CIA.


A entrevista que o presidente Bolsonaro concedeu ao vivo ao programa Os Pingos nos Is - Jovem Pan realmente foi bombástica. Ao lado do deputado Felipe Barros, o presidente Jair Bolsonaro leu o relatório da Polícia Federal no qual o próprio TSE admitiu a invasão de hacker nas eleições de 2018 durante mais de 6 meses, acessando códigos-fonte das urnas, como também relatou que as logs (histórico) da movimentação foram apagadas pelo próprio TSE.

Segundo Felipe Barros, o ataque aconteceu em 2018 e o hacker utilizou a senha de empresa terceirizada para alcançar outras senhas administrativas, acabando por ter acesso ao coração do sistema, com o código-fonte das urnas.

Barros afirmou que o próprio TSE reconheceu o ataque em ofício enviado ao delegado da Polícia Federal que investigou o ataque. Em tese, o acesso ao código-fonte poderia gerar alterações nos sistemas de votação.

Em suas contas nas mídias sociais, o presidente publicou os links para que o leitor possa ter acesso aos documentos citados na entrevista.

Confiram AQUI os documentos que comprovam, segundo o próprio TSE, que o sistema eleitoral brasileiro foi invadido e, portanto, é violável. 
No vídeo abaixo, a entrevista:



CASTIGO OU LEI DA ATRAÇÃO?

Quando uma corja de corruptos se torna referência de honestidade, pode apagar a luz que o país já virou trevas


Períodos de tragédias costumam vir acompanhados de relatos relacionados a perversões morais e a massificação da maldade.

É compreensível o fato de opositores de governantes que não são reféns de certa agenda promíscua e delinquente, como é o caso de Bolsonaro, espumarem de ódio por terem perdido o discurso demagogo de salvadores da humanidade e a facilidade de impor suas pautas, que vinham transformando a sociedade numa massa hegemônica, sem identidade e sem opinião própria.
 
O que é imperdoável são os ataques levianos de autoridades que desrespeitam a independência dos poderes da República e extrapolam em suas ações anticonstitucionais para derrubar o poder que elegeu como alvo.

Imperdoável também é a postura das instituições que seguem o mesmo caminho da leviandade e se comportam como grupos militantes.

O que eu considero mais repugnante, porém, são os ataques virulentos de quem saiu de sua insignificância graças ao presidente, mas virou as costas, deixando Bolsonaro praticamente sozinho no covil de lobos. Só não contavam com uma multidão de anônimos que se mantém firme no propósito de fazer valer a verdadeira essência da DEMOCRACIA, que é o poder exercido pelo povo e não imposto por pretensos iluminados.

Assim como em outros períodos da história, o cidadão comum triunfará sobre as trevas.

segunda-feira, 21 de junho de 2021

AÇÃO E REAÇÃO


Já vimos religiosos que deveriam ser exemplos de santidade estapeando pessoas por motivos tolos.

Conheço críticos de Bolsonaro que mandam qualquer um para aquele lugar se não disser amém às suas vontades.

Estou esperando sentada que apareça algum crítico que realmente exercite a prática do perdão diante de contrariedades. Nem precisa ser o massacre que o presidente sofre há décadas.

E tem mais...a galera vai ao delírio quando alguém solta por nós os gritos entalados na nossa garganta.

sábado, 19 de junho de 2021

EXPLORAÇÃO POLÍTICA DE MEIO MILHÃO DE MORTOS


O mundo acompanha a dor do luto sofrida por uma multidão de anônimos atingidos pela praga do coronavírus.

Desde que tudo começou, os noticiários mostram, diariamente, o sofrimento humano provocado pela pandemia da covid-19. No Brasil, talvez um pouco mais tarde do que deveria, porque certos poderosos da mídia propagavam que era só um resfriadinho para faturar com o carnaval.

Neste contexto de corações tomados pela dor, é urgente que cada pessoa busque ser presença solidária, compartilhando palavras que devolvam a esperança. Trata-se de cumprir missão consoladora para levar luz aos momentos de luto e aliviar a dor dos que ficam.

Eu não tenho facilidade para fazer isso, por esse motivo consigo compreender quem também não tem habilidade para consolar. Admiro quem sabe fazer bom uso das palavras, desde que não seja o discurso fácil e falso dos políticos, nem de quem quer que seja que faça isso com algum interesse. O que considero totalmente impróprio, porém, é batucada nas ruas e exploração de uma dor tão profunda para lançar candidatura política.

Espero que as pessoas tenham discernimento para identificar o que são ações consistentes que valem mais do que palavras e o que é apenas um espetáculo deprimente de ilusionismo macabro.

Lamentável ver tanta gente insensível explorando a tragédia para lançar a candidatura do chefe de quadrilha.

sábado, 29 de maio de 2021

ESSE PAPA TEM SALVAÇÃO?


Fernando Cavalcanti

O Papa Francisco, todos já sabem, disse que o Brasil não tem salvação, porque aqui o "negócio" é muita cachaça e pouca oração.

Tratou-se, evidentemente, de uma blague.

Mas Francisco não sabe que o pior negócio do planeta é tentar "zoar" com brasileiros. Pois nós já nascemos com pós-doutorado em gozação.

Assim, o feitiço virou-se contra o feiticeiro, e Francisco virou objeto de chacota em centenas de musiquinhas, memes, caricaturas, stickers etc.

Eu próprio estou me divertindo deveras com as piadas e reproduzi duas delas nesta página.
Os emoticons deixados pelos facefriends foram, em geral, de riso. Essa era a intenção.
Francisco, entretanto, está sendo também alvo de comentários indignados, alguns dos quais agressivos.

Vários amigos têm-me urgido, no messenger, para que os apague. Argumentam que, se me declaro católico, não posso permitir desrespeitos ao Sumo Pontífice.

Bem, os comentários que contêm palavrões eu excluo. (Faço isso sempre, aliás, quer eu concorde ou não com o conteúdo de um comment.)

Mas estou deixando nesta página os demais, que expressam revolta com o Papa de maneira genérica, mesmo que agressivos, porque eu próprio acho Francisco uma calamidade para a Igreja.
Não por piadinhas inconvenientes, é claro. E sim porque mistura desavergonhadamente religião com política.

E gostaria de lembrar que, na verdade, há, no momento, dois Papas: Francisco e Bento XVI.

Bento é o MEU Papa, o digno sucessor de João Paulo II. Fervoroso, culto, observador consciencioso de ambas as liturgias (a da fé e a do cargo de chefe de Estado), sincero, conservador e humilde.

Humilde até demais, aliás. Pois, num gesto inédito, julgando-se muito idoso e cansado, renunciou ao "exercício" do Pontificado e permitiu a eleição de um novo Papa (sem deixar de sê-lo "emeritamente") pelo Colégio de Cardeais.

Assim Bergoglio se tornou o Papa Francisco.

No começo encantou a todos, independentemente de ideologia, por sua afabilidade e carisma.
Com o tempo, porém, Francisco deixou claro ser adepto da Teologia da Libertação, movimento que torna a Igreja Católica uma espécie de ONG de esquerda. (Já dissertei, se não me engano, sobre essa "seita" nefasta nesta página.)

Os sacerdotes adeptos da TL, identificando a esquerda e o progressismo como sinônimos de amor, tolerância e luz, encaram, logicamente, a direita como o mal.

E assim os conservadores, que já eram politicamente cidadãos de segunda classe na maior parte dos países, passaram a sê-lo também na Igreja.

Francisco revelou a que ponto chegava o sequestro de sua religião por sua ideologia quando celebrou com a China, que sempre perseguiu de maneira cruel os católicos, uma Concordata em que, na prática, permite àquela ditadura bárbara e ateia decidir que sacerdotes poderão ser consagrados bispos.

A meu ver, se houvesse previsão de mecanismos para o "impeachment" do Sumo Pontífice, Francisco deveria, mais do que qualquer Papa após o século XVI, ter sido deposto naquele momento. Considero que traiu os martirizados cristãos chineses. E, por corolário, à própria Igreja que jurou liderar e defender.

Com relação ao Brasil, temos inúmeros exemplos de que, para Francisco, cristãos de verdade têm que ser progressistas.

Desde o início de seu pontificado, tem recebido figuras radicais da esquerda, como o "Grande Invasor" João Pedro Stédile (que, em entrevistas, revela seguidamente seu encantamento com Francisco). E próceres da corrupção, inclusive o arquimarginal de nossa nação, Luiz Inácio "Lula" da Silva.

O progressismo militante de Francisco, como um câncer em metástase, tem incentivado a cúpula esquerdista da Igreja Católica no Brasil a declarar cada vez mais ousadamente o seu anticonservadorismo.

Quando Francisco recebeu críticas da Direita Conservadora (pleonasmo, pois, em meu julgar, não existe direita que não seja conservadora, e vice-versa) pelas propostas "inovadoras" do Sínodo da Amazônia, o arcebispo de maior destaque do Brasil, Dom Orlando Brandes, no Santuário de Aparecida, a padroeira do Brasil, trovejou: "A DIREITA É INJUSTA E CRUEL. É PRECISO ESMAGAR O DRAGÃO DO TRADICIONALISMO."

Não, não se trata de versão "retórica". Essas foram suas palavras literais. Dom Brandes condenou milhões de brasileiros (aliás, de cidadãos do mundo inteiro) como criaturas malignas e 'decretou" que somos uma espécie de servos de Satanás. (O dragão é uma das representações do demônio, ao lado da serpente, na Bíblia.)

O que disse Francisco em defesa dos milhões de católicos conservadores que nos sentimos ultrajados com as agressivíssimas palavras de Dom Brandes? NADA.

E quem cala, vocês sabem, consente.

Francisco é um pastor que só quer apascentar as ovelhas que comem em sua mão esquerda.

Para as outras, ele, em linguagem popular, "não está nem aí".

Francisco, pois, para mim, não é um Papa, pois a palavra significa "Pai". E um pai de verdade não escolhe os filhos. Prefiro até chamá-lo de Bergoglio.

O MEU Papa está velhinho, combalido e, desconfio, amargamente arrependido de ter convocado o Concílio que entronizou Bergoglio na Santa Sé, vendo a interminável fileira de malfeitos engendrada por ele.

E vocês, meus amigos católicos mais "respeitadores", ainda querem que eu censure críticas a Bergoglio em minha página por causa de uma brincadeira anódina sobre cachaça?

Jamais. O que posso fazer é dizer o que esse Papa realmente tem feito de execrável.

Não haverá dano. Grave é calar-se ante infâmias só porque quem as comete porta o Báculo Pontifical. E assim propiciar sua continuidade.

A Igreja sobreviveu a Papas como Júlio II e Alexandre VI.

Sobreviverá a Francisco.

O qual, daqui a alguns séculos, será lembrado por coisas infinitamente piores do que piadas de mau gosto.

domingo, 23 de maio de 2021

A DISTÂNCIA ENTRE A POLITICAGEM E A AÇÃO

Matéria interessante para podermos observar quem realmente está empenhado no enfrentamento da pandemia e quem está apenas interessado em fazer politicagem. Infelizmente, quem deveria informar dá mais destaque aos discursos de palanque do que às ações:

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi hoje ao Maranhão para entregar 600 mil testes de detecção da covid-19, que serão usados em barreiras sanitárias contra a disseminação da variante indiana do vírus, detectada no Estado. Em São Luís, Queiroga se reuniu com o governador e pregou integração no trabalho de combate à doença.

“Vamos trabalhar juntos, de forma articulada, para prover a segurança necessária, para transmitir à nossa população o que ela precisa: confiança nos seus gestores, confiança no ministro, no secretário estadual de Saúde, no secretário municipal de Saúde, porque estamos trabalhando juntos pelo povo do Brasil", afirmou Queiroga.

No Maranhão, Queiroga e Flávio Dino se encontraram no porto do Itaqui, em São Luís, capital do Estado. Durante a visita, eles acompanharam a testagem de funcionários para a detecção da covid-19. No sábado, 22, a Saúde anunciou o envio dos testes rápidos de antígeno e prometeu uma estratégia de busca ativa de novos casos em aeroportos, rodoviárias e principais estradas no Maranhão, a ser replicada também em outras cidades do País.

Em caso de teste positivo, o indivíduo será submetido ao teste do tipo “RT-PCR”, considerado padrão-ouro na detecção da doença. Confirmado o diagnóstico, o material será submetido à avaliação genômica para identificar a variante responsável pela contaminação. O paciente, por sua vez, deverá cumprir isolamento.

Para tentar reduzir o risco de propagação da nova cepa indiana, mais transmissível, o ministro da Saúde informou que o Maranhão receberá 5% a mais de doses de vacinas. Os imunizantes serão utilizados nas cidades de São Luís, Raposa, São José de Ribamar e Paço do Lumiar, que compõem a Ilha de São Luís.

O encontro entre o ministro e o governador ocorreu um dia após os dois trocarem farpas nas redes sociais. Após a entrevista coletiva em que o Ministério anunciou medidas para tentar conter a nova variante, Flávio Dino disse não ter sido consultado para discutir as estratégias.

Em resposta, Queiroga deu outra versão. "Ao contrário do que afirma, conversei com o secretário (estadual de Saúde) Carlos Lula, por telefone, e o convidei para a coletiva. No entanto, ele informou que o senhor não autorizou a participação dele. Este deve ser um momento de união. Nosso único inimigo é o vírus", escreveu o ministro.

Dino rebateu. "O secretário Carlos Lula não foi ouvido sobre nada. E claro que ele não se dispôs a ser enfeite em coletiva".

domingo, 2 de maio de 2021

AGLOMERAÇÃO VERDE E AMARELA



Aglomeração verde e amarela assusta? 

Infelizmente, o desrespeito ao voto vencedor nas urnas força alguma reação. Portanto, todos aqueles que estão apoiando o jogo sujo para derrubar o presidente são os responsáveis pelas manifestações e por suas possíveis consequências.

Rogo a Deus que afaste a urucubaca dos covideiros e proteja o povo brasileiro de todo o mal!

Mas fica o recado para os teóricos da hegemonia do pensamento e da opinião, representados pelos "coronés" da política, por corruptos e tiranos que compram consciências, pelos senhores da grande imprensa e de outras instituições que também pregam a tirania do pensamento único, que respeitem as nossas escolhas e decisões, porque nosso clamor não é por interesses pessoais, não é por vantagens e privilégios. 

O que exigimos é respeito pelo país que queremos para nosso povo e para as futuras gerações. Um país de oportunidades, sem o conflito provocado pelos que nos dividem e apostam no confronto que enfraquece a sociedade, tornando-a refém de seu projeto de poder.

É justamente esse ambiente de coronelismo, corrupção e hostilidade que abominamos e queremos apagar de nossa história.

Que venham dias melhores, que nossa força consiga superar a negatividade e as más intenções, que possamos, enfim, conquistar a qualidade de vida que merecemos e resgatar os valores que foram sequestrados pelos pregadores do caos, que até um tempo atrás estavam comandando o destino da Nação.



quarta-feira, 28 de abril de 2021

CPI DA COVID - QUE MOSTREM TUDO

Um grupo de sindicatos e centrais sindicais foi ao STF para pedir que a corte obrigue o governo federal a adotar medidas de lockdown.

Preocupados com a vida?

LOROTA.

Mais uma arapuca para tentar colar em Bolsonaro a marca de ditador, acreditando que ele teria que colocar as tropas do Exército nas ruas para agredir brasileiros em locais públicos, como governadores e prefeitos têm feito.

Mas o recado está dado e é repetido diariamente, o presidente jamais fará isso contra a população.

O comandante aglomera? Quem diz isso não entende NADA de humanidade. O comandante não deve ficar encastelado em seu mundo de privilégios, é o último a abandonar a trincheira e se faz presente junto aos que não podem se dar ao luxo de "ficar em casa" num reino de faz de conta.

Entre piadas de jacaré, nos momentos de descontração em suas lives (imagens que podem parar na CPI da covid e que vão divertir muita gente), é importante publicar cada palavra do que Bolsonaro costuma dizer todos os dias sobre vacinas, por exemplo:

"Agora tem a questão da vacina. Quando o último brasileiro tomar a vacina, eu tomo. Eu sou chefe de estado e tenho que dar exemplo. Meu exemplo é esse: já que não tem para todo mundo, que tomem na minha frente. Sempre foi assim. Eu sempre fui último a comer no quartel, tenho que dar exemplo."

Os noticiários não mostram, mas quem sabe agora os brasileiros irão saber o que Bolsonaro faz de tão grave durante a pandemia!

Finalmente, quem sabe, tudo poderá chegar ao conhecimento da população, pois o senador Eduardo Girão (Podemos) apresentou à CPI da Covid requerimento de dados sobre os deslocamentos de Jair Bolsonaro pelo entorno de Brasília.

O presidente da República tem o hábito de visitar comunidades humildes para saber de suas necessidades e demonstrar que não abandona seu povo.

Seria interessante ver essas imagens nas telas da TV.

Só para comparar, a variante da Índia está avançando contra a vida dos indianos de forma assustadora. As imagens são impublicáveis. Mas duvido que seu povo seja tão perverso a ponto de massacrar seu líder, como fazem muitos brasileiros... que fazem pior... além de elegerem um bode expiatório para se eximirem de suas responsabilidades, bajulam os verdadeiros culpados pelo vírus.

PANDEMIA? QUE PANDEMIA?

Até quando a humanidade vai precisar de "salvadores" e "heróis" para impor o que se deve ou não fazer?

No caso da pandemia, ficar repetindo o jargão já batido "fica em casa" qualquer um pode fazer, eu faço, você faz, até banalizar e ninguém mais dar importância ou ficar de saco cheio e mandar às favas tudo o que é dito no imperativo.

Eu me cuido, sim, muito mais do que grande parte de conhecidos e celebridades que querem exigir dos outros o que não fazem. Mas não julgo quem precisa sair de sua zona de conforto por necessidade nem quem se encaixa muito bem no ditado popular "faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço", mas julga quem não os obedece.
 
O que me importa nisso tudo?

Quem tem ATITUDE, pessoas solidárias, caridosas, generosas e, por que não dizer, quem age para minimizar os estragos causados pelo vírus e também pelas quarentenas... o resto é teatro.
Pandemia? Que pandemia?
 
Pra político não tem pandemia, tem o discurso que interessa e que consegue enganar a plateia. Sinceridade, nesse caso, virou crime.

Porém, se atentarmos aos fatos, e não no falatório de quem não tem a mínima preocupação com vida nenhuma, porque a eles só interessa dinheiro, poder e, para isso precisa do nosso voto, fica evidente que político só quer saber de eleição.
 
Ciro já está divulgando vídeos de campanha produzidos pelo marqueteiro que ajudou seus antigos patrões a roubarem como nunca.
 
Doria, como sempre, atropela os companheiros de partido para ser o escolhido para concorrer à eleição presidencial, enquanto um grupo no PSDB já lançou o slogan de Tasso Jereissati: o PresidenTasso.

O presidiário, que se safou da prisão porque temos um Tribunal Superior tão indecente quanto ele, já está circulando pelo país em campanha. Só não se sabe se mortadela vai ser suficiente para não levar ovada.

Enquanto isso, no país real governadores e prefeitos são investigados por desvios de verba destinada pelo governo federal exclusivamente para a pandemia. E o povo que se lasque.

domingo, 18 de abril de 2021

A ARTICULAÇÃO DOS CANHOTOS PAUTA A "DIREITA"

Os canhotos são tão eficientes na artimanha de dividir, que fazem isso com sucesso até entre pessoas que deveriam estar unidas num único ideal. Por isso costumo evitar certos assuntos, justamente para manter o foco no que realmente importa.

Porém, tem momentos que não tem jeito e a omissão pode ser pior do que o risco do mau julgamento.

Eu sempre tive a convicção, sobre intervenção militar, de que se trata de mais uma articulação dos canhotos para emplacar a ideia de que são eles os democratas que devem se instalar como soberanos no poder. A partir dessa ideia, vendida para o mundo e incutida como mantra na mente de massas de doutrinados, vale tudo para que se torne fato. Vale até entregar o Brasil, suas riquezas e o destino dos brasileiros.

Sabemos que conseguiram instalar um Tribunal de julgamento onde também vale tudo, desde fofocas sobre conversas informais do presidente até calúnias sem fundamento, rasgando mais uma vez a Constituição e o Mandamento que orienta o povo cristão a "Não Levantar Falso Testemunho". A intervenção militar continua como a última cartada, enquanto todas as outras fracassam, assim como fracassará a CPI DA COVID.

O vídeo abaixo me encoraja a entrar nesse assunto porque confirma a minha preocupação com o complexo de Vira Lata. Não me refiro apenas aos interesses da China em nosso território, para alimentar seu povo e nos deixar numa situação de insegurança alimentar, nem no ideal dos dinossauros truculentos e corruptos que não desistem de tentar impor no nosso país uma tirania de esquerda aos moldes de Cuba. Com o avanço do governo dos Estados Unidos contra nossa soberania e com vermes brasileiros rastejando por essa interferência, temo que façam em nosso país o que fazem no Oriente Médio.


quarta-feira, 7 de abril de 2021

COMPLEXO DE VIRA LATA FORÇA A NARRATIVA DO VÍRUS VERDE E AMARELO

França, Chile, Cuba, Uruguai e outros países estão batendo recordes diários de novas infecções e mortes por covid, mas brasileiros desnaturados permitem que todos transfiram a culpa do vírus "yellow" e da má gestão a nível mundial ao Brasil. Faz parte do jogo sujo da política e, de quebra, poupam a China. Isso pode nos custar caro, quando deveria custar aos causadores desse mal.

O que não falta é indigente moral querendo convencer o mundo que o vírus é verde e amarelo.

Estranho que culpem o povo pelas tragédias causadas pelo vírus amarelo. Porém, mais estranho ainda é que estamos perdendo personalidades consagradas do meio artístico, doutores da medicina e das leis, políticos alinhados à ideia de fechar tudo, pessoas que certamente estavam isoladas, sem receber visitas, sem cuidados pessoais que dependam de terceiros, sem nenhuma colaboração nas tarefas de casa, enfim, sem nenhum tipo de contato pessoal com pessoas fora do seu convívio familiar. Ou será que isso é só discurso, mas na prática fazem tudo o que condenam?

CUIDADO OU CONTROLE?

Os vermelhos estão fazendo o que sempre fizeram. Até ter o total controle do estado, se fingiam de democratas. Com a meta aparentemente alcançada, mostram a que vieram.

Instalados nos poderes da República, na mídia e nas instituições, estão mostrando suas garras e perseguindo descaradamente apenas um dos lados, enquanto o outro ameaça, agride, depreda e ofende impunemente.

Os fatos comprovam que estamos em um estado de exceção, pois a lei só vale para um dos lados. Aliás já passamos desse momento. Já não existia estado democrático de direito. Agora nem estado de direito existe mais. Quanto a atuação dos poderes, já somos uma Venezuela... ou Cuba, ou Coreia do Norte.

Como os abusos começaram e se banalizaram, tendo como justificativa supostas causas humanitárias?

Os então ministros Moro e Mandetta editaram portaria que autorizava o uso da força policial, com prisão compulsória, contra quem descumprisse a quarentena, medida adotada para tentar conter o avanço da pandemia vinda da China, sem sucesso passados um ano e dois meses desde que foi notificado o primeiro caso de infecção no Brasil. BOLSONARO REVOGOU ESSA MEDIDA REPRESSORA CONTRA O CIDADÃO.

Não se trata apenas da política, da repressão de governantes, mas também de um padrão cultural que faz a alegria de pessoas comuns que têm revelado a propensão à tirania.

Até quando teremos que aceitar a PATRULHA sobre o que falamos ou fazemos sob a alegação de que se trata de "CUIDADO"?

Será que o denuncismo será banalizado como prática e teremos que abrir mão das liberdades individuais?

Tem alguém sendo forçado a sair de casa? Evidentemente que não. Mas tem gente sendo presa por ter sofrido denúncia do que faz dentro de casa...Já vi essa história

Nas diferentes visões de mundo, fico imaginando o que seria um ditador, como acusam o governante que tem colocado em risco sua saúde, sua imagem e sua vida para defender a liberdade dos brasileiros.

Seria quem defende a liberdade como um direito fundamental, cabendo a cada um ter consciência de seus atos?

Certamente, quem segue essa tendência jamais enviará tropas para forçar o cidadão a sair de casa, ao contrário do que fazem seus opositores, que ameaçam, agridem e prendem não somente quem caminha na praia, num parque ou se encontra na porta de sua residência, mas até quem é denunciado pelo que faz dentro de sua própria casa.

Se aqueles que julgam com o fígado parassem pra pensar um pouquinho, poderiam questionar quem estaria delatando o comerciante que entra em sua loja para buscar os produtos que deveriam ser entregues no domicílio de quem os encomendou.

Quem estaria informando às autoridades se um provável cliente entrou na residência de um cabelereiro ou de uma manicure?

Quem estaria causando alvoroço quando alguém recebe a visita de parentes ou amigos... ou ainda, quando vovós publicam fotos com netinhos no colo?

Entre as atividades que passaram a ser tratadas como criminosas, quem seria responsável pelas denúncias senão um vizinho ou uma pessoa próxima?

Se é "A" ou "B" que representa a luta para que nada disso se banalize e se torne um padrão nas relações humanas, serei sua apoiadora até o fim... seja qual for o fim dessa história.

O pior legado do vírus...saber que entre nossos amigos há possíveis delatores e que a confiança foi para o espaço

As pessoas que têm a índole autoritária estão deixando isso bem evidente. Tentam justificar como "cuidado" o que na verdade é controle.

Não importa o número de mortos, basta perguntar a quem perdeu UM ente querido, mas precisamos rever algumas decisões a partir do momento em que o planeta se tornou um gigantesco laboratório.

O vírus já está instalado há meses, são milhões de pessoas que os abrigam em seu organismo, infinitamente multiplicados. Ou alguém é ingênuo de acreditar que o bichinho está sozinho na rua e vai morrer de fome se ninguém sair de casa?

domingo, 4 de abril de 2021

A "ÇIENSSA" DOS HIPÓCRITAS



A polêmica do dia é sobre a decisão do ministro do STF indicado por Bolsonaro, Kassio Nunes Marques, que autorizou a celebração de missas e cultos no domingo de Páscoa. Não é obrigatório, é permitido. Portanto, celebra e participa quem concorda, faz sua oração em casa quem não concorda. Só fica incoerente falar uma coisa e fazer outra, ou seja, apontar o dedo acusador para em quem sai de casa para fazer uma caminhada ao ar livre ou para trabalhar, mas vai se aglomerar na igreja.

A ironia que é o dito "genocida" o único que defende direitos como a liberdade de culto e dos pequenos comerciantes e ambulantes, que estão sendo engolidos pelas grandes redes de supermercados... e é o dito "genocida" que tem um plano para resolver o grave problema do transporte público, mas não tem autorização para agir porque os "supremos" delegaram poderes de gestão da pandemia aos governadores e "prefeitins".

VAMOS PENSAR, ENQUANTO PODEMOS

O debate sobre questões de geopolítica se faz necessário para podermos avançar no entendimento do que está acontecendo no Brasil e não ficarmos limitados às guerrinhas de narrativas, provocações e lacrações. Chegamos a um ponto que reduzir a nossa capacidade de raciocínio a fofoca de comadres é uma ofensa diante de tanto sofrimento, mortes e miséria.

Há uma evidente ação coordenada e de forte impacto na vida dos brasileiros que está paralisando o país. Isso está resultando num sério agravamento da situação social e cada vez mais brasileiros estão deixando de ter suas necessidades básicas atendidas. O desespero pode evoluir para uma convulsão com graves consequências.
 
Por enquanto, temos uma parcela mais consciente da sociedade correndo riscos de saúde a fim de tentar evitar um mal maior, uma preocupação além de seus umbigos. Esse segmento é pacífico e se manifesta dentro da legalidade. 

O problema é a probabilidade de uma explosão dos setores mais vulneráveis. Será que terão a capacidade de entender que só agregando esforços com os movimentos já existentes conseguirão obter algum êxito, ou serão seduzidos pelos recorrentes promotores do caos, eficientes na arte de dividir para enfraquecer?

Um fator relevante é extremamente preocupante nesse provável cenário de horror que se desenha num horizonte próximo, enquanto sonhadores descansam confortavelmente na sua zona de conforto, que são milhões de armas ilegais que entraram no país durante as últimas décadas. 

Não foi nada inocente o golpe contra a vontade popular, manifestada em referendo de 2005 contra a lei do desarmamento, porque a ideia era essa, desarmar a população para que se tornasse um alvo fácil do crime organizado e de algo pior que pode estar prestes a acontecer.

Onde está esse armamento?
 
Um olhar mais atento na convocação de forças de segurança para agir com truculência contra cidadãos trabalhadores pode ser o sinal de alerta para desvendar as verdadeiras intenções dessa tomada de decisão. As reações também violentas é tudo o que os estrategistas do caos precisam para gerar explosões de violência que o Estado não terá condições de conter.

A intenção é essa, causar indignação. Porém, qual será o alvo da indignação e quais forças serão capazes de mobilizar os atores ainda invisíveis e que são as vítimas que mais sofrem danos nessas tragédias anunciadas?

Aí que mora o perigo. As armas não estão em posse do cidadão ordeiro e trabalhador, a eles foi negado esse direito. Quem as detém são facções criminosas, grupos terroristas e guerrilhas de esquerda que aguardam a hora de entrar em ação. Essa é sua prática, esses são os métodos de tomada de poder que eles utilizam quando são derrotados nas urnas. Para não serem tão ostensivos como foram décadas atrás, o que obviamente resultaria num repúdio generalizado da população, criam atritos entre as esferas de poder. Nada é por acaso.

Planejando e coordenando essa situação, estão os dominadores globais e muito dinheiro envolvido. Apenas quem subestima o perigo, acredita que a paz possa reinar nessa cultura de ódio instalado entre irmãos. Acredita em soluções fáceis e que, descartando peças indesejáveis aos olhos de quem caiu nas teias de certos “donos de consciências”, tudo se resolve num passe de mágica.

O fato é que o clima de insatisfação social se aproxima rapidamente e as forças interessadas em nossas riquezas e no controle de nossa nação estão aguardando o momento certo para se aproveitarem dessa situação e também da falta de visão estratégica que vai custar muitas vidas. Já basta o vírus de laboratório, teremos que enfrentar também o vírus da discórdia.

Os chefes de quadrilha, condenados, porém soltos pelos supremos, estão agilizando as convocações que vão dar início a essa guerra entre insatisfeitos. Já vimos esse filme e sabemos como agem. Não podemos esquecer o assassinato do cinegrafista da BAND, embora seus pares esqueçam porque seu ódio e a ganância pelos ganhos que obtêm com audiência e patrocínios superam qualquer possibilidade de compaixão.

Não esperem conflitos previsíveis, com regras a serem respeitadas. Nada é convencional, não há uma área delimitada ou uma programação lógica. O secretário de defesa da Inglaterra deixou bem claro que as guerras agora ocorrem num contínuo de tempo. Trata-se de um jogo estratégico pelo domínio.

O que podemos fazer sem ficar de braços cruzados ou cedendo a cada ataque até que tomem conta da situação? Sei que muitos não vão gostar, mas a orientação do professor é que PACIÊNCIA é fundamental.

A lição de um vitorioso histórico e que faz parte da arte da guerra, tipicamente oriental, é a de “esconder as capacidades e esperar o tempo passar”. Já passamos por isso e deu certo quando saímos às ruas pelo impeachment da Dilma e esse pessoal tomou conta das ruas para praticar atos de vandalismo. Tivemos um recuo estratégico porque a imprensa já começava a atribuir às nossas manifestações os adjetivos pejorativos que cabiam aos arruaceiros da esquerda. 

Mais uma vez é importante resistir à tentação de cair na armadilha que estão preparando para fazer do Brasil uma praça de guerra. Todo o cuidado é pouco para não nos tornamos os vilões perante a grande massa adormecida da população e facilitar a adesão dessa massa, junto aos grupos vulneráveis de insatisfeitos, aos grupos que querem tomar o poder na força, porém simulando bandeiras humanitárias.

Infelizmente, as pessoas que não dão importância às lições da história só aprendem a enxergar os fatos, e não as narrativas, quando são chacoalhadas pela dor. Tentar conquistar essas pessoas é inútil, pois o apelo emocional dos encantadores de inocentes é muito mais convincente. Se pessoas boas resolverem aderir aos movimentos do outro lado, em algum momento vão sofrer porque a barra por lá é pesada. 

Sabemos disso, mas os influenciadores vendem outra ideia. Então que arquem com suas escolhas. As projeções, verificadas em pesquisas de opinião, mostram que a grande maioria jamais vai se desapegar de suas crenças rasas, ilusões tolas e opiniões incutidas por quem tem a expertise na exploração das misérias alheias.

Os movimentos estão expostos para quem quiser ver, ouvir e entender. E para não sermos pegos de surpresa. Fiquemos atentos aos acontecimentos, vamos analisar tudo com discernimento e, o mais importante, precisamos tomar medidas acautelatórias para estarmos bem quando for necessário agir. É importante cuidar da saúde física, mental e espiritual, como também manter o contato saudável com quem só quer o bem do Brasil, de nossas famílias e de nosso povo que merece muito mais do que as migalhas que acostumaram a receber.

"NÃO NOS CONFUNDAM"





A casta privilegiada não enxerga o mal que os criadores do vírus fizeram ao mundo. Como nos tempos primitivos, preferem entregar bodes expiatórios ao sacrifício.

"NÃO NOS CONFUNDAM" é o lema do Movimento de pessoas que estão no limite dos desespero por não terem como sustentar sua família e pagar suas contas porque estão sendo impedidas de prover seu pão com o trabalho digno, tanto é que se veem forçadas a correr riscos para defender sua sobrevivência, uma realidade que certa casta de privilegiados despreza.

"NÃO NOS CONFUNDAM" porque é MENTIRA que esse lado também dramático de nosso povo estimule pancadões, encontros e eventos dispensáveis, como as festinhas com comes e bebes, onde os hipócritas (muitos são os atiradores de pedras) só vestem as máscaras para as fotos, e outras situações onde é evidente que ninguém segue os protocolos de cuidados para evitar o contágio da doença.

"NÃO NOS CONFUNDAM"
porque sabemos quem está ao lado do povo, também correndo riscos, e quem faz discurso demagogo por interesse em voto e poder.

Para completar, crê na informação mentirosa quem gosta de sofrer ou tem a índole tão perversa quanto os promotores do caos, mas eu serei incansável em buscar os fatos... como é o caso das vacinas, cujas doses aplicadas em cada país podem ser acompanhadas num gráfico mundial. Basta clicar AQUI.

Empatia seletiva é bem assim...ou seria egoísmo?
Empatia é fazer o que considera certo, porém sem atirar pedras.
Quem precisa trabalhar não é criminoso e quem os compreende não é genocida.



O VÍRUS MORAL É TÃO GRAVE QUANTO O VÍRUS "AMARELO"

Segundo decisão do ministro do STF Edson Fachin, o pior ladrão da história está prestes a ter o direito de tentar voltar ao poder para continuar roubando nosso dinheiro e a consciência de otários e de outros ladrões. Pergunto...sem arrependimento dessa corja e com o apoio ao pior ladrão da nossa história que jamais deveria existir, de que valem as nossas orações pelo fim da pandemia?

Os hipócritas, que se calaram durante décadas de roubalheira, insistem em narrativas mentirosas que visam destruir todas as conquistas no combate à corrupção, porém acusam o alvo de seus ódios de fazer o que eles fazem. Para isso, a questão que levantam para envenenar sua plateia, que repete bordões feito papagaios de auditório, é como chegamos a esse ponto?

Basta rever os acontecimentos de um passado recente para constatar que chegamos a esse ponto graças ao ataques irresponsáveis contra o presidente que, para não colocar em risco toda a conquista de um povo que conseguiu ter voz que jamais conseguiria sem Bolsonaro, teve que aceitar o diálogo com alguns ratos que estão livres da ratoeira graças aos supostos heróis que seus algozes idolatram.

Chegamos ao momento em que um presidente eleito democraticamente nas urnas está sendo acusado por NÃO ter dado um golpe de estado (ou autogolpe), criticado por não ter rasgado a constituição nem rompido rompido a "harmonia" entre os poderes e interferido nesses poderes que não são recíprocos à sua grandeza. Que tempos loucos estamos vivenciando!

Não vale nada um herói deposto ou preso. Tenho confiança que a ideia é essa, provocar até o limite, quem fizer mais besteira cai...por enquanto, as mancadas dos desesperados evidenciam quem dará o xeque-mate.

quinta-feira, 1 de abril de 2021

MANIFESTO DA DEMOCRACIA "NAZIEMPÁTICA"

Que manifestozinho mequetrefe acabo de ler dos presidenciáveis que querem derrubar Bolsonaro. Repetiram o que o presidente incansavelmente diz todos os dias.

Interessante um trecho que trata exatamente de um fato que Bolsonaro critica diariamente, parece que escreveram olhando para o espelho: 

"Fora da Democracia o que existe é o excesso, o abuso, a transgressão, o intimidamento, a ameaça e a submissão arbitrária do indivíduo ao Estado."

Faltou um novo componente dos tempos sombrios que estamos vivendo, a patrulha naziempática, que entrega vizinhos, amigos e trabalhadores honestos às sessões de tortura e humilhação amplamente divulgadas pelas redes.

quarta-feira, 31 de março de 2021

"DITADURA NUNCA MAIS"

Não costumo ler matérias ou comentários de certa turma que não tem argumentos, só o que conseguem produzir em seus cérebros são xingamentos, ofensas pessoais, enfim nada que tenha proximidade com o campo das ideias. Mas em situações como a de hoje, dou uma espiada para ter uma noção do que estão falando.
 
Aliás, basta ler um que sabemos que todos os outros estão dizendo a mesma coisa. Típico de massas doutrinadas.

O discurso do lado de lá é uniforme. Um "iluminado" tem uma ideia, cria um jargão ridículo, e saem todos repetindo feito marionetes.
 
Irônico que são os mesmos que estão em êxtase ao ver pessoas humildes sofrendo violência nas ruas. São torturadores enrustidos, por isso têm tara por certo fato do passado ... que ACABOU.

Viramos essa página, viramos o século, enterramos qualquer resquício de ação pela força bruta... eles não. Sabemos que a prática da violência ainda faz parte dos métodos de ação desses trogloditas caquéticos.

Quem dera um dia possamos dizer "Ditadura nunca mais", porque a única ditadura que ainda existe é a dos países que os dinossauros ressentidos veneram e é ditadura de esquerda. Quem dera um dia possamos ver LIVRE o povo de Cuba, Nicarágua, Venezuela, Coreia do Norte, Rússia, China e outras tiranias menos conhecidas.

SALVE 31 DE MARÇO E SIGAMOS EM FRENTE


Tive amigos e familiares nos dois lados da trincheira do que chamam de golpe militar. Sei muito bem o que faziam, não só pelo que dizem, mas pelo que vi. Sei também dos danos que tudo isso causou à imagem das Forças Armadas e é evidente que não são os militares que querem reviver essa história.

Não passa na cabeça dos que acreditam que precisam bajular seus detratores para conquistar simpatia, muito menos dos que estão firmes com o presidente e querem provar seu valor com ações propositivas, positivas e de resultados. Os ministros Tarcísio e Marcos Pontes simbolizam muito bem esse perfil.

A farsa de que Bolsonaro quer o poder para dar um golpe militar existe desde sempre e tem só uma motivação, VINGANÇA.

Esse tema faz parte da PAUTA DA ESQUERDA, que planta essa ideia no imaginário coletivo e provoca situações constrangedoras, com a cumplicidade da imprensa e suas matérias tendenciosas, bem como dos supremos que acusam as tias do zap de serem figuras que ameaçam a democracia.

Por que fariam isso?

Seria um triunfo para as quadrilhas que passaram algumas décadas assaltando os cofres públicos. Voltariam ao poder como os que salvaram o país de um ditador e, agora com essa praga do vírus, encontraram a oportunidade de salvar o país também do que eles dizem ser um genocida.

Aproveitariam uma suposta intervenção militar, que só existe na cabeça deles e de quem comprou essa ideia sem avaliar as consequências, para completar o processo de retaliação, que teve início com uma certa "Comissão da Verdade", mas que foi frustrada com o impeachment da Dilma e a vitória de Bolsonaro.

Não entendo como alguém ainda cai na encenação dessa gente que agora se solidariza com os generais demitidos. Eles ODEIAM militares. Os esquerdistas que agora estão em êxtase com policiais agredindo trabalhador ODEIAM militares. Isso não é segredo pra ninguém.

A ideia é uma só, apostar no caos para voltar ao poder. Então os militares saberão o quanto são "amados". O problema de quem ajuda a dar crédito a essa versões cabulosas é que dão munição ao inimigo.

O VALE TUDO NÃO TEM LIMITE - ENVOLVEM ATÉ AS FORÇAS ARMADAS NO JOGO SUJO

Não podemos falar em guerra de narrativas no Brasil porque temos narrativas de um lado só. Do outro lado tem a voz do povo, de anônimos, ignorada por ilustres autoridades e formadores de opinião.

Mas tem algo inédito acontecendo na imprensa, algo estranho que já vinha engatinhando timidamente após a saída outros militares que aderiram à sua agenda, uma suposta defesa das Forças Armadas como o último bastião de defesa do país. Exatamente o que Bolsonaro sempre afirma, porém interpretam de forma distorcida para plantar o ódio contra o presidente.

A ideia é criar um clima tenso entre Forças Armadas e o governo Bolsonaro, porém a tal defesa da instituição que tanto odeiam tem o intuito de colar em Bolsonaro a marca de tirano, o dito antidemocrático que nenhuma artimanha até agora conseguiu derrubar. Então, num gesto digno dos piores crápulas da história, recorrem até a um “inimigo”, talvez como um último recurso desesperado para fazer o que nenhum adversário conseguiu.

Não foi em vão que certo jornalista escreveu um texto sobre a possibilidade de as Forças Armadas acabarem com Bolsonaro. No caso, tem até sugestão de assassinato.

A retórica de que Bolsonaro pretende decretar estado de sítio serve justamente para isso, para alegar que o presidente precisa ser barrado e, se possível, derrubado. Mas a contradição com o que Bolsonaro realmente diz deveria ser denunciada por certas agências de checagem, que costumam censurar informações que contradizem matérias mentirosas. Algo parecido com estado de sítio está sendo praticado, sim, mas pelos governadores. E a imprensa aplaude.

O que insinuam ser um alinhamento político das Forças Armadas com o governo e que, por esse motivo, alguns generais debandaram, cai por terra quando Bolsonaro diz com certa frequência que jamais ordenaria que o exército saísse às ruas para reprimir a liberdade de ir e vir do cidadão brasileiro.

Talvez seja esse o incômodo, o fato de Bolsonaro não aceitar que façam o que talvez alguns generais queiram fazer, perseguir trabalhador nas ruas. Foi pelo mesmo motivo que um ministro saiu, por querer forçar Bolsonaro a assinar uma lei para prender o cidadão pelo simples fato de estar na rua.

O importante nessa história toda é atentar para o fato de quem realmente defende a honra da instituição e quem utiliza de recursos diabólicos para criar o atrito e gerar discórdia.

Quando jornalistas, políticos e supremos propagam a ideia de que um general não teve sucesso numa missão e passa para a opinião pública que a instituição não tem quadros preparados, como fizeram injustamente com o ex-ministro da Saúde, temos um exemplo da ausência de escrúpulos de quem articula essa ideia, de quem acredita e repercute, e de quem não tem a dignidade de repudiar quem faz isso e, muitas vezes, acaba se aliando ao detrator que o humilha o tempo todo.

Só para citar mais um exemplo de canalhice, o primeiro nome da lista de indicados para o comando do Exército era considerado improvável pelos falsos “neoapoiadores” das Forças Armadas, por ser alguém que se opõe às ditas investidas políticas de Bolsonaro na caserna. Tanto é mentira que foi justamente o nome que assumiu o posto.

VACINAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL, EXEMPLO DE SUCESSO

 

O esforço tem feito da vacinação um exemplo de sucesso na questão da proteção dos indígenas em meio à pandemia.

A Força Aérea Brasileira (FAB) montou quatro postos de abastecimento avançados para apoio das aeronaves -- ao menos quatro aviões e seis helicópteros estão sendo usados nas operações de apoio à Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde. A Marinha também disponibilizou dois navios de assistência hospitalar, além de embarcações menores, enquanto o Exército disponibiliza vários veículos de acordo com a necessidade.

Mas engana-se quem pensa que o esquema das Forças Armadas para chegar a lugares remotos se restringe aos estados amazônicos. Esse tipo de operação precisa ser colocado em prática também para levar a vacina a locais como Tocantins, Mato Grosso e parte do Nordeste.

A matéria é venenosa, como todas, sempre vem acompanhada com uma picada de cobra, mas pelo menos já é algum reconhecimento. 

Confiram AQUI.

terça-feira, 30 de março de 2021

BRASIL É O PAÍS QUE MAIS COMPRA VACINAS


O bombardeio da imprensa, que afirma o tempo todo que o governo não quis comprar vacinas e a vacinação é lenta, é um exemplo, dentre muitos outros, das narrativas mentirosas e criminosas que propaga.

Foi esse argumento, sobre uma suposta dificuldade na aquisição de vacinas, que utilizaram como máquina de guerra para derrubar o ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo. O mais grave é que esse tipo de versão mentirosa convence o cidadão que não acompanha os números divulgados pelos órgãos oficiais, porque a capacidade de raciocínio coletivo está comprometida pelo pânico.

Vamos aos FATOS. 

O Brasil é o país que mais comprou e distribuiu vacinas, os governadores é que estão lentos na logística com os municípios e até agora só aplicaram praticamente a metade do que receberam. 

Bastaria entender símbolos básicos da matemática (por exemplo, 18 milhões de doses aplicadas no Brasil é > que 14 milhões aplicadas na Turquia, que está logo atrás de nós - dados de 28 de março de 2021) para constatar que o Brasil é o país que MAIS COMPRA VACINAS NO MUNDO. Os quatro países que estão à nossa frente no número de vacinados são os que PRODUZEM AS VACINAS, então é elementar que vacinem mais que os outros.

Confiram AQUI.

A BORRACHA DAS TREVAS

 


“A Universidade de Oxford está considerando descartar as partituras musicais por serem "muito coloniais", depois que a equipe levantou preocupações sobre a "cumplicidade na supremacia branca", nos currículos musicais de Beethoven, Mozart e outros compositores clássicos.
 
Os professores devem reformar seus cursos de música para se afastar do repertório clássico, que inclui Beethoven e Mozart, em prol do movimento “Black Lives Matter”. “

A borracha das trevas avança em velocidade assustadora. Apaga valores...apaga a cultura (substitui por lixo)...apaga a história, entra a narrativa...apaga os laços de família...apaga a identidade das crianças (ideologia de gênero)...tentam apagar Deus de nossa memória...sobra o que? O inferno reina aqui.

EMPATIA DE FATO, O RESTO É SÓ DISCURSO


Num certo país de primeiro mundo, sua chanceler pediu desculpas por ter provocado incertezas quanto ao lockdown. Bolsonaro jamais aderiu, não por incerteza, pois quem pode sabe que o mais prudente é evitar aglomeração. 

Porém, essa não é a realidade de nosso povo, que depende do transporte público para garantir o abastecimento e as mordomias de quem está recolhido no conforto de seu lar... e precisa mais do pão do que a ilusão de que está protegido sem as mínimas condições de sobrevivência. 

O presidente decidiu estender a mão na linha de frente, enquanto os ditos "salvadores" estão encastelados ou passeando pelas praias paradisíacas com o dinheiro pago também por quem está condenado a morrer de fome.

sábado, 27 de março de 2021

FESTAS DA FAMÍLIA BOLSONARO


Já ouvi muitos relatos sobre "festas" organizadas por Bolsonaro e sua esposa e impressiona que a imprensa não divulga nem critica.

Sabem por que?
 
Simplesmente porque não são as baladas que acontecem nos bairros nobres das grandes cidades, o pessoal que bate panela. No Palácio da Alvorada vão pessoas que nem sempre tem um lar pra "ficar em casa", são idosos de asilos, crianças de orfanatos e das comunidades carentes de Brasília.
 
Encontrei uma reportagem, mas foi para falar dos familiares das crianças que estavam sem máscaras. Porém, isso é tão pequeno diante da grandiosidade do evento e da generosidade dos anfitriões.

PROVA DE FOGO - FORÇAS ARMADAS


Eu me encanto com o trabalho de nossas Forças Armadas, porém há uma incógnita no ar diante da pressão de uma parcela da sociedade que, por motivos justos e por ser a única instituição que mantém a credibilidade intocável em meio à falência das demais, faz repetidos apelos para que atuem contra as mazelas que se ampliam com o cenário de mortes causadas pelo maldito vírus.

Se há uma dose de insensatez nesses apelos, muito mais insano é aceitar que uma corja de corruptos e serviçais de corruptos estejam com seus projetos de poder em ação, avançando numa celeridade que realmente assusta.

Por outro lado, o absurdo ultrapassa os limites da loucura.

O jornalista Mario Sergio Conti propôs, em coluna no jornal Folha de São Paulo, um golpe militar para retirar do poder o presidente Jair Bolsonaro.

O título divulgado pelo jornal na internet é este: “Nata militar poderia, sim, derrubar Bolsonaro, mas precisaria ter coragem”. Na edição impressa o título é diferente e apenas alusivo: “O pocotó das valquírias“.

No texto, Conti cita Claus von Stauffenberg, conde e coronel do exército alemão na 2ª Guerra. Stauffenberg liderou uma tentativa de assassinato a Adolf Hitler em julho de 1944. O atentado foi malsucedido. Von Stauffenber e outros participantes do complô foram executados pelo governo nazista.

“O patriciado militar, que festejara ruidosamente a ascensão nazista, veio a se horrorizar com o ímpeto genocida de Hitler. Como não havia espaço político para mobilizar a opinião pública e barrá-lo, um grupo de oficiais organizou um atentado e um golpe de Estado, a Operação Valquíria”, escreveu o jornalista.

Conti exortou militares brasileiros a fazer o mesmo com Bolsonaro.
 
Confiram essa excrescência AQUI.

domingo, 21 de março de 2021

PROTESTOS CONTRA RESTRIÇÕES NO MUNDO - QUEM É O GENOCIDA?


Enquanto a vacinação caminha lentamente, vários países europeus implementam medidas de restrição de movimentação para frear as infecções. Neste sábado, atos foram registrados em Portugal, no Reino Unido, na Alemanha, na Croácia e na Suécia.

Por acaso alguém é acusado de genocida por esses protestos?

Quem é o "genocida" em Portugal ou na França, por exemplo, com filas de ambulâncias paradas nas ruas por falta de vagas nos hospitais e que tiveram que "exportar" doentes para a Áustria? Ah, mas isso não comove quem só pensa em politicagem.

A questão sobre lockdown é sobre resultados. A Europa inteira cabe praticamente dentro do Brasil, sobra pouco mais de mil metros quadrados, mas as medidas restritivas não são adotadas por todos os países europeus justamente porque não faz sentido que todos parem se nem todos estão na mesma situação. Quanto aos resultados, vale acompanhar o noticiário internacional, pois o complexo de vira lata de alguns brasileiros nos faz crer que só aqui tudo é ruim. 

É tudo tão sinistro que, se de um lado ainda tem quem acredita que o vírus é uma bobagem, enquanto outro lado age como se Bolsonaro tivesse criado o vírus, imagino a possibilidade do governo chinês ganhar o Prêmio Nobel da Paz.

A TORCIDA DO VÍRUS SÓ PENSA EM ELEIÇÃO

 


Dá pra imaginar o desespero de querer respirar, não conseguir e ter a possibilidade de tratamento negada por questões políticas?

Uma coisa é fato, a pandemia piorou a partir do momento em que os promotores do caos passaram a criminalizar o tratamento precoce, como também a orientação de só tratar quando o paciente estiver mal voltou a prevalecer...e com a onda de terror, deram a largada à campanha presidencial do ex-ministro Mandetta.

Estão censurando milhares de relatos de tratamentos que tiveram resultado positivo, incluindo médicos famosos. Com a vacina também ocorreram mortes, nem por isso podemos deixar de correr o risco de vacinar e ao menos tentar minimizar os danos num eventual contágio. Portanto, genocídio é negar vacinas experimentais, mas também deixar morrer sem tratamento.

Esse é de longe o episódio mais triste e mais sombrio de nossa época. A esquerda viu no vírus, desde março de 2020, um aliado que pode ajudá-los a retomar o poder. Às custas de mortes, desemprego e miséria.

Tanto é verdade que dois concorrentes à cadeira da presidência da República fizeram declarações sinceras, porém desastrosas. Foram lapsos que mostraram o que realmente pensam e que não se importam com vidas, mas sim com o poder.






QUE "ÇIENSSA" É ESSA?

Acho estranho quando leio alguma notícia de celebridade do "fica em casa" cancelando espetáculo porque pegou covid. Que estranho, aglomerar em ambiente fechado pode e ambulante trabalhar ao ar livre não pode?

Que "ÇIENSSA" é essa?

Imagino qual seria a intenção por trás de toda a encenação dos hipócritas, imagino o que diriam se fosse Bolsonaro que colocasse as tropas nas ruas para agredir o cidadão comum e fechar TODOS os estabelecimentos, incluindo estúdios de TV, onde se aglomeram para propagar mentiras e gravar novelas, e casas de espetáculo onde estão aglomerados os que pregam fechamento das igrejas. Certamente convocariam massas cativadas com mortadela a saírem às ruas com faixas acusando Bolsonaro de tirano e denunciando censura.

Como são forçados a dar o exemplo, muitos inocentes úteis são poupados do risco de contágio. Mas como a fome não espera, outros inocentes que produzem e carregam o país nas costas, garantindo também os salários e privilégios de quem está em casa sem precisar trabalhar, não têm outra saída a não ser correr o risco para lutar pela sobrevivência de suas famílias e pela dignidade de prover seu ganha pão.

Portanto, genocida é quem provoca toda essa situação sem se importar com a vida, mas sim com o jogo sujo da política.

MINISTRO DA SAÚDE - SAI O GESTOR, ENTRA O ARTICULADOR

O que o Brasil menos precisa nesse momento de comoção intensa é de conflito, amplamente provocado por políticos oportunistas, que sempre se aproveitam de tragédias para torcer pelo pior, e pela grande mídia tão discreta nas décadas de roubalheira de governos anteriores.

Portanto, o que menos precisamos é de ministros fanfarrões, fofoqueiros e que tenham uma postura desrespeitosa de enfrentamento, como certas figuras que revelaram sua índole barraqueira e de língua solta, características totalmente inconvenientes para lidar com situação tão delicada como a pandemia. Já basta o pânico causado pelos noticiários.

Nesse sentido, o ministro Pazuello, apesar do terrorismo midiático e do "tom de quartel" que não agrada quem costuma se encantar com discurso de político demagogo, cumpriu sua missão. Com tudo encaminhado e com o Brasil já produzindo vacinas e colocado entre os cinco países que mais estão vacinando no mundo, chega o momento em que é necessário ter alguém que saiba se comunicar e que conheça os antídotos para veneno de jararaca.

Parece que o novo ministro começou bem. Questionado sobre a gestão de Eduardo Pazuello, ele respondeu assim:

“Não tenho avaliação da gestão Pazuello. Não vim avaliar a gestão Pazuello. Vim aqui para trabalhar para o Brasil, com o ministro Pazuello e outros ministros.”

“O governo está trabalhando, as política públicas estão sendo colocadas em prática. O ministro Pazuello já anunciou ontem todo o cronograma de vacinação. O ministro tem trabalhado arduamente para melhorar as condições sanitárias do Brasil.”

Ao chegar ao Ministério da Saúde, Marcelo Queiroga disse que “a imprensa é muito importante no enfrentamento da pandemia da Covid-19, porque leva informação de qualidade e que precisa do apoio dos jornalistas para que consigamos todos juntos vencer a pandemia”.

“Hoje, o que nos precisamos é de uma união nacional para vencer o vírus.”

“E vocês estão todos aglomerados aí, coisa que vocês dizem que não é bom. Quero o apoio de vocês. E não fiquem aglomerados assim, pessoal.”

MAIS COMPAIXÃO, ESTÁ DIFÍCIL PARA TODOS


Trata-se de extrema insensibilidade e má fé querer tratar pessoas em situação de desespero como criminosos. Será que a dor do próximo não pesa na consciência dos julgadores da consciência alheia? Se preferem seguir a onda de que o nosso apoio a essas pessoas se trata de falta de empatia pelos doentes e, por esse modismo nos insultam, nem é o mais grave, o pior é o desprezo pelo mundo real que as telas da TV não mostram.

Abaixo, posicionamento corajoso de um vereador de minha cidade, Fabricio Cardoso:

Como julgar o pai ou a mãe de família que diariamente precisa decidir entre a possibilidade de se contaminar ou passar fome?

Como julgar a indignação de quem investiu todos os seus recursos para realizar o sonho de ter o próprio negócio e hoje segue atolado em dívidas, implorando por auxílios e isenções e lutando para não fechar as portas, pois sabe que caso isso aconteça, dificilmente vai conseguir se reerguer?

Faço esse post respeitosamente enquanto comerciante pró-máscara, pró-distanciamento, pró-vacina, pró-vida, no entanto, não posso deixar de lembrar que, diante de uma situação que já perdura há um ano, cada um de nós tem vivido a SUA realidade, e que por vezes, é muito diferente da do outro.

Como já disseram, não estamos todos no mesmo barco. Estamos todos no mesmo mar, na mesma tempestade. Uns em pequenos barcos, outros em iates e a maior parte boiando, agarrada em troncos.

Por mais compaixão e empatia nesse momento tão difícil para TODOS.

ALGUNS MAIS IGUAIS QUE OUTROS

A Revolução dos Bichos nunca foi tão verdadeira e os populistas, como sempre, camuflam sua crueldade com discursos sedutores.

É óbvio que o pessoal da empatia seletiva sempre chia quando mexem no seu bolso, não dá para contar com a cota de sacrifício de quem se considera parte de uma casta superior à massa que está em situação de desespero.

Mais uma vez a esquerda tenta implantar o caos.
 
O PT apresentou um destaque -trecho votado separadamente– da PEC Emergencial, que retirava do texto todas as medidas de controle de gastos públicos, principalmente com pessoal, quando as despesas de Estados e municípios alcançassem 95% das receitas.

Para evitar a derrubada integral do dispositivo, o que acabaria com a principal medida de controle de gastos trazida pela PEC, o governo aceitou retirar do texto os trechos que impediam, no caso do acionamento das regras de contenção, a progressão de carreira e a promoção dos servidores públicos.

Em meio a uma pandemia a esquerda está mais preocupada com aumento de salário do funcionalismo púbico, que representa grande parcela dos seus eleitores, do que com o futuro econômico do país de fato.

NEM O COMPLEXO DE VIRA LATA FUNCIONA PARA ATACAR BOLSONARO


Sem vacinas, Paraguai deixa de ser exemplo para ataques da imprensa a Bolsonaro. Mas não é só o Paraguai que está em situação ruim, é o mundo inteiro. Porém, ainda há quem prefira execrar o próprio país acreditando que em outros países tudo está muito bem resolvido. Mas, infelizmente, não é bem assim.

Uma nova explosão no número de casos de covid-19 levou neste fim de semana vários países da Europa a retomarem medidas de restrições, em meio à crescente frustração da população com o avanço lento da vacinação.

França e Itália confinaram novamente grande parte de sua população, enquanto a Alemanha, há meses em lockdown, deve anunciar nesta segunda-feira (22/03) a suspensão da reabertura tímida que tentava levar adiante.

Segundo o Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças, uma agência da União Europeia, 20 países do bloco enfrentam atualmente uma escalada no número de casos. Destes, 15 estão com as UTIs a cada dia mais cheias.

Em três semanas, a incidência de infecções por covid-19 subiu em média mais de 34% nos países, o que é atribuído ao avanço de novas variantes da doença, como a britânica.

quarta-feira, 10 de março de 2021

A POLARIZAÇÃO LULA X BOLSONARO É ÓBVIA - UM ASSALTOU E QUEBROU O PAÍS


A Globo mais lulista do que nunca, sinal de síndrome de abstinência da grana dos cofres público. Imagino que se ainda tivéssemos um governo petista na pandemia, bastaria encher os cofres da Globo, ao invés de investir em hospital e vacina, que mal se falaria no número de mortos e ninguém seria rotulado como culpado pelo estrago que o vírus está fazendo... e doutor Dráuzio continuaria dizendo que é só uma gripezinha.

ABRIL SERÁ O MÊS DA VIRADA NA VACINAÇÃO BRASILEIRA

VEJA

A vacinação contra Covid-19 no Brasil deve passar por um importante ponto de virada a partir de abril. Isso porque a Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz, principal fornecedora de vacinas para o Ministério da Saúde, 222 milhões de doses asseguradas, passará a entregar grandes cotas de vacinas regularmente, conforme VEJA mostrou em reportagem de capa na última semana. São esperadas entre 6 e 7 milhões vacinas entregues por semana no mês que vem. Para se ter uma ideia, a cota da fundação ultrapassará em 66% as doses já entregues ao Programa Nacional de Imunização (PNI) até esta terça-feira, 9.

Para o mesmo mês, conforme cronograma do Instituto Butantan, é esperada a disponibilização de outras cerca de 12 milhões de doses da CoronaVac finalizadas pela instituição paulista.

No cronograma do Ministério da Saúde, entre os contratos assinados, há ainda doses previstas da Precisa Melhoramentos: seriam 8 milhões de aplicações da Covaxin no mês. Mas o imunizante ainda não conta com aprovações da vacina junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que pode alterar o cronograma. Também são esperadas mais 2 milhões de doses da vacina de Oxford que podem vir do Instituto Serum, na Índia, mas o envio de vacinas pelo país foi, até aqui, marcado por atrasos relacionados à escassez de imunizantes em todo o mundo.

MINISTÉRIO DA SAÚDE E FIOCRUZ, A PARCERIA QUE FAZ A DIFERENÇA


As cinco usinas de produção de oxigênio enviada pela Fiocruz, por meio do programa Unidos Contra a Covid-19, ao sistema público de saúde do Amazonas, no final de janeiro, já estão em funcionamento.

A última a ser instalada foi destinada ao município de Carauari no final da semana passada. Também receberam usinas os municípios de Tabatinga, Tefé, Lábria e Manacapuru.
 
Cada usina disponibilizada tem capacidade de produzir cerca de 25m³ de oxigênio por hora, quantidade suficiente para suprir uma unidade hospitalar em 12 leitos de terapia intensiva e 80 leitos de internação e pronto atendimento.

Os equipamentos fortalecem a infraestrutura do Sistema Único de Saúde (SUS) e ficarão como um legado para o estado, podendo ser utilizados pelos hospitais em emergências futuras.

Para saber mais sobre o Unidos Contra a Covid-19: https://unidos.fiocruz.br/

FIÓDOR TUPINIQUIM




Padre Nivaldo Junior
(8 de março)

Outro dia um seguidor nos mandou uma mensagem contando que tinha um prazer estranho: prazer em mentir.
Pior: o prazer de mentir até para si mesmo. De acreditar em suas histórias como se verdade fossem.
Tinha afundado a existência em um mar de engano.
Lembrei-me então do momento em que o Stárets Zózimo ergue os olhos para Fiódor Pávlovitch e o desvenda:
.
“Aquele que mente para si mesmo e escuta sua própria mentira vai ao ponto de não mais distinguir a verdade, nem em si, nem em torno de si; perde pois o respeito de si e dos outros. Não respeitando ninguém, deixa de amar; e para se ocupar, e para se distrair, na ausência de amor, entrega-se às paixões e aos gozos grosseiros. Aquele que mente a si mesmo pode ser o primeiro a ofender-se. É por vezes bastante agradável ofender-se a si mesmo, não é verdade? Um indivíduo sabe que ninguém o ofendeu, mas que ele mesmo forjou uma ofensa e mente para embelezar, enegrecendo de propósito o quadro, que se ligou a uma palavra e fez dum montículo uma montanha — ele próprio o sabe, portanto é o primeiro a ofender-se, até o prazer, até experimentar uma grande satisfação, e por isso mesmo chega ao verdadeiro ódio...”
.
Há por trás do texto uma experiência humana universal.
A mentira mata o amor.
Em certa medida, aquele seguidor experimentou o mesmo que o personagem de Dostoiévski.
E é um risco que ronda a cada um de nós.
Dostoiévski, porém, pôde expressar esse drama melhor do que qualquer um de nós.
A mentira mata mesmo o amor.

domingo, 7 de março de 2021

MIMIMI É MAIS UMA "CASCA DE BANANA"

Nunca imaginei tamanha perversidade de certo jornalismo. Esse pessoal que enfia veneno na cabeça das pessoas sabe muito bem que o presidente criticou o mimimi dos governadores chorões, que torraram a verba enviada para a pandemia pra cobrir seus rombos e com propaganda pessoal, e não familiares das vítimas de covid. Jornal virou serviço de desinformação, que vergonha!

Não precisa ser esperto pra perceber o que é verdadeiro ou jogada de marketing. A farsa da choradeira dos hipócritas é visível e risível. Bolsonaro faz bem em se manter longe das provocações, apesar de sempre ter a patrulha que pinça alguma malcriação.
 
Os números assustadores de mortes, sejam reais ou superdimensionados (sutil) e não cabe questionamento porque não faz diferença no atual cenário mundial, é tudo o que os oportunistas precisam para jogar cascas de banana no caminho do presidente e, se ele der um escorregão com as maluquices que cobram dele, será a glória dos canalhas, que não irão apenas ter bons motivos para voltarem ao poder e destruir a imagem de nosso país perante o mundo, mas a perversa marca de genocida é a narrativa que pode ficar para a história.

IDEOLOGIA ASSASSINA NEGA TRATAMENTO QUE PODE PARAR A PANDEMIA

Que tragédia! A decisão sobre tratar ou não os pacientes de Covid é determinada pela Globo, pelos "supremos" e por sociólogos dos institutos de pesquisa. Isso é que é "çienssa"!

Esse é o verdadeiro negacionismo de que acusam os outros. Colocar militância política movida pelo ódio acima das evidências tem custado vidas. 

Quem vai responder pelas mortes por falta de tratamento?

Como julgar quem é negacionista? Bolsonaro, o alvo do ódio articulado por organizações tenebrosas, porém sempre preocupado com a cura e responsável por colocar o Brasil entre os cinco países com mais pessoas vacinadas no planeta ou quem aderiu ao projeto lucrativo da grande indústria farmacêutica, porém criminaliza qualquer possibilidade de tratamento e persegue os profissionais que fazem a opção pela vida ao prescreverem medicamentos que têm apresentado resultados satisfatórios no combate ao Covid 19?

Abaixo, entrevista completa, com dados, resultados e fundamento:


EUROPA E EUA TÊM MAIS MORTES POR HABITANTE

A tragédia é mundial, mas o terrorismo é nosso, ao negar os números e desprezar a dor além do nosso umbigo.

A segunda onda da Covid-19 chegou com força no Brasil, mas há mais mortes por um milhão de habitantes na Europa e nos Estados Unidos, segundo a plataforma OurWorldinData.

VACINAÇÃO NO MUNDO - BRASIL TOP FIVE


Nosso jornalismo vergonhosamente está mentindo demais, os militantes de partidos mentem sem o menor pudor, o terrorismo midiático não respeita nossos profissionais da Saúde, que estão se superando para cuidar das pessoas. 

Então, sugiro consultar fontes confiáveis de informação, pois a imprensa não cansa de passar vergonha quando os fatos desmentem suas narrativas diabólicas.

Hoje é sábado, mas tem lição de casa, ou seja, conferir os números verdadeiros sobre a vacinação em todos os países do mundo e comparar com o que divulgam nos noticiários da TV.

"NÃO NOS CONFUNDAM"



Como diz a campanha que reivindica o direito do trabalhador garantir seu sustento, "NÃO NOS CONFUNDAM", medidas atabalhoadas vêm sendo adotadas por prefeitos e governadores que, até então, não tem surtido nenhum efeito para a contenção do coronavírus. Ou será que é justo o trabalhador ser penalizado pela irresponsabilidade de "gente bacana" que se acha acima do bem e do mal?

Basta dar uma espiada nas fotos dessa "gente bacana" nas mídias sociais que dá pra saber quem é que está espalhando o vírus por diversão, não por necessidade. E o pior, sem os cuidados que vêm sendo adotados pelos estabelecimentos comerciais e que certamente não são os responsáveis pela disseminação descontrolada da doença.

Confesso que não consigo entender... acusam o trabalhador de genocida, menos o entregador que pode correr riscos a fim de garantir o conforto de quem está em casa... ou não, porque muitos apontam o dedo acusador, mas vivem circulando sem necessidade.

Insisto nisso, pois é fato e é fácil de constatar.

Então, quem realmente "fica em casa"?

Os atos traem as palavras, porque o que mais se vê dos atiradores de pedras é gente circulando, viajando e organizando festinhas, ... ou será que as imagens de multidões nas praias, nos barzinhos, nas baladas e numa série de eventos que vemos nos noticiários e nas mídias sociais é tudo gado do Bolsonaro?

Que eu saiba, a única razão de desespero, principalmente de pessoas humildes, é a NECESSIDADE de trabalhar, geralmente com melhores condições de cuidado e isolamento do que no desconforto de seu lar.

Essa é a realidade de nosso país que o pessoal da bolha despreza.









OS FATOS DESMASCARAM O MIMIMI DE CERTOS GOVERNADORES

 

Não foi à toa que Bolsonaro reclamou da choradeira e do mimimi dos governadores. Certos Governadores e Prefeitos pegaram a verba do Governo Federal para combate ao covid e usaram pra combate aos seus rombos fiscais. Podemos deduzir, então, que nem eles acreditavam na pandemia. Só fizeram barulho pra saquear o tesouro. 

A partir do momento em que se criminalizou o tratamento disponível para que a situação piorasse e, assim, pudessem justificar uma forjada necessidade de verba para leitos de hospital e UTIs, desativados antes da hora de forma suspeita, fica comprovado que a guerra de narrativas é por dinheiro e não preocupação com a vida dos brasileiros.

Isso, sim, é caso para impeachment... e cadeia.

Os fatos desmascaram o mimimi desses governadores. Seus discursos encantam os "distraídos, mas suas ações custam vidas.

Vejam, nos vídeos abaixo, dois exemplos do que vem sendo articulado para gerar uma quebradeira histórica nos cofres públicos.




Que uma minoria privilegiada continue encastelada, eu também estou, mas não estou culpando ninguém pelas dores de familiares e amigos nem massacrando quem está em situação de desespero (não digo futilidade e diversão, como fazem muitos que atiram pedras, falo de trabalho)... mas a massa de vulneráveis sabe quem se mantém esse tempo todo ao seu lado, correndo riscos de saúde, de todo tipo de acusação e até risco de ser assassinado.

sábado, 6 de março de 2021

ENSAIO NO CAOS

Hoje, mais de 250 mil mortos depois e com uma quantidade desconhecida de bilhões em dinheiro público gastos para controlar a epidemia, constata-se, pelo que dizem os próprios secretários de saúde, que o sistema entregue à sua gerência está à beira do colapso — após um ano inteiro de autonomia, não conseguiram nem sequer instalar leitos suficientes nas UTIs. Se isso não é a comprovação objetiva do fracasso das autoridades estaduais e municipais, então o que seria?


(J. R. Guzzo, publicado no jornal O Estado de S. Paulo em 3 de março de 2021 e na Revista Oeste)

Antes da chegada da pandemia ao Brasil, há cerca de um ano, pouca gente sabia que existe na galáxia nacional dos corpos oficiais algo chamado “Conass” — que não se perca pelo nome, mas é assim mesmo que a coisa chama oficialmente a si própria. Esse “Conass” é um “conselho” que reúne os secretários de Saúde estaduais; é presidido, acredite se quiser, por um advogado do Maranhão chamado Carlos Lula, e não por um médico ou aquilo que a mídia descreve hoje como “cientista”. Agora, enquanto durar o coronavírus, está tendo os seus quinze minutos de fama. A última realização dos membros dessa entidade é um manifesto em que propõem medidas extremas para reprimir liberdades públicas e individuais. O objetivo, no seu entendimento, é combater a covid.

De uma vez só, e entre outras coisas, os secretários querem a proibição das missas, o fechamento das salas de aula recentemente abertas, o fechamento dos bares, o fechamento das praias, mais barreiras sanitárias e um inédito “toque de recolher nacional”, do Oiapoque ao Chuí. Também querem, é claro, tornar legal o “estado de emergência” — que, como se sabe, tem o extraordinário atrativo (para quem manda nos governos) de permitir compras sem licitação — respiradores artificiais, por exemplo, e você sabe o que mais.

A maior surpresa do pacote todo é essa nova reivindicação de uma “política nacional unificada” de combate à covid — especificamente, estão querendo o tal toque de recolher “nacional”. Como assim, “nacional”? É o exato contrário do que eles mesmos exigiam um ano atrás — autonomia completa, sem interferência de cima, para gerir o tratamento da epidemia. Foram atendidos, nisso, pelo Supremo Tribunal Federal, que, na prática, deu aos governadores e aos prefeitos a responsabilidade exclusiva na área — ao proibir expressamente o governo federal de interferir em decisões sanitárias das autoridades locais.

Hoje, mais de 250 mil mortos depois e com uma quantidade desconhecida de bilhões em dinheiro público gastos para controlar a epidemia, constata-se, pelo que dizem os próprios secretários de saúde, que o sistema entregue à sua gerência está à beira do colapso — após um ano inteiro de autonomia, não conseguiram nem sequer instalar leitos suficientes nas UTIs. Se isso não é a comprovação objetiva do fracasso das autoridades estaduais e municipais, então o que seria? A situação não melhora em nada, obviamente, quando se constata que nem eles estão de acordo entre si. No exato momento em que os secretários da Saúde exigem o fechamento das escolas, os secretários da Educação exigem que as salas de aula continuem parcialmente abertas. Ambos, da Saúde e da Educação, obedecem aos mesmos governos de Estado — quem está com a razão? Os dois não podem estar certos ao mesmo tempo. É um ensaio de caos, mas os governadores dizem que está tudo bem com o seu pedaço; a culpa, garantem todos, não é deles.